terça-feira, 27 de março de 2012

Revisão curricular - Primeira análise


Este será o primeiro texto em que irei fazer a análise da revisão curricular. Será uma análise muito simples, relativa aos efeitos nos horários, e incompleta, pois, como direi num próximo texto, há ainda muita informação importante que precisa de ser conhecida.


A primeira análise será uma comparação da carga horária semanal dos alunos.


Relativamente ao 2º ciclo, há uma redução de 3 tempos letivos por turma.  Esta redução é a mesma que existia na proposta inicial.



No 3º ciclo há uma redução de 1 tempo letivo no 8º ano e 4 tempos no 9º ano, por turma. Estas reduções são as mesmas que existiam na proposta inicial.




No secundário, no 10º ano, a redução é de 1 a 2 tempos, no 11º a redução poderá ser de 1 tempo e no 12º a redução poderá ser de 3 a 5 tempos. Relativamente à proposta inicial a única diferença está no 12º ano, em que o corte seria de 6 a 8 tempos.




Concluindo, para os alunos, no 2º ciclo a redução será de 6 tempos, no 3º ciclo será de 5 tempos e no secundário será de 4 a 8 tempos. E relativamente à proposta inicial, a diferença é de apenas 3 tempos no 12º ano.

12 comentários:

  1. ou não.
    2ª ciclo:
    Haverá uma oferta para "substituir" FC e poderá ainda haver outra disciplina-dependente do tal crédito horário da Escola. E isto é CL.

    uma coisa que eu sei que me vai irritar sobremaneira vai ser a quantidade de Escolas que não vai pegar na possibilidade de reformular o tempo de cada aula, pelas razões mais CEFianas, estou convencida ( é que mais vale aturá-los por atacado).
    Mas mesmo aqui, parece-me haver liberdade de organizar os tempos de aulas de CEF´s da forma que se entender.
    Se os preferem manter em blocos de 90, não vejo pq não.

    Jake

    ResponderEliminar
  2. Extraordinariamente mais apoio com menos horas letivas. Explicações de graça é que vão dar, digo vão porque já este ano pouco toquei na xixa para ano vou ficar a ver navios, por certo...

    ResponderEliminar
  3. Com a revisão curricular a Geografia poderá ter mais uma hora no 3º ciclo, mas nas escolas onde a História já tem mais 2 tempos actualmente, a Geografia devia ganhar mais 2 horas, para ficar em condições de igualdade com a História, pois ambas as disciplinas tem a mesma importância na formação geral dos alunos. No 12º perdemos 2 horas, ficando a Geografia C com 4 tempos, logo o programa terá que ser reduzido, a Geografia A , devia ser opção em Ciências e Tecnologias, pois fazia todo o sentido porque a Ciência Geográfica está na encruzilhada entre as ciências físicas e humanas, alias na Antiga Área A, era uma disciplina de opção, mas desde a reforma de 1993 a Geografia ficou confinada á área de Economia e das Humanidades.

    ResponderEliminar
  4. não é com esta reforma curricular que os contratados vão ficar de fora, como é evidente existem grupos com um panorama mais negro/cinzento, nomeadamente EVT, quanto aos outros não vejo mudanças significativas.
    AGORA:
    Os Hiper mega agrupamentos, esses sim, vão afetar de uma forma transversal todos os grupos, insisto, q mesmo assim, os contratados vão ser necessários a este sistema

    ResponderEliminar
  5. Jake

    Ainda vou abordar essa questão da oferta complementar, que poderá ter muito que se lhe diga, pois vai utilizar o crédito da escola.
    A questão da reformulação dos tempos de aulas é outra questão que também precisa de esclarecimentos. Também será abordado noutro texto.

    ResponderEliminar
  6. Para serpico:

    Cuidado tambem com os cortes em ET. pois passa a oferta de escola...

    ResponderEliminar
  7. Já agora, como vai ser feito o concurso de professores para EVT ou agora EV/ET?
    antigamente os colegas estavam divididos por 3 grupos (05, 07 e 08 penso que eram estes grupos). Pensando melhor isso nem deve preocupar os senhores do governo já que não vai haver horarios para contrato pq os colegas do quadro vão ocupar tudo.
    O que poderá safar estes colegas é a questão de lhes ser dado horas para ir ao 1º ciclo dar a area das expressões.

    ResponderEliminar
  8. A Revisão (e não Reforma) Curricular assenta em premissas economicistas apenas. Redução de tempos lectivos=redução de gastos com professores, não há nenhuma sustentação científica estruturada para tais mudanças. As áreas que mais desenvolvem o indivíduo nas diferentes vertentes (socialização, criatividade,...) são relegadas para 3º plano. No mundo complexo e em constante mudança o apelo à memorização está de volta.

    ResponderEliminar
  9. É uma desilusão. Estamos a tornar um ministério que deveria ser dos e para os alunos no espelho de uma pessoa, que é o ministro da educação.
    Veja-se que ele se baseia nas teorias de uma norte-americana, Diane Ravich de seu nome, que defendia o "back to basics" há uns anos. A diferença é que essa investigadora já publicou obras posteriores admitindo que as suas teorias estavam completamente erradas. Até há artigos publicados sobre isso!
    Temos um corpo docente desatualizado, envelhecido, e pior, um ministro também desatualizado pelo menos 20 anos! Já era tempo de darem a pasta a alguém com mérito... E quem sofre são os alunos e os professores.
    Tenho vergonha destes devaneios que nos impingem e nos tornam mais uma vez como os atrasadinhos da Europa. Saber demais é cada vez mais um perigo.

    M. Silva

    ResponderEliminar
  10. Sou professor há mais de um quarto de século. Passei pelos Trabalhos Oficinais, continuei quando Educação Tecnológica era disciplina de opção com par pedagógico, fui colocado no 530 - Educação Tecnológica e agora QUAL É O MEU FUTURO COMO PROFESSOR COMO CIDADÃO COM 52 ANOS DE IDADE? quem me reponde?:-(
    Caros colegas do 530, não podemos que façam de nós os deserdados da Educação. Temos de lutar.
    EXIGIR QUE DA NOVA MATRIZ CURRICULAR DO 3º CICLO DESAPAREÇA "OFERTA DE ESCOLA" E EM SEU LUGAR EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA.
    Temos de LUTAR, MANFESTAR fazer ver que somos professores e não admitimos que nos impeçam de o ser.
    Temos de obrigar o poder político a dar uma solução e não descartar essa função para os Escolas com o sofisma do aumento da autonomia das Escolas.

    ResponderEliminar
  11. Boas!
    Sou professor de Educação Tecnológica (16 anos de tempo de serviço efetivo), e estou espantado (e triste/preocupado) com esta revisão curricular.
    Quais são as razões para o desaparecimento da disciplina de Educação Tecnológica no 3.º ciclo?
    Penso que será um retrocesso educativo, pois os alunos passam a não ter qualquer componente técnica no 3.º ciclo, que lhes serve de estímulo para continuarem os seus estudos nas vias de ensino técnicas/profissionais.
    Esta situação só poderá ser contornada, se houver orientações do MEC para que a oferta de escola seja de teor técnico/prático, preferencialmente de Educação Tecnológica.
    Também não entendo qual é a razão para a Educação Visual passar a ser obrigatória no 9.º ano. Será o lobby das artes a funcionar?
    Não entendo também porque é que TIC passa a ser obrigatório no 7.º e 8.º ano. Será que o lobby da informática funcionou?
    Na minha humilde opinião, penso que o que se deveria ter feito no 3.º ciclo, seria criar duas áreas obrigatórias nos 3 anos, que seriam:
    Área Artística (Educação Visual + oferta de escola – artística)
    Área Técnica (Educação Tecnológica + TIC)
    Estas duas áreas teriam 90 min cada, e funcionariam em regime de turnos/semestral/semanal.
    Deste modo, todos os alunos teriam experiências nas áreas técnicas e artisticas, o que seria uma mais valia para a sua formação de base.
    Para finalizar, penso que esta reforma só aposta em teorias, e de teóricos que não sabem trocar uma lâmpada ou pregar um prego, estamos cheios!
    Só com teorias, o país não sai deste impasse!
    Precisamos de gente que saiba fazer!
    Dário Baptista

    ResponderEliminar
  12. MUITO IMPORTANTE - PARA TODOS OS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA
    Contactei hoje (ao final da tarde) a Associação Nacional de Professores de Educação Tecnológica (ANAPET) e falei com a direção, prof. Adérito Gomes, e ele disse-me que esteve reunido (hoje à tarde) com o secretário de estado da educação, e que tem garantias que o MEC não esqueceu a disciplina e que demonstrou abertura para dar instruções às escolas para que no próximo ano letivo, as ofertas de escola sejam preferencialmente nas áreas técnicas e lecionadas por professores de ET.
    Ele disse-me também que o secretário de estado o convidou para fazer parte de um grupo de trabalho, que irá elaborar as diretrizes para as escolas atribuírem os docentes na disciplina de oferta de escola, consoante a sua área de formação.
    Temos que nos mexer, senão a disciplina cai no esquecimento, e a curto prazo acaba definitivamente!
    Os colegas de EVT mexeram-se (e bem), e conseguiram alguma coisa!
    Os colegas de TIC mexeram-se (e bem), e a disciplina aparece obrigatória no 7.º e 8.º ano!
    Para finalizar, ele pediu-me para divulgar a associação pelos colegas de ET, e para todos os colegas de ET lhe enviarem e-mails (ou o contactarem) com sugestões/propostas/reivindicações.
    Aqui ficam os contactos:

    http://aanapet.blogspot.pt/

    E-mail: direcao.anapet@gmail.com

    Tlm - 919480467 (prof. Adérito Sá Gomes - direção da ANAPET)

    Temos que nos unir, pois a união faz a força!
    Cumprimentos.
    Dário Baptista

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...