quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Possibilidade de alargamento do prazo para pedido de rescisão amigável

Mais de 2000 professores pediram para rescindir contrato 

Comentário: Uma vez que o número de docentes que pediram a rescisão contratual superou as expectativas do MEC, estará a ser equacionado conjuntamente com o Ministério das Finanças um alargamento do prazo (que termina a 28 deste mês). Embora não conheça de forma profunda as condições e mecanismos envolvidos nesta rescisão acredito que muitos dos que agora rescindem terão algum tipo de rendimento suplementar, pois se assim não for a gestão dinheiro terá de ser muito rigorosa.

14 comentários:

  1. Claro que, quanto mais tarde pagarem mais difícil será gerir o dinheiro. Bastará um ligeiro aumento da inflação para a vida se complicar. Mesmo aqueles que conseguem uma quantia mais elevada irão ter de viver com mil euros por mês.

    ResponderEliminar
  2. Pura ilusão, a maioria desses 2000 mil não irá aceitar a rescisão, trata-se de uma simulação, nada mais que isso. À altura as pessoas, em plena crise, fizeram a simulação e, pelo sim pelo não, meteram o papel. Daí até à rescisão vai um extenso caminho.

    ResponderEliminar

  3. Olá Ricardo [ ]

    O Colega que tenho conhecimento com mais processos de rescisões de docentes, num só agrupamento = 10 !!!

    Um caso interessante , QZP 20 anos de tempo de serviço e já submeteu pedido.

    Ainda se vão arrepender muitos, de não analisarem o seu caso e aproveitarem a oportunidade.

    Contudo, este processo deveria estar disponível por muito mais tempo e não ser restrito a determinadas carreiras na Adm. Pública.

    Tal como aconteceu com a possibilidade de ser aposentado com penalização...

    ResponderEliminar
  4. Uma coisa é o pedido outra bem diferente a aceitação. Muitos dos que submeteram o pedido fizeram-no em desespero, quando só se falava em crise. Neste momento em que já se fala no pagamento com retroativos a 2010 dos índices 245 para 272, duvido que seja assim tanta a clientela.

    ResponderEliminar
  5. Manuela , os colegas estão desesperados por ir embora. Não estranho o interesse e os pedidos. A indemnização média cerca de 100.000 euros bruto, 80.000 limpos, serve perfeitamente para investir num pequeno negócio ou apostar numa participação de uma empresa familiar. Existem vários cenários. Até agora muitos não podiam ir por não reunir a idade ou tempo de serviço. Agora têm aqui a oportunidade de sair sem penalizações. E conseguem descontar no privado pelo mínimo, mas serve para tempo de serviço para se aposentarem dentro de pouco tempo.

    ResponderEliminar
  6. Há muitos colegas que só não pedem por terem encargos que não lhes possibilitam fazê-lo agora.

    O desânimo impera.

    Tenho 23 anos de serviço e pedi rescisão. Nunca pensei que chegaria a uma fase em que iria tomar a decisão de me afastar desta atividade.

    ResponderEliminar
  7. Estou chateado! claro que sim!
    Quando pensava que depois de 32 anos de trabalho árduo ia finalmente fazer que me apetecia, disseram-me:

    _ Você tem mais dez anos pela frente, incertos e desgastantes.

    Trabalhar com crianças dos 6 aos 10 anos, cheios de energia e rebeldia, com turmas de 26 alunos não me parece fácil para um futuro sexagenário.

    Eu mais alguns alguns colegas que por falta de idade de reforma que ficámos seremos os primeiros a testar tamanha adversidade. No futuro vai haver diversos factores resistência: saúde, relacionamento com os alunos, capacidade de adaptação e ambiente colaborativo na escola.

    A saída para alguns será aproximarem-se de cargos com menos horas letivas: coordenação de escolas, adjuntos de direção, dirigentes sindicais, entre outros. Outros ponderarão a rescisão.

    Apesar de ainda acreditar que os sindicatos nos defendem questiono se a atenção dada aos docentes do 1º ciclo tem sido adequada? E pergunto se a formação de agrupamentos e mega agrupamentos não têm sido um fator de perda de influência e força que os professores do 1º ciclo já tiveram?

    Os professores do 1º ciclo acordarão para o que os espera, organizando-se em torno de alguns que sejam verdadeiramente professores do 1º ciclo (com problemas iguais) e possam tirar o grupo 110 e Educadoras do inferno que os espera ou ficarão no jogo do salve-se quem puder?

    ResponderEliminar
  8. Quando pensava que depois de 32 anos de trabalho árduo ia finalmente fazer que me apetecia, disseram-me:

    _ Você tem mais dez anos pela frente, incertos e desgastantes.

    Trabalhar com crianças dos 6 aos 10 anos, cheios de energia e rebeldia, com turmas de 26 alunos não me parece fácil para um futuro sexagenário.

    Eu mais alguns alguns colegas que por falta de idade de reforma que ficámos seremos os primeiros a testar tamanha adversidade. No futuro vai haver diversos factores resistência: saúde, relacionamento com os alunos, capacidade de adaptação e ambiente colaborativo na escola.

    A saída para alguns será aproximarem-se de cargos com menos horas letivas: coordenação de escolas, adjuntos de direção, dirigentes sindicais, entre outros. Outros ponderarão a rescisão.

    Apesar de ainda acreditar que os sindicatos nos defendem questiono se a atenção dada aos docentes do 1º ciclo tem sido adequada? E pergunto se a formação de agrupamentos e mega agrupamentos não têm sido um fator de perda de influência e força que os professores do 1º ciclo já tiveram?

    Os professores do 1º ciclo acordarão para o que os espera, organizando-se em torno de alguns que sejam verdadeiramente professores do 1º ciclo (com problemas iguais) e possam tirar o grupo 110 e Educadoras do inferno que os espera ou ficarão no jogo do salve-se quem puder?

    ResponderEliminar
  9. Educadoras do inferno que os espera ou ficarão no jogo do salve-se quem puder?

    Não camarada , isso não funciona assim para todos.

    È que existem muitas Veras por ai, ou já se esqueceu. O Ministério da educação é quem mais girls por ai tem. Basta conhecer as pessoas certas e há muitas maneiras de dar a volta. Conheço muitas reclamaçoes e até um caso que me é muito chegado, ela já pertence ao quadro, a cunha funciona no ministerio da educação, que nem ginjas. Infelizmente, por algumas razões não posso dar pormenores nem apontar nomes.

    Haverá sempre contatados que farão o trabalçho sujo, terão sempre trabalhos precários e nunca terão uma carreira.Vai fazer parte do sistema uns sustentarem os outros.A politca está feita assim, e nao vai mudar na proxima década.

    ResponderEliminar
  10. Alguém sabe quando respondem aos perdidos já apresentados?

    ResponderEliminar

  11. João,
    As Escolas acompanham o processo na plataforma e pouca informação consta.
    Apenas diz, para já,"submetido" "em análise" e "válido".

    AT


    ResponderEliminar
  12. Olá

    quem diz que a rescisão média é de 100.000 euros, é sim, mas só para os que recebem 100.000. A xico-espertice comtinua. Isso é uma treta, pelo menos para muitos.

    eu pedi a rescisão e vou receber cerca de 30.000 euros e faço 19 anos.

    até aqui se vê que este país é uma treta. os critérios usados para compensar a rescisão à luz da constituição são claramente ilegais e deviam ser mais equitativos face aos vários factores em causa (se os nossos sindicatos fossem mais sérios e procurassem maior justiça). Se não se aproveita a crise para rever valores e comportamentos, e se continua a fazer mal as coisas, a coisa que é o nosso Portugal vai continuar sempre na mesma. ... e daqui a 20 anos estaremos outra vez na falência
    Escrevam isto na pedra para nao se esquecerem do que eu disse. é tão certo como a terra rodar à volta do sol.
    Abraços

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...