segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Avaliação revolta alunos e professores.

No Jornal de Notícias a 24/11/2008: "Do Porto a Beja, passando pelo Seixal, as consequências das reformas educativas são semelhantes e negativas: clima de tensão, professores a pedir a reforma antecipada, aulas paradas pelas greves e notas dos alunos suspensas ou inflacionadas.

Desânimo e desgaste provocados pela avaliação marcam o dia-a-dia dos professores da Escola Clara de Resende, no Porto. Embora garantam que o tentam disfarçar nas aulas, esse lado emocional despertou já os pais para possíveis consequências negativas.
(...)
Alguns pais, apesar de considerarem que os docentes terão as suas razões, criticam já algumas alterações nas rotinas da escola, como greves e o facto de "bons" professores estarem a pedir a pré-reforma.
(...)
"É completamente absurdo impedir que dois terços dos professores possam atingir o topo de carreira. Só isto é extremamente pesado para qualquer pessoa que está na profissão", disse à Lusa José Esteves, professor de Matemática. E apesar de quase todos os professores estarem contra este modelo de avaliação, reconhecem a necessidade de se encontrar uma outra forma de avaliação mais consensual.
(...)
Daniela Leitão, de 13 anos, aluna do 8º ano, salienta contudo o que considera ser já uma das consequências negativas do novo modelo de avaliação dos professores: "Os professores estão a dar melhores notas aos alunos mais fracos para não serem prejudicados pelo novo sistema de avaliação", sustentou a jovem aluna da Escola Secundária José Afonso.
(...)
Docente de História há 27 anos, Maria Arlete Sezinando, pondera agora pedir a reforma mais cedo, apesar da penalização financeira. "Este estatuto da carreira docente é aberrante e a imposição dos professores terem de passar sete horas diárias na escola é terrível. Não somos como outro funcionário qualquer, que 'pica o ponto' e vai para casa descansado. Nós levamos muito trabalho para casa e ficamos até às tantas a corrigir testes ou a preparar aulas", explicou.

Os professores também rejeitam a "ideia errada da opinião pública" de que não eram avaliados ou de que não o querem ser, insistindo que "o problema é o novo modelo escolhido", que só "aumenta a burocracia" de uma profissão que "já está excessivamente burocratizada", como argumentou Isabel Lanzinha, docente de Português há mais de duas décadas.

"Já há pessoas que passam quase o dia inteiro na escola e, com este modelo, quando chegar a altura de começarem a avaliar, começam a trazer a almofadinha e a família atrás e dormem cá", ironizou."

Ver Artigo Completo (Jornal de Notícias)

------------------------
Comentário: É apenas um artigo (e não o coloquei aqui integralmente), mas espelha na perfeição o ambiente vivido nas escolas, por alunos e professores.
-------------------------

Sem comentários:

Publicar um comentário