quinta-feira, 23 de maio de 2013

Uma hipótese... ou duas.

(Diário de Notícias, 23-05-2013)

Comentário: Na realidade existem diversas formas de boicotar greves, mas também existem hipóteses de furar esse boicote. Não acredito que os diretores das escolas e agrupamentos se prestem a este tipo de papéis, mas nunca se sabe.

7 comentários:

  1. Não é preciso os diretores prestarem-se a isso. Na escola onde estou a entrega das notas alguns dias antes já é uma prática. Na reunião só se confirmam e retificam eventuais erros de lançamento...

    ResponderEliminar
  2. A entrega das notas é uma proposta e ....., quem me diz a mim que não vou alterar umas poucas na reunião de avaliação.

    ResponderEliminar
  3. Penso que não há nada que obrigue os professores a lançarem as notas antes da reunião; geralmente, fazemos isso por conveniência de serviço. Na minha escola, neste período, ninguém vai entregar notas antes da reunião.

    ResponderEliminar
  4. Na maioria das escolas as classificações são introduzidas no sistema antes das reuniões. Mas como se sabe nenhuma reunião de avaliação se poderá realizar sem estarem presentes todos professores, a não ser se estiverem de atestado médico prolongado.

    ResponderEliminar
  5. A entrega antecipada de avaliações, embora seja prática corrente para agilizar os procedimentos nas reuniões, não tem qualquer valor vinculativo.
    Imagine-se só se um professor de Português ou de Matemática (ou os dois) se esquecer de registar nessa proposta antecipada a classificação de apenas um aluno que tenha tido, por exemplo, nível 3 no 1º período e nível 2 no 2º período. Que decidirá o conselho de turma para esse aluno, caso o respetivo professor estiver em greve na data da reunião? Sabe-se que nível 2 cumulativamente a Português e a Matemática, no Ensino Básico, pode condicionar a transição do aluno. E também se sabe que se tratam de disciplinas sujeitas a exame, podendo uma decisão mal tomada ter implicações no resultado final do aluno. E também há os rankings tão do agrado de muitos (diretores, por exemplo)! Como poderá o professor, autor do tal esquecimento ao preencher um papel sem valor vinculativo, ser responsabilizado por uma decisão tomada numa reunião, quando se encontrava em greve?
    Se começam para aí a ter ideias parvas para boicotar a legítima e mais do que justificada greve dos professores, não deverão esquecer que há um outro conjunto de ideias muito menos parvas para boicotar o boicote. E até bastam poucas pessoas para as pôr em prática!
    Nunca os professores prejudicarão tanto os alunos nos próximos dias de greve anunciados como o MEC tem feito de há uns tempos a esta parte.
    O que está em causa é muito mais do que a mobilidade dos professores. O que está em causa é a qualidade da escola pública que o Governo pretende comprometer drasticamente, em prol do ensino privado financiado pelo Estado, que sustenta os interesses de muitos amigos e se afigura como uma janela aberta para o seu futuro.

    ResponderEliminar
  6. Há sempre mais papistas que o papa...

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...