quinta-feira, 28 de maio de 2015

Para relaxar...

...após um dia com temperaturas suficientemente elevadas para perturbar de forma significativa o comportamento dos alunos que consideram que as aulas terminam quando a temperatura "ambiente" ultrapassa os 34ºC. ;)

.
Música dos "Muse" - (Tema: Dead Inside)

Iniciativa sindical...

Embora os sindicatos de professores e os professores não tenham qualquer poder de decisão na recente avalanche de reforço de partidarização (opps... municipalização) e de transferência do poder da cunha (peço desculpa, de competências) considero que a iniciativa tem alguma relevância, pois poderá demonstrar o nosso desagrado para com esta iniciativa.

Bem... Existe dentro da nossa classe quem esfregue as mãos com tal transferência, mas acredito que não seja o caso da maioria dos professores.

Fica assim a imagem e o texto que explica (os negritos e sublinhados são de minha autoria) a iniciativa da plataforma sindical, que não conta com a tradicional exceção que negoceia exceções, de uma forma pouco excecional.


"Nos dias 2, 3 e 4 de junho, ou seja, já na próxima semana, professores e educadores de todo o país irão pronunciar-se sobre a municipalização. Através de voto secreto, a depositar em urna, os docentes serão chamados a responder "Sim" ou "Não" à pergunta: "Concorda com a municipalização da Educação?".

As oito organizações que compõem a plataforma sindical constituída para este efeito esperam uma grande participação dos professores e uma resposta muito clara da sua parte quanto à delegação de competências que, através de contrato, o governo pretende acordar com os municípios.Em algumas escolas e agrupamentos de concelhos, onde o processo tem estado a avançar, os professores já realizaram idênticas consultas, pretendendo-se, agora, alargar a possibilidade de os docentes se pronunciarem sobre esta matéria a todo o território nacional, embora, sem incluir, por enquanto, as regiões autónomas, uma vez que este processo de municipalização não abrange aqueles territórios. 

A posição que os professores irão manifestar terá duas leituras: uma nacional, permitindo apurar o que pensa o conjunto dos docentes sobre a municipalização da Educação; outra de âmbito local, quer municipal, quer de escola/agrupamento, ajudando os responsáveis autárquicos, bem como os conselhos gerais das respetivas escolas e agrupamentos, a perceber a posição do respetivo corpo docente. 

 É, por isso, muito importante esta consulta, pois permitirá dar voz a um dos principais atores do processo de educação e ensino, mostrando ao governo e ao país a palavra que têm a dizer!"

Fonte: FENPROF

Conheço alguns...

“Os miúdos aprendem que a pessoa mais agressiva é quem tem mais poder”

Comentário: Fica a frase desta entrevista a Sheri Bauman, psicóloga norte americana especialista em bullying, que justificou o título deste post:

"Lamenta que ainda hoje haja docentes que recebem denúncias de alunos com respostas como “não sejas queixinhas”."

É uma verdade com que já me deparei e sei que existe em algumas das nossas escolas. E se tem sido atenuada, é porque os recentes casos divulgados nos meios de comunicação social, fazem com que este tipo de reação seja atenuado. 

Motivos para tal? Eventualmente vários, mas acredito que tal como menorizam pedidos de ajuda quando passam por alguma agressão entre alunos nos corredores das escolas olhem para o lado contrário e ignorem. E sim, ao tentarmos ajudar podemos acabar por também "apanhar", mas ainda não fui suficientemente maltratado para conseguir justificar a minha passividade. Eu sei... Tenho um problema.

Cada vez mais preocupante...

Jovem de 14 anos condenado por planear atentado terrorista na Áustria

Comentário: Nem me quero atrever a compreender o que realmente leva um jovem desta idade a achar "conforto" na ideologia (recuso-me a encarar isto de outra forma) subjacente ao Estado Islâmico do Iraque e do Levante. E pela pena de prisão decretada, parece-me que o planeamento do atentado não tem equivalência àquilo que costumamos "colar" a um jovem desta idade.

Excessos de confiança...

Directores confiantes num arranque sem problemas do ano lectivo

Comentário: Aparentemente os diretores estarão confiantes (e tenho algumas dificuldades em generalizar, pois conheço pessoalmente alguns que não estão assim tão confiantes) que o próximo ano letivo irá iniciar sem problemas, porque "as listas da Bolsa de Contratação de Escola (BCE) serão divulgadas no início de Setembro e os docentes poderão começar logo a ser colocados".

E a antecipação é "tão grande" que, "ao contrário do que aconteceu na primeira vez, o concurso abre já no próximo mês. Os docentes poderão candidatar-se entre Junho e Julho e "a 2 de Setembro serão divulgadas as listas".

Bem... Isto é tudo muito bonito, mas relembro que a BCE se destina aos agrupamentos de escolas ou escolas não agrupadas com contrato de autonomia, e como tal, o sucesso desta metodologia de colocação não poderá ser generalizado.

Apenas para terminar: 

Se os sindicatos estão contra a BCE. 
Se os professores estão contra a BCE.
E se os Diretores (os verdadeiros) também não gostam da BCE.

Porque será que o MEC a mantém?

(Ainda) O PET e os alunos com deficiência auditiva severa

Para que não restem dúvidas sobre (mais) esta polémica relacionada com o teste PET da Cambridge, estas eram a adequações previstas pelo Despacho n.º2179-B/2015, de 2 de março.



quarta-feira, 27 de maio de 2015

Afinal não seria bem assim...

Prova de inglês obrigava alunos surdos... a ouvir CD

Comentário: Ao contrário do que se falou na semana passada, o IAVE lá vem esclarecer que a confusão residia nas escolas que não solicitaram os materiais adequados, uma vez que o CD facultado “não era, naturalmente, para ser ouvido pelo aluno, mas sim pelo professor, para que este o reproduzisse ao mesmo ritmo, permitindo aos alunos fazer a respetiva leitura labial”.

E mais uma vez, está tudo na imaginação dos "outros", na falta de informação de "alguém" e na má-vontade de "alguns". O problema nunca está no MEC! Enfim...

Isto sim, podia ser importado...

Finlândia desenvolve programa anti-'bullying'

Comentário: Estamos perante um programa que não se cinge apenas à questão do abusador/vítima, mas também àqueles que são expectadores. A base do programa reside no seguinte: 

"No caso do KiVa, o propósito é mudar a atitude das testemunhas que muitas vezes gozam com a vítima quando esta está a ser maltratada, mesmo que na verdade não achem que a situação seja divertida. Se as testemunhas tiverem uma atitude diferente em relação ao problema, então a atitude do abusador vai acabar por mudar".

Obviamente que tal dificilmente será implementado em Portugal. Se nem a Educação Sexual tem real implementação nas nossas escolas (e é - aparentemente - transversal), e não exige grande esforço financeiro, quanto mais um programa destes. O que interessa são as estatísticas do sucesso... Os alunos sofrerem bullying e alguns professores ficarem com os "dentes partidos" são meros pormenores, que não interessam.

É por estas...

...e por outras (principalmente outras, para não julgarem que sou um "arruaceiro"), que desde há algumas semanas frequento o ginásio. E não, não é pelos alunos, mas sim por aqueles que não cumprem com o seu papel de educadores e que têm sido estimulados pela nossa classe política a descarregarem as suas frustrações em cima dos professores e a saírem-se (relativamente) bem com isso. 

(Correio da Manhã, 27-05-2015)

Da consciência...

...ou da falta dela.

Nota: negrito de minha autoria.
"Para já, o grupo parlamentar do PSD tem acompanhado de perto a preparação do concurso de professores. “Estão a ser feitos testes ao sistema informático para garantir que não há problemas”, diz ao SOL um deputado social-democrata, que confessa a especial atenção dada pela maioria à Educação em campanha eleitoral. “Acima de tudo, queremos que as aulas comecem com o mínimo de incidentes. Já não temos muita esperança de que os professores votem em nós. Mas não queremos perder os pais”, assume a mesma fonte".
(Fonte: jornal SOL

A obediência em detrimento da competência

Deixo aqui o link do artigo para leitura.

Comentário: Não se me ocorre dizer nada... :(

terça-feira, 26 de maio de 2015

Para relaxar...

...em português e após algumas horas à volta de um exame de equivalência à frequência.

Até amanhã.

.
Música de "Diogo Piçarra" - (Tema: Tu E Eu)