segunda-feira, 13 de abril de 2009

Adenda ao 2º Parecer de Garcia Pereira.

No Público a 13/04/2009: "As interrupções dos mandatos de Conselhos Executivos, ordenadas pelo Ministério da Educação, são inconstitucionais, ilegais e perigosas, considera o advogado Garcia Pereira. Numa adenda a um parecer que elaborou sobre o novo regime de gestão das escolas do básico e secundário, hoje divulgada, o advogado sustenta mesmo que este último cavalo de batalha do ME é “susceptível de produzir consequências tão avassaladoras quanto imprevisíveis” nas escolas.

O novo regime de gestão prevê que, até ao final do próximo mês, todas as escolas e agrupamentos do pré-escolar, básico e secundário tenham um director em vez de um Conselho Executivo. Os concursos para os novos dirigentes deveriam ter sido abertos até ao final de Março. Muitas escolas estão agora em processo eleitoral, mas outras optaram por levar até ao fim o mandato dos sues Conselhos Executivos.

Foi o que aconteceu, por exemplo, no Agrupamento de Escolas de Santo Onofre, nas Caldas da Rainha. O ME respondeu a esta decisão fazendo cessar o mandato do CE (terminava em 2010) e substituindo este órgão por uma Comissão Administrativa Provisória, a quem compete agora iniciar o processo de eleição do director.
(...)
Segundo o advogado, não existe nada no Decreto-Lei nº75/2008, que institui a figura de director, que torne legalmente possível decisões como a que o ME adoptou para com o agrupamento de Santo Onofre.

Pelo contrário, sustenta, este diploma estipula “de forma muito clara, que os actuais titulares dos órgãos de gestão completam os seus mandatos”, como salvaguarda também, para evitar situações de “vazio de poder”, que se entretanto estes tiveram chegado ao fim, serão prorrogados até à eleição do director. (...)"

Ver Artigo Completo (Público)
------------------------
Comentário: É importante que os colegas leiam o artigo completo, e não apenas o resumo que coloquei. O parecer de Garcia Pereira (iniciativa do blogue "A Educação do meu Umbigo") é bastante claro neste ponto, mesmo para quem não compreende nada de «leis». Para quem quiser saber um pouco mais sobre a denominada «autonomia escolar», o melhor mesmo é ler o Decreto-Lei nº75/2008, de 22 de Abril.
------------------------

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...