terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Pedido

Amanhã irei estar presente num plenário organizado pela FENPROF, relativo à negociação do diploma dos concursos e vinculação extraordinária de professores contratados... Ao contrário de alguns, não vou para desabafar, desancar nos sindicalistas ou mesmo inquinar a iniciativa, mas sim para ouvir. E depois de ouvir, se nada do que considero relevante for abordado ou discutido, tentarei dar o meu contributo. No entanto, e enquanto jantava, dei por mim a pensar que as minhas dúvidas ou eventuais propostas podem não ser as mais relevantes, pelo que poderia ser interessante levar comigo um conjunto mais abrangente das mesmas.

Deste modo, e na eventualidade de não terem oportunidade de estar num destes plenários, poderei levar comigo algumas questões ou propostas que tenham. Se me for dada oportunidade para falar, poderei partilhá-las com quem organiza o plenário... Bem sei que até pode não dar em nada, mas ainda não estou suficientemente resignado para ficar em casa, perante uma iniciativa destas.

Deixo-vos também os links dos diplomas em discussão, para que possam enquadrar os vossos contributos sob a forma de comentários (aqui na "casa" ou na página de Facebook). Cheguem-se à frente...

23 comentários:

  1. Manter como requisito para 2.º prioridade os 365 dias nos últimos 6 anos.

    ResponderEliminar
  2. O tempo de serviço deve ser contabilizado na totalidade, independentemente de ser antes ou após a profissionalização.

    ResponderEliminar
  3. Obrigada, Ricardo.
    Deixo a minha proposta.
    Alterar as prioridades de colocação na Mobilidade Interna respeitando única e exclusivamente a lista graduada. Algo que deveria ser válido em todos os momentos do concurso como pilar da justiça para todos.

    ResponderEliminar
  4. Por favor colega não posso estar. Mas volte a referir que o tempo de serviço não pode ser separado por grupos de recrutamento. É injusto. E não faz sentido. Penaliza quem tem outras habilitações profissionais.

    ResponderEliminar
  5. A vinculação extraordinária ter como um dos requisitos o mesmo grupo de recrutamento. Sou do 330,300 e agora 120. E vinculação extraordinária para o 120?foi prometida pelo anterior governo e não se fala em nada sobre este assunto. O grupo é novo. Tem dois anos e o seu quadro está quase vazio. Será o único grupo de eternos contratados?

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Revisão do Diploma: alínea b) do nº 3 do Artº 10º do
    Decreto-Lei nº 132/2012: Manter os 365 dias de serviço no Ensino Público nos últimos 6 anos.

    ResponderEliminar
  8. Saber as vagas e vincular pela lista de graduação. O tempo de serviço antes da prof. contar já que já fomos penalizados. OBRIGADA �� Dora Marcelino

    ResponderEliminar
  9. 12 anos porquê?... De onde vem esse número?...

    ResponderEliminar
  10. Boa noite! Tenho 4721 dias de serviço após a profissionalização e 6 contratos anuais e completos nos últimos 6 anos mas 2 deles foram nos Açores em escolas públicas portuguesas!! Mas de acordo com as novas regras... volto a não vincular, certo?

    ResponderEliminar
  11. Que pena só ter visto hoje este post! Eu estou doente e não me posso deslocar para ir aos plenários. Depois diga-me o que concluiu, sff.

    Eu sugiro que não estejam sempre a mudar as regras a meio.
    Sugiro que sejam claros quanto ao tempo de serviço no público (para sabermos já se vale a pena continuar a tentar).
    Sugiro subsídio de alojamento para quem for colocado a mais do que 20 ou 30 km de casa (ou compensação descontando menos por ex.).
    Etc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era doce.. subsídio de alojamento ;) para já só para ministros com residência fora de LX + 150kms...

      (as melhoras)

      Eliminar
    2. Agradeço as melhoras.
      Quanto ao subsídio, há muita gente que pensa que o temos, pois em várias empresas comparticipam. É uma questão muito viável, pois eu nunca trabalhei em casa. Ter sido colocada foi sempre sinónimo de fazer malas. Eu escolhi concorrer para longe, senão não tinha trabalhado no ensino. Até para trabalhar noutra área, quando não havia quaisquer colocações (nos últimos anos) tive que ir para longe também.

      Eliminar
    3. Agradeço as melhoras.
      Quanto ao subsídio, há muita gente que pensa que o temos, pois em várias empresas comparticipam. É uma questão muito viável, pois eu nunca trabalhei em casa. Ter sido colocada foi sempre sinónimo de fazer malas. Eu escolhi concorrer para longe, senão não tinha trabalhado no ensino. Até para trabalhar noutra área, quando não havia quaisquer colocações (nos últimos anos) tive que ir para longe também.

      Eliminar
  12. Olá, Ricardo!

    Já que não querem respeitar a lei, sigam a recomendação da assembleia da república e vinculem todos os professores com 10 anos de tempo de serviço letivo.

    ResponderEliminar

  13. Alterar as prioridades de colocação na Mobilidade Interna respeitando única e exclusivamente a lista graduada.

    ResponderEliminar
  14. Considero que o mais justo é respeitar a lista de graduação. Os docentes que possuem muito tempo antes da profissionalização também, o concretizaram em escolas públicas. No passado o Ministério da Educação usou esses docentes para suprir as necessidades de profissionais. Esses docentes lecionaram em escolas muito distantes da sua casa, pagaram quartos e autocarros (tiveram que fazer deslocações de centenas de Kms). Além disso, mesmo na lista de graduação já são penalizados, pois o tempo de serviço antes da profissionalização tem menos peso (valor) do que o tempo após a profissionalização. A minha questão é a seguinte: Com que fundamento ético é que alteram um critério que ainda continua a prevalecer na graduação dos professores do quadro? Ana Mag.

    ResponderEliminar
  15. Alteração das prioridades na Mobilidade Interna - colegas com mais tempo de serviço - QA encontram-se longe de casa, com mais tempo de serviço, e não conseguem aproximar-se da sua área de residência, como seria justo.

    ResponderEliminar
  16. Em relação à VE, para perfazer os 5 contratos nos últimos 6 anos serão contabilizados os contratos celebrados com o IEFP ao abrigo do concurso de Contratação de Docentes/Formadores 2013-2015?

    ResponderEliminar
  17. Os 6 últimos anos contam até ao último ano (2015/2016) inclusive ou até ao presente ano (2016/2017)?

    ResponderEliminar
  18. O tempo de serviço deve ser contabilizado na íntegra, sobretudo quando esse tempo se refere à lecionação no grupo(os) para o(s ) qual(ais) o docente possui habilitação própria/profissional.

    ResponderEliminar
  19. Caros colegas, vejo que todos vós, com razão efetuam leitura atenta sobre a forma de se "efetivarem", o porque das aspas todos os contratos celebrados a partir 01/01/2009 podem ser despedidos, horários zero, e não vejo ninguém FALAR DO CRIME DE LESA DOCENTE PASSAR DE 6 PARA 8 HORAS O NÚMEROS DE HORAS QUE UM PROFESSOR DEVE TER PARA NÃO IR PARA HORÁRIO ZERO. A ARMADILHA DISTO TUDO É ESTA FAZENDO QUE ESTAS VINCULAÇÕES A BREVE PRAZO FORAM EM VÃO

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...