sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Estariam à procura de explosivos?

Fenprof diz que polícia revistou escolas que vão receber prova dos professores 

Comentário: Revistar escolas?! Bem... Espero que a FENPROF tenha exagerado, pois não vejo qualquer fundamento para revistas às escolas. A bomba está na própria PACC, que é uma vergonha e que não atesta rigorosamente nada.


Da cumplicidade...

Diretores convocam professores a mais para garantir vigilância da prova de avaliação 

Comentário: Como sempre, os maiores obstáculos à concretização de iniciativas que defendam a nossa classe dos ataques da classe política somos nós próprios. E se aqueles que "furam" as greves já não ajudam, os diretores que agem de forma a boicotar ou dificultar também não serão melhores.

Obviamente que está na consciência de cada uma aderir a greves ou outras iniciativas... Mas se não querem ajudar, por favor não dificultem.

Poucos... Muito poucos...

Só 85 professores pediram compensações por colocações anuladas nas escolas 

Comentário: De acordo com a notícia, dos "cerca de 2500 professores cujas colocações nas escolas foram anuladas no dia 3 de Outubro, na sequência de erros no concurso promovido pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC), só 85 docentes requereram uma compensação pelos danos sofridos". 

Poucos... Muito poucos...

E nem mesmo a suspeita de parcialidade por parte de quem representa os professores, conquista argumentação. Bem sei que daria algum trabalho reunir comprovativos de despesas, no entanto, parece-me que nem que fosse pelos danos morais e profissionais já valeria a pena.

E sim... O desfecho é algo previsível. Mas só o número de requerimentos seria suficiente para demonstrar a nossa indignação por uma das páginas mais negras na educação, e que por mais que me queiram convencer foi até certo ponto planeada.

Mais um dia maldito...

Hoje é dia de PACC, se os professores quiserem e a greve deixar 

Comentário: Mais uma vez a Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades é implementada contra tudo e contra (quase) todos. São cerca de 2900 colegas a concretizá-la mas não é o número que releva, mas sim a teimosia do atual Ministro da Educação.

E se a teimosia ministerial já deu provas de se manter (pelo menos, até terminar o mandato), resta esperar se a teimosia dos docentes é igualmente forte. Aguardo com expectativa os números da adesão à greve, onde mais uma vez teremos de fazer a média entre os números governamentais e os sindicais.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Um dia destes...


Está para breve...

Cerca de 80 escolas vão receber prova de avaliação de professores 

Comentário: De acordo com fontes governamentais estão inscritos na PACC deste ano letivo, aproximadamente 2800 candidatos, que serão distribuídos por 80 escolas. O pré-aviso de greve foi entregue, e mesmo estando nós perante um número relativamente reduzido de colegas sujeitos (ou melhor, submetidos) a esta prova infame, espero que a adesão seja total e que a mesma não se concretize.

Obviamente que teremos sempre exceções - com os tradicionais "fura greves" - no entanto, a questão nunca foi o número de colegas que estarão sujeitos à PACC, mas sim o que está em "avaliação" com esta tolice.

Saliento ainda o parágrafo da notícia que me parece ser relevante: "(...) as listas com os nomes dos professores inscritos na PACC vão chegar entre hoje e sexta-feira, e o Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), que coordena a aplicação da prova, deverá informar os professores inscritos, por e-mail, da escola onde deverão comparecer dia 19 de dezembro, pelas 15:00".

E como é tradição...

...a partir das 22h de hoje, temos novo header no blogue, alusivo à época natalícia. 

Um dias destes, faço um post com os diversos headers que já fiz para este espaço desde a sua criação.


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Uma boa notícia

Há 11 professores portugueses entre os mais inovadores do mundo, diz a Microsoft 

Comentário: Bem sei que para muitos esta notícia não será relevante, mas para quem trabalha diariamente nas nossas escolas (ou melhor, agrupamentos de escolas) sabe que ter vontade para fazer mais e melhor, quando somos tão mal tratados e assoberbados de burocracia, é uma tarefa verdadeiramente surpreendente e, por motivos óbvios, de parabenizar.

E se para quem entrou há poucos anos no sistema educativo público (ou para os "treinadores de bancada"), as palavras que escrevi anteriormente poderão surpreender, aqueles que andam nisto há (pelo menos) mais de uma década sabem como é cada vez mais complicado fazer aquilo de que mais gostamos que é... ensinar! E como era bom ensinar e ter tempo para fazê-lo inovando! Agora o tempo da inovação é passado a redigir documentos ou a tentar arranjar estratégias para conter a (crescente) indisciplina e desrespeito.