quarta-feira, 12 de junho de 2013

Continuam a levar tudo até ao limite...

Greve de professores leva Passos a defender nova lei para serviços mínimos  

Comentário: Como o colégio arbitral não foi favorável às imposições governamentais, seguem-se alterações aos normativos legais para que não seja possível aos trabalhadores portugueses exercer o seu direito de greve.

Aquilo que o MEC fez hoje, ao convocar "para o serviço de exames, nomeadamente, para o serviço de vigilância, todos os docentes de todos os níveis de ensino pertencentes aos respetivos agrupamentos de escolas ou escolas não agrupadas" é um completo absurdo.

Convocar os professores de todos os níveis de ensino para a escola-sede dos agrupamentos? Mas o que é isto? O MEC não acata as decisões que resultam da aplicação da legislação em vigor e tenta, sem qualquer problema atropelar o direito dos professores portugueses em aderir a uma greve. Estamos a atingir um novo nível de prepotência.


18 comentários:

  1. Por mim pode convocar à vontade.
    Estou de greve.
    Pena é haver sempre lambe botas de fura greves que de certeza irá permitir a realização de exames.... mas o nós, professores, também teremos um verdadeiro exame na 2ªfeira. Vamos ver se conseguimos passar com distinção.

    ResponderEliminar
  2. E então não são obrigados a gramar com aquelas reuniões para, mais uma vez, nos ensinarem a vigiar exames? Pelo que sei os colegas do 1º ciclo não as tiveram. Mas o que é este pequeno pormenor diante de tantos atropelos?!

    ResponderEliminar
  3. partir de dia dezoito continua a greve as avaliações ou não?

    ResponderEliminar
  4. Ou caimos nós ou cai o governo.

    ResponderEliminar
  5. Se a lei não nos obedece, mude-se a lei!!! Já o Salazar fazia assim!

    ResponderEliminar
  6. Mas os professores podem fazer greve mesmo assim ou somos obrigados a estar presentes?
    Alguém me pode esclarecer?

    SusanaR

    ResponderEliminar
  7. Até parece que nos estão a pedir um esforço exagerado. É uma greve, perde-se algum dinheiro, bem sei que faz falta, e então? Milhões de pessoas perderam as suas vidas em defesa dos regimes democráticos, da liberdade e dos direitos cívicos. Ninguém nos está a pedir para morrermos no Desembarque da Normandia, ou para fazermos parte das Brigadas Internacionais na Guerra Civil Espanhola, também não nos vão prender numa prisão durante quase 30 anos como aconteceu ao Mandela, não vamos ser executados pelo regime nazi como aconteceu com a Sophie Scholl no início da vida adulta e não me parece que nos enviem para um Gulag. É uma greve, é o raio de uma greve, que felizmente temos o direito de fazer! Coloquem as coisas em perspectiva. É pouco o que nos é pedido, mas pode significar muito.

    ResponderEliminar
  8. SusanaR,
    é claro que pode fazer greve! Esta é uma mera convocatória. Não há possibilidade do MEC convocar serviços mínimos.

    ResponderEliminar

  9. Faço parte do secretariado de exames de uma escola. Poderei fazer greve?

    ResponderEliminar
  10. Claro que pode Rui. É professor e como professor está convocado para a greve.
    É evidente que um dia de salário a menos, nos dias que correm, é mau. Mas temos de fazer opções, ou ficamos sem um dia de salario ou ficamos sem salário nenhum a partir de setembro.
    Mas a questão não se resume ao dia de salário. E A NOSSA DIGNIDADE DE PESSOAS, DE CLASSE PROFISSIONAL DE CIDADÃOS????
    Temos a oportunidade de dar uma aula, uma lição democrática aos senhores do governo, em particular ao Ministro Crato, sobre o que é a democracia, o que é um Estado de Direito, o que é o respeito pelos direitos consagrados na Constituição.
    Portugal ainda não é um Estado "fora da lei" então temos de dizer BASTA de prepotência, de considerarem Portugal como uma coutada de meia dúzia.
    FAÇAMOS TODOS GREVE DIA 17 E DEMOS UMA PROVA DE DEMOCRACIA PARTICIPATIVA EM FORÇA!

    ResponderEliminar

  11. Obrigado, Maria! Não me choca perder um dia de salário. Choca-me é a prepotência de alguns e a pouca solidariedade de muitos colegas. Espero que no dia 17, ninguém cumpra esta " pseudo- convocatória "

    ResponderEliminar
  12. Estamos a chegar aquele ponto de não retorno, ou caem eles ou caimos nós...não podemos vacilar!!!

    ResponderEliminar
  13. Tenho reuniuão de avaliação na tarde do dia do exame. Se fizer greve e for à reunião é-me descontado o dia todo?

    ResponderEliminar
  14. Alguém me sabe dizer se posso faltar à reunião de avaliação no dia 17? ou só se pode faltar ao exame?

    ResponderEliminar
  15. Paulo,

    dia 17 é greve geral, logo é ao dia todo e não só ao exame.
    Eu sou educadora, nem fui convocada (porque ainda tenho alunos) e vou fazer greve.

    ResponderEliminar
  16. obrigado, a minha intenção é fazer greve, só quero ter a certeza que não há problema com a reunião de avaliação, que é a minha DT.

    ResponderEliminar
  17. Se os professores que fazem parte do secretariado de exames fizerem greve dia 17 o exame não se realiza!!! Não podem ser substituídos!

    ResponderEliminar
  18. podem, saiu a norma 9. e de qualquer forma já assim seria. só se acontecer que a própria direção faça greve.........

    enfim.

    a bola está do nosso lado .

    se tivéssemos dois dedos de testa e vergonha na cara, não haveria um único professor nas escolas em todo o país na segunda - feira...

    o grau de prepotência está noutro nível: ok, o colégio é contra nós, mas os zecos entre os zecos sempre serão zecos e gostarão de assegurar o trabalho de exames, e então façamos um diz que é uma espécie de requisição civil com burka e eles tremem e veem correndo, que quem manda, manda. Ora eu tinha um tio que dizia muitas vezes"quem manda está calado", porque faz, obtém a força pelo exemplo. É esta ação que nos avaliará, pois, no próximo 17 do corrente. E os portugueses bem sabem que damos o exemplo e a cara, mas por inveja genética e maldade hipócrita dificilmente o reconhecerão, mas a esses eu pago de borla um mês numa escola, no lugar que desejarem.
    e depois veríamos.....

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...