sexta-feira, 24 de setembro de 2010

IGE toma "boa nota" das denúncias...

No Diário de Notícias a 24/09/2010: "A Inspecção-Geral da Educação (IGE) vai investigar a constituição das turmas e a elaboração dos horários nas escolas do País. A averiguação é feita habitualmente no início do ano lectivo mas este ano a Fenprof já entrou ao organismo uma lista de irregularidades encontradas em vários estabelecimentos.

escolas em que as turmas têm mais alunos do que o número máximo (28) permitido ou mais do que dois alunos com necessidades educativas especiais, diz o secretário-geral da Fenprof. "Como sabemos que a IGE faz sempre nesta altura o levantamento das falhas para regularizar as situações quisemos alertar para alguns casos que não estão a respeitar a lei", diz Mário Nogueira.
(...)
Do lado dos professores, os horários são o maior problema. "O problema coloca-se nos complementos individuais e não na componente lectiva dos docentes. O que se passa é que as escolas colocam sobre os professores mais tarefas do que aquelas que a lei prevê", explica o dirigente da Fenprof.

Os mega-agrupamentos não foram esquecidos e a Fenprof aponta situações, como duas escolas no Algarve, em que os professores fazem 30 quilómetros entre os dois estabelecimentos que pertencem ao mesmo agrupamento. Uma situação, lembra Mário Nogueira, que a ministra da Educação garantiu que não iria acontecer.

Apesar de ter apontado escolas em que a lei não está a ser cumprida, o dirigente sindical, garante que "a Fenprof não quer que a escola seja punida, apenas quer a lei seja respeitada". Ao DN, a IGE confirmou que tomou "boa nota das questões apresentadas", mas não confirmou se vai investigar os casos concretos denunciados pelo sindicato."

Ver Artigo Completo (Diário de Notícias)

------------------------
Comentário: Todos nós conhecemos situações "estranhas" nos horários dos colegas... Também todos sabem que a Inspecção-Geral da Educação costuma ir às escolas no início dos anos lectivos... A questão reside num ponto algo melindroso que é: O que acontecerá nas escolas onde aparentemente existem "irregularidades"? Estas escolas também são alvo da atenção dos inspectores mas os problemas mantêm-se após essa visita (e por aquilo que sei temos inspectores competentes). Humm... Se o problema não são os inspectores (quanto a isso tenho poucas dúvidas), qual será?

Quem quer arriscar uma resposta?

Nota: O título da notícia é "Horários escolares vão ser investigados", no entanto, se repararem no fim do artigo é referido claramente a falta de confirmação por parte da IGE sobre a possibilidade da investigação vir a ocorrer. Hoje reparei nesta incongruência...
------------------------

6 comentários:

  1. Olá, Ricardo!
    Não me parece só incongruência, segundo a jornalista a IGE não confirmou se vai investigar OS CASOS CONCRETOS DENUNCIADOS PELA FENPROF.
    Beijinhos e bom FDS!

    ResponderEliminar
  2. Já agora arrisco: tenho conhecimento de escolas em que os horários dos professores ainda não são definitivos, e já vamos com quase 2 semanas de aulas; já me aconteceu (em 2004/05) ter 6 horários diferentes de Setembro até Janeiro, e como não tive conhecimento da última alteração fiquei até Maio, quando descobri o lapso, a trabalhar pela penúltima versão (ou seja, teria de permanecer em 2 locais, sala de informática e biblioteca – em lados opostos do edifício – ao mesmo tempo). Em meados de Março tivemos uma inspecção, que nada detectou. Nos casos que referes, e como já não se pode alterar o horário dos alunos, a solução passará sempre pelo complemento do horário com outro tipo de actividades, já que as irregularidades acontecem normalmente na componente não lectiva; só em último recurso se optará pela atribuição de horas extras. Como os horários são feitos com aplicações informáticas, aparecerá sempre um milagroso vírus para isentar as direcções de responsabilidades.

    ResponderEliminar
  3. há sempre alguem que manda e os mexilhões que se tramem...
    a IGE faz o trabalho o melhor que pode e foge a confusões...
    os inspectores tambem são democratas...
    nada tem remédio...

    ResponderEliminar
  4. Há escolas - ou havia, pronto, que agora é tudo muito transparente! - especializadas num nevoeiro sobre os horários, quando a IGE chega de visita.

    Se ao menos os inspectores fossem verificar, de forma aleatória, se o papel corresponde à realidade...

    ResponderEliminar
  5. Ainda acreditam na IGE? Santa ingenuidade!
    A IGE(dita competente) sabe como actuar, mas não actua.
    Quantos casos conhecem de denúncias que foram investigadas?
    Eu, nenhum. Conheço denúncias e investigação nenhuma.
    A IGE faz-me lembrar a Procuradoria Geral da República
    Em que deram os vários casos investigados? Em nada... e houve investigações, olha se não houvesse....
    Fica tudo na "postura construtiva"da IGE que para mim significa "Para a próxima façam as coisas de modo mais soft e discreto para não criar ondas"

    ResponderEliminar
  6. Já não preciso de arriscar, o passarinho que me esclareceu não engana: a IGE vai precisamente analisar os horários em que as turmas têm menos de 24 alunos (no 1º ciclo) e 27 (no 2º e 3º), ou seja, o trabalho dos sindicatos acabou por servir para alguma coisa, eliminou uma carrada de escolas que o IGE já não precisa de "investigar" ... ♪♫ E diz o Inteligente ♫♪... ♪♫ O que fazer a esta gente ♫♪!... ♪♫ Lararala ♪♫♪ Lararala ♫♪, etc.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...