domingo, 27 de agosto de 2017

Horários Incompletos na Mobilidade Interna 2015

Bem sei que as necessidades residuais variam de ano para ano. Mas é interessante vasculharem aqui o número de horários incompletos que foram atribuídos, por grupo,  em agosto de 2015 (o último ano em que - excluindo o presente - houve concurso interno)

Volto a salientar que o número de horários entre 8 e 21 horas varia anualmente, mas dá bem para ter uma noção da enormidade de horários que terão sido subtraídos na passada sexta-feira e que possivelmente - e aguardemos para confirmar - acabarão por ser atribuídos, na mesma, aos colegas dos quadros menos graduados que ainda aguardam colocação. 

Há justiça nisto? Que nó na garganta!

15 comentários:

  1. É vergonhoso! Mudaram os procedimento no final do concurso sem avisar! Sem dizerem uma palavra! Como vão agora milhares de professores encarar o seu trabalho de tão frustados que estão, por serem separados das suas famílias? Como é possível andarem constantemente a gozar connosco?? Isto é má fé! NOJO. REPULSA por isto TUDO.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Onde querem que encontremos motivação quando somos alvo de injustiças sucessivas!

      Eliminar
  2. Mas os comentários que se leem no facebook (FACEPROF e Professores Contratados) de centenas de professores, a acharam muito bem este procedimento e a acusarem os colegas de "se vão para longe é porque concorreram para lá" e que "eu se fosse QZP não me importava nada de ir para longe" e "Eu troco um lugar de contratado por um QZP, não sou esquisito" entre outros mimos, é o espelho desta classe, inundada por pessoas muito pequeninas. É por estas e por outras que o Ministério leva quase sempre a melhor. São uns TRISTES. Ou não percebem e são burros ou não querem perceber a vigarice que está aqui em causa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os jovens professores contratados precisam sofrer na pele as injustiças para alterarem o seu discurso. No meu caso sou QA concorri na 1º prioridade e a minha escola esta na Área Metropolitana de Lisboa. Não querendo, sou obrigado a concorrer para a Área metropolitana. Fiquei colocado numa escola de Lisboa num horário completo. Moro a 250km da capital. Agora vou ver colegas menos graduados a ficarem com horários perto da minha área de residência.
      Ao fim de mais de 20 anos de serviço mais de meio milhão de quilómetros feitos vou ter que abandonar a família e seguir com um ENORME sorriso nos lábios.
      Com tamanho sucesso nestas colocações o ME lança foguetes, apanha as canas. Os sindicatos comprometidos nada dizem e nada fazem.
      Agora resta esperar mais uns dias para que, com as RR's as INJUSTIÇAS sejam evidentes.

      Eliminar
    2. Não sei qual o seu grupo, mas seja qual for, se concorreu em 1a prioridade e ficou a 250km de casa é porque concorreu muito mal!!! Deve ter achado que bastava colocar algumas escolas ao lado de casa e não aumentou o raio do seu concurso! Duvido muito que não ficasse no mínimo a 50km de casa quando concorre à frente de todos os QZPs, sejam eles de que zonas fossem.

      Eliminar
    3. Certamente que sabe que professores com quadro de provimento nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto quando concorrem por ausência de componente letiva têm OBRIGATORIAMENTE que concorrer a esses concelhos, mesmo não querendo. Vamos a um exemplo: Resido na Guarda, o meu lugar de provimento é numa escola de Cascais. Não tenho componente letiva na minha escola. Concorro aos distritos da Guarda, Viseu, Aveiro e Coimbra e por imposição legal aos concelhos da área metropolitana de Lisboa. Não consegui nenhum horário completo nos distritos referidos, mas existe um numa escola do Barreiro. Logo: COLOCADO. Entendeu Mr. Concurso!

      Eliminar
    4. Este concurso é vergonhoso... um professor com anos e anos de serviço se quiser mudar de escola é impossível...não há vagas... com horários de anos e anos a não abrir como "vaga". Professores menos graduados escolhem onde querem ficar... é injusto menos graduados passarem à frente na opção de escola. Isto passou-se no concurso interno e na mobilidade interna, independentemente de ser QA ou QZP....
      As prioridades do concurso só existem para complicar a vida aos professor... a SIMPLES LISTA GRADUADA... era o mais justo e simples critério para a colocação dos professores

      Eliminar
  3. Há uns anos reclamei por 1 recém-QZP (que nesse ano concorria em 3a prioridade) ter ficado num horário incompleto numa escola para a qual eu (que concorria em 2a prioridade, QA a tentar aproximação) tinha manifestado preferência.
    A resposta foi que a minha colocação teria que ter sempre em conta a minha Componente letiva conforme o artigo 77 e 79 do ECD, e ainda que:
    "Mais se informa o recorrente que o legislador prevê, apenas a título excecional, a colocação de docentes de carreira em horários inferiores à sua componente letiva, veja-se artigo 28.º, n.º4 e n.º5 e artigo 37.º n.º3, todos do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho."
    Bem, parece que o título excecional deixou de existir na Mobilidade Interna!!!

    ResponderEliminar
  4. Ao contrário do que alguns dizem, sem saber do que falam - pois cada grupo tem particularidades próprias -, só alguém muito inexperiente ou muito parvo faria um concurso à balda.
    Além disso, é preciso pensar no efeito dominó imediato, há gente que poderia ter um contrato com horário completo, mas não o vai ter e ficará infeliz, pois esses estarão ocupados por outros infelizes. Agora pergunto eu, esses contratados manterão o mesmo discurso quando se aperceberem que isto não passou de uma manobra para evitar que tenham horários completos, logo, contratos sucessivos, logo, evitar que possam concorrer à vinculação extraordinária e entrarem diretamente nos quadros?
    É que, em vez de dizer "bem feita" aos outros, é preciso ver a fotografia panorâmica... Se há tanta gente mal agora, mais gente mal haverá brevemente é aqueles que agora sorriem duvido que quando começarem a sair às RR continuem assim.
    Pensem, que foi a autorização que a vossa licenciatura via deu, em primeiro lugar.

    ResponderEliminar
  5. Os sindicatos, até agora, nem uma palavra sobre o assunto. Possivelmente, ainda não se aperceberam do que está em causa. "Uma coisa é o Estado que temos e outra é o estado a que chegámos"

    ResponderEliminar
  6. Tudo isto não faz sentido. Na minha escola estava no nosso grupo (330) uma colega qzp que, por ser ano de concurso, teve de concorrer. Na escola temos um horário de 17 horas, ela estava na primeira posição e tudo indicava que ela ficaria, visto haver horas e era a primeira opção dela. Acabou por ir para outra escola e na minha não ficou ninguém! Certamente o horário irá para outra pessoa de qzp menos graduada... Não faz sentido!

    ResponderEliminar
  7. Gostaria de saber onde param os colegas que apregoaram e, pasme-se, continuam a apregoar aos sete ventos as maravilhas deste ME e seus dirigentes, vulgo CGTP. Deve ter sido por causa dos incêndios, o fumo faz-lhes mal. Parasitemos!

    ResponderEliminar
  8. Tudo isto é muito estranho e continuo a não perceber porque um docente que concorre em 3ª prioridade só pode concorrer ao seu grupo de recrutamento quando gastou dinheiro a obter outras habilitações profissionais. Além disso, ninguém é prejudicado por isto.
    E estas listas são uma vergonha. Nunca houve tanta polémica. Quando sair a RR1, então vai ser bonito!

    ResponderEliminar
  9. Vamos avançar com a luta.

    https://www.rtp.pt/noticias/pais/professores-colocados-a-centenas-de-quilometros-da-residencia_v1023702

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...