terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Recordações...

Música de "The Cranberries" - (Tema: Dreams)

E continua a campanha da descentralização...

Primeiro-ministro diz que colocação de professores deve ser descentralizada 

Comentário: É indesmentível a utilização da polémica em torno da Bolsa de Contratação de Escola enquanto argumento da descentralização das colocações dos professores. O número de vozes a favor de um processo de contratação de professores permeável a influências políticas (e pessoais), e sob a alçada das Câmaras Municipais (diretamente ou indiretamente através dos Conselhos Gerais das escolas) tem vindo a aumentar de número... 

E se não estão preocupados, o melhor mesmo será começarem a conversar com colegas que alguma vez na sua vida profissional estiveram sujeitos a contratações de escola. Irão verificar que muitos dos concursos são abertos com critérios "à medida" do candidato pretendido. E sim... Poderão argumentar com coincidências, com continuidades, com conhecimentos profundos de um determinado ambiente, mas acabamos sempre por constatar injustiças. 


Não vi...

A propósito do programa da RTP "Prós e Contras" sobre Educação 

Comentário: Não vejo este programa há uns bons tempos e irei continuar a não ver durante outros tantos... Daquilo que tive oportunidade de constatar no passado a imparcialidade exigida a quem o gere, não é requisito que se verifique e eu não sou masoquista.

Infelizmente aquilo que poderia ser um excelente espaço de discussão e de possibilidades acaba sempre por redundar na intenção original de quem gere o programa.

Bolsa de Contratação de Escola "para tótós"

A DGAE disponibilizou aos diretores das escolas TEIP e com Autonomia um documento bastante simples de ler (embora já tenha detetado pelo menos um erro), e que aconselho a quem ainda se encontra sujeito a este mecanismo absurdo de colocação.

Para acederem ao mesmo, cliquem na imagem abaixo.


Eu não acredito

Escolas acreditam que vão colocar os professores até final desta semana 

Comentário: Embora acredite que em teoria tal possa ocorrer, existem prazos que nem mesmo os contactos telefónicos podem abreviar. E como as colocações são múltiplas em várias escolas, acredito que de decisão em decisão os prazos sejam bem explorados por quem pode escolher.

Da insanidade absoluta...

O professor que tinha ficado colocado em 75 escolas desta vez arrebatou 95 horários 

Comentário: A situação deste colega é tão absurda que só mesmo lida (e lida com muita atenção) se consegue compreender... É que acima de tudo estamos a falar de alguém que já desistiu do concurso de Bolsa de Contratação de Escola, e que mesmo assim continua a ser colocado, "emperrando" todo o sistema.

Ao contrário do que os defensores da descentralização admitem, se houvesse uma lista única de graduação num concurso nacional, não teriam ocorrido estes erros todos.

É melhor esperarem sentados

Crato terá de autorizar pagamento de horas extra a professores 

Comentário: Não acredito nem por um momento que Nuno Crato esteja a pensar em pagar horas extraordinárias aos professores como resultado de eventuais medidas de compensação para os atrasos nas colocações, facto do qual é o principal responsável (pelo menos, da responsabilidade política não se livra).

As escolas bem terão de arranjar alternativas que não passem pelo acréscimo de despesa para o orçamento central, pois nem mesmo com tanta asneira para remediar me parece que alguém assine tal medida. No entanto, e mesmo admitindo a ténue possibilidade de autorização deste acréscimo de despesa, não me parece de todo uma boa ideia sobrecarregar os alunos (e professores) com mais aulas por dia.

E depois da demissão...

Fernando Egídio Reis substitui Grancho e toma posse terça-feira 

Comentário: Temos novo secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário... Fica o resumo (retirado da notícia) do currículo para quem estiver interessado:

"Professor de História desde 1982, Fernando Egídio Reis entrou na política pela mão do actual ministro da Educação Ciência, Nuno Crato, de quem foi adjunto entre Junho e Agosto de 2011. Foi depois director-geral da Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular, e é desde Fevereiro de 2010 director-geral da Direcção-Geral da Educação".

Se vai fazer um bom ou mau trabalho isso já é outra coisa, no entanto, com um "patrão" tão pouco credível já pouco ou nada interessa.