terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Alternância do desdobramento nas disciplinas de Ciências Naturais e Ciências Físico-Químicas

A alternância do desdobramento das aulas nas ciências experimentais do 3.º ciclo, em concreto entre as disciplinas de Ciências Naturais (CN) e de Ciências Físico-Químicas (CFQ) levantou ontem (aqui e acolá) algumas dúvidas no que concerne ao modo como tal seria feito. Hoje, ao visitar o blogue "educar A educação", deparei-me com um recorte de jornal muito esclarecedor que furtei para aqui.



Assim, e assumindo um raciocínio que não pondera as horas do professor mas sim as horas dos alunos (julgo que assim será mais fácil para que todos compreendam), aquilo que vai acontecer é o que abaixo exemplifico:


Semana 1:
90 minutos - turma completa na disciplina de CN
90 minutos - turma completa na disciplina de CFQ
90 minutos de desdobramento - 1/2 turma (turno 1) na disciplina de CN + 1/2 turma (turno 2) na disciplina de CFQ


Semana 2:
90 minutos - turma completa na disciplina de CN
90 minutos - turma completa na disciplina de CFQ
90 minutos de desdobramento - 1/2 turma (turno 2) na disciplina de CN + 1/2 turma (turno 1) na disciplina de CFQ


Espero ter sido claro...

27 comentários:

  1. Olá Ricardo, tenho andado ausente dos comentários :-)
    Acho que fiquei esclarecida, mas gostava que me confirmasses se isso quer dizer que para um docente continuam a ser 2 blocos de 90 min, por semana, por cada turma no horário, é isso? É que parece-me bom demais para ser verdade.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Para Eu: Correto... Não existe variação em termos gerais. 90+90.

    ResponderEliminar
  3. isto é pouco viável, porque os turnos ficam desfazados.!!!

    ResponderEliminar
  4. Ricardo,
    O meu raciocinio vai no mesmo sentido que o teu, mas não é o que diz o director-geral da DGIDC, de acordo com o JN.
    Um abraço.

    Telma,
    "Esta proposta só será possível se lhe for associada uma real componente prática. Pelo que, se for utilizado o bloco reservado à componente prática para leccionar a componente teórica, poderá haver, por força da alternância quinzenal, desacerto de conteúdos entre os alunos dos diferentes turnos. Desacerto esse que se evidenciará quando a turma estiver junta.
    Todavia, em termos de componente prática, um turno andará sempre adiantado em relação ao outro (obviamente que o turno que andar adiantado numa disciplina andará atrasado na outra). Porém, se houver uma real componente prática que, de certo modo, não condicione sobremaneira o andamento da componente teórica, o facto de um dos turnos estar atrasado será minimizado.
    Seria porventura, ao nível do ensino básico, nomeadamente no 3º ciclo, uma nova forma de abordar a Ciência na sua componente prática."
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Posso estar enganada mas parece-me que por semana o professor vai perder 45min. CN e CFQ têm direito a 3 tempos cada uma delas. Se a turma inteira tem 90 min de CFQ (2 tempos), já só cabe a cada turno uma aula de 45min (1 tempo)...o mesmo acontece a CN, pelo que no total temos semanalmente 3 tempos de CN + 3 tempos FQ = 6 tempos no total.

    Parece-me que o que vai acontecer é 45min a turma toda e 90min metade da turma....o que dá a cada aluno 3 tempos de cada uma das disciplinas semanalmente e o professor perde 1 tempo. Dos 4 que tinha passa a lecionar apenas 3.

    ResponderEliminar
  6. Obrigada Ricardo. Ando a tentar aproveitar muito este ano que desconfio ser o último que vou trabalhar :-(, afinal os contratados são para eliminar.

    ResponderEliminar
  7. talvez, mas acho que na maioria dos casos vai ser o caos... teriam de mudar a mentalidade dos professores dos quadros (daqueles que não têm o lugar em risco, segundo nuno crato), porque esses poucas aulas experimentais fazem, pelo menos da experiência que tenho.
    os professores contratados proporcionam um ensino experimental de qualidade... e esses estão em risco... o ensino experimental está em risco essa é a realidade... mais valia deixarem como estava... sobretudo para os alunos...

    ResponderEliminar
  8. Para Telma: Tens toda a razão... Podem ocorrer desfasamentos que terão de ser corrigidos.

    ResponderEliminar
  9. Ricardo e Telma

    Só existirá desfasamentos se derem teoria nas aula de turnos.
    E volto a lembrar que isto não é novidade. Há uns anos, no inicio da actual reforma do básico, antes de o desdobramento ser nos 90 minutos algumas escolas faziam o desdobramento desta forma.

    ResponderEliminar
  10. por vezes pode-se introduzir conceitos através de aulas laboratoriais... e as aulas teorico-praticas??

    ResponderEliminar
  11. Pois mas o que acontece é que se fizermos actividades práticas em todas as aulas de 90, estas muitas vezes têm de ser descontextualizadas dos conteúdos teóricos pois os turnos estão desfasados na aula em que estão todos os alunos. Apesar de haver componente prática nas áreas de CNA e CFQ, estas têm de aparecer enquadradas num suporte teórico. Muito possivelmente (quase certo) os programas deixarão de se cumprir, uma vez que todas as semanas temos que arranjar actividade prática e a componente teórica destas disciplinas também é muito elevada.

    Ricardo, segundo o teu exemplo a carga horária dos miúdos aumenta. Não me parece que assim seja. Um bloco terá de ser de 90 minutos e o outro de 45 minutos. Deste modo e assumindo que a aula prática é de 90 min, só nos resta 45 para desenvolver conteúdos teóricos para aplicar depois nos 90 de prática...

    ResponderEliminar
  12. Se for como disse o Ricardo está correcto o número de tempos semanais que terá o aluno: 6 tempos de CNA + FSQ.
    Isto é, um aluno tem 90 min de CNA + 90 min de FSQ + 90 min de CNA/FSQ = 6 tempos letivos.

    ResponderEliminar
  13. Andarilho
    Resolução de exercícios também são actividades práticas. Trabalhos de pesquisa também são actividade prática. Desenvolvimento de projectos também são actividades práticas.
    O que não falta nestas disciplinas são actividades práticas.

    ResponderEliminar
  14. Pois são. O que acontece é que serão exercícios e pesquisas e outras actividades que não poderão ter continuidade na aula teórica em que estão os alunos todos. Pois haverá alunos que ainda não as realizaram, não estão todos no mesmo patamar.

    ResponderEliminar
  15. Bem isto é só uma proposta a concretizar-se possibilitará finalmente o cumprimento das metas de aprendizagem na disciplina de CN. vamos esperar. Obrigada Ricardo e Advogado do Diabo pelos esclarecimentos.

    ResponderEliminar
  16. Boa noite.

    Outra questão que aqui se prende, é a falta de recursos de muitas escolas para a eficaz concretização das actividades experimentais... Será que o MEC pensou nisso?

    Obrigada ao Ricardo e ao Advogado, pela tentativa de esclarecimento desta questão.

    ResponderEliminar
  17. Andarilho
    E essa continuidade necessita de ser para a aula seguinte? Não pode ser para uma aula a realizar mais à frente?
    Há muita coisa interessante que podemos fazer e que hoje em dia não fazemos por falta de tempo. Tempo esse que a maioria se queixa de não existir nos dias de hoje. Essa questão do tempo é parcialmente ultrapassada com esta proposta
    Podemos considerar estas alterações como um problema ou como uma oportunidade. Vamos ter é de nos adaptar a este novo sistema.
    Para mim, esta proposta é um problema em termos de perda de horários para nós professores.
    Agora quanto ao trabalho que desenvolvo nas aulas, tenho de reconhecer que há um ligeiro aumento do tempo que tenho com os alunos. É uma questão de saber utilizar esse tempo extra da melhor forma possível. Não é o ideal, prefiro ter o desdobramento como temos hoje, mas não é por aí que vou criticar esta proposta.

    ResponderEliminar
  18. Para todos os colegas anteriores:

    Os desfasamentos vão existir (basta apanhar um feriado numa semana), teremos de contornar estas situações. Na minha opinião, teremos mesmo de contornar bem estas situações porque vamos ter necessidade de ter os turnos a par. Este acréscimo de tempo vai ser extremamente útil não só para o trabalho prático como para cumprir o programa como deve ser. Estas aulas de cariz mais prático não deixam de ter introdução de conceitos teóricos e para isso temos de ter os alunos a par. Estou a lembrar-me por exemplo dos programas de 7º e 9º ano que necessitam de mais tempo do que tínhamos até agora e é uma necessidade que implica que os alunos estejam todos ao mesmo nível. Na minha opinião, salvo algumas semanas que serão raras excepções, temos de ter os turnos a par. Teremos mesmo de contornar esta situação.

    ResponderEliminar
  19. Agora lembrei-me de outra possibilidade: as próprias escolas vão querer contornar estas situações. Na escola onde estive no ano passado, ficou decidido para este ano (para a elaboração de horários que estão agora em vigor), que todas as aulas de CN e CFQ seriam de 45 minutos e penso que em História e Geografia também ficou assim (para que não tivessem os alunos só 1 vez por semana). Em escolas onde há grupos que pensam assim, certamente que farão os novos desdobramentos com aulas de 45 min e nunca terão os turnos desfasados. Os alunos terão em todas as semanas 90CN+90CFQ+45CN(T1)+45CFQ(T2)+45CN(T2)+45CFQ(T1).

    ResponderEliminar
  20. Olá Ricardo,
    depois de já ter visto tantas hipóteses quanto às possibilidades de desdobramento, não consigo perceber como é que chega à conclusão do desdobramento que apresenta, se na notícia o diretor-geral da DGIDC apenas diz que metade da turma terá CN e a outra CFQ e na semana seguinte trocam.
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  21. Olá Ricardo, vamos acreditar que a sua hipótese é a q se vai concretizar, mas tenho as minhas dúvidas.... isto vai ser o descalabro, pq os programas ficam quase sempre por dar, então assim se conseguirmos dar metade do programa vai ser uma sorte!! E não nos podemos esquecer deste maravilhoso método q esse ministro quer activar tendo em conta escolas teip, problemáticas, vai ser lindo....Parabéns Crato!!

    ResponderEliminar
  22. Na minha escola funciona como na da Hibrida!
    São sempre aulas de 45min em desdobramento/ no meu horario dá 90+90
    há a excepção do 9º, à qual se acresce 45min c a turma todas (90+90+45)

    ResponderEliminar
  23. Só mesmo de professores!! Estão preocupados em planear as aulas teóricas e práticas para o próximo ano letivo quando em princípio estarão fora das escolas (pelo menos os contratados!!)isso mesmo... todos cordeirinhos para a estocada final!! é menos um tempo letivo por turma (não é muito pensam?) somado com a perda de Formação cívica (Sim pq tb cabe a professores de CN e FSQ) e a uma disciplina Anual no 12º (Biologia 12 ou Geologia12 - que contam 10 horas letivas) dá como resultado muita gente nos centros de "desemprego" para o ano ou então a contratos mensais!
    Vale a pena pensar nisto!!

    ResponderEliminar
  24. Infelizmente o Helder tem razão. Se começarmos a fazer contas é brutal. Na minha escola só somos 5 prof de CN/BG e a confirmar-se este cenário negro só 3 irão continuar com horário completo. Um será eliminado completamente e o outro fica muito coxo. Isto multiplicado por todas as escolas básicas e secundárias significa o caos. Porque muito horário zero vai saltitar de escola em escola. Para o ano é rezar para aparecerem muitas grávidas, muitas mesmo. É ir para a farmácia furar preservativos e adulterar pílulas :)

    ResponderEliminar
  25. Dúvida:
    Se for como aparece no post, então a carga horária semanal dos alunos não é de 3 blocos semanais! é de 2 blocos para todos mais um para metade da turma! ou seja, cada metade da turma só completa os 3 tempos semanais de 15 em 15 dias...
    não me parece a ideia seja essa. ou, pelo menos, não é isso que está nas tabelas! tb falam num reforço das aulas experimentais e isto seria o contrário...

    ResponderEliminar
  26. Para o anónimo anterior:

    Não tem razão, se reparar bem, o que o Ricardo disse foi que os alunos terão 2 blocos semanais + 1 bloco para metade dos alunos em cada disciplina de 15 em 15 dias, o que dá meio por semana.
    Veja novamente o que lá está, no desdobramento 1/2 turma tem "90 min" de uma disciplina de 15 em 15 dias.

    ResponderEliminar
  27. A Revolução é uma inevitabilidade...
    no que resta deste último ano lectivo, que será o último para a totalidade dos contratados e para 30 mil Professores do quadro, deve ser utilizado por nós, em lugar de ensinar conteúdos desnecessários, para a vida futura que o "caldinho" que este desGoverno lhes preparou, vamos ensinar-lhes:
    - O que era Portugal antes da entrada na CEE em 1986;
    - O que era Portugal antes do Euro;
    - O Povo grande e orgulhoso que fomos;
    - Como exercer o Direito Cívico Fundamental da desobediência civil;
    - Em que consiste o Direito à indignação;
    - Como reconhecer um neo-liberal;
    - (...)
    Enfim, mais as outras coisas que, por motivos óbvios já não se pode escrever na blogosfera em Portugal...
    A Revolução já é uma inevitabilidade, após estes últimos quinze dias qualquer tentativa de chamar à razão os neo-liberais caiu completamente por terra...
    Agora, como Professores, como Portugueses, temos o dever de, nestes últimos meses que nos restam, de ensinar aos nossos filhos o que nestes próximos anos faz sentido... Devemos isso aos nossos filhos e aos nossos Alunos...

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...