sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Contos de Natal


Confirmou-se o que já era esperado em relação à vinculação extraordinária. Um número residual de vagas que a transforma numa farsa, que em nada resolve os problemas de precariedade de milhares de professores.

Como já se esperava a via judicial será o caminho a seguir para repor a legalidade e imoralidade da utilização abusiva de professores contratados. As consequências para o estado serão bem mais nefastas do que se tivessem seguido uma negociação real e séria para resolver este problema, tendo até em consideração a situação financeira do País. Tenho pena que seja o estado a arcar com as consequências de decisões erradas ao longo de muitos anos que deixaram que chegássemos a esta situação -professores a contrato há 6, 10, e mais anos? - e que não haja qualquer tipo de responsabilização de pessoas que por omissão ou intenção negligenciaram a resolução deste problema. Talvez só assim, não só este, mas muito outros problemas nunca tivessem surgido neste País.

Outra questão interessante é como se passou de uma exigência inicial para acesso ao concurso de VE, dos 10 anos de serviço na escola pública para apenas 365 dias nos últimos três anos? E ainda por cima a tentarem disfarçar esta questão, como se nem soubessem muito bem estes critérios (ver vídeo aos 2:12). Se fossemos todos muito burros não percebíamos a quem interessa esta pequena alteração de 10 anos para 1 ano.

De facto a única solução é mesmo a via judicial nacional e Europeia para que se possa fazer cumprir a lei, por vontades isto não vai lá.

7 comentários:

  1. Ai não vai não. Acho que só mesmo as instâncias europeias poderão impor ao governos a legalidade pq este país tá podre de vícios

    ResponderEliminar
  2. Eu sugeriria um critério à prova de bala:
    total de descontos efectuados para :
    -CGA
    -SS
    -DGCI

    Jake

    ResponderEliminar
  3. Claro estes critérios interessam ao prosf´s do GRupo GPS que foram despedidos... e as restantes profs dos colégios privados...

    ResponderEliminar
  4. 365 dias no ensino público apenas? não se falou que poderiam ser no ensino público ora no ensino privado?

    ResponderEliminar
  5. Ó Ricas.... deixa ver se percebi...queria concorrer sem nunca ter trabalhado no ensino público? eles mudaram as regras mas não chegaram a tanto.....!!!!! mas deixe lá porque com tão poucas vagas apenas uma minoria entrará e vamos ver de que grupos.....onde foram elas apurar 600 vagas? se já sairam muito mais vagas anuais que isso???? se contabilizarmos os grupos todos...
    ouvi que quem entrar vai para o 1º escalão....mas isso não tinha sido um dos pontos que mudaram com as negociações? de acordo com o tempo de serviço a pessoa é posicionada....isto não é progressão na carreira, pois está congelada...é reposicionamento.....ou estou errada??????.....tb não acredito no Pai Natal!!!!
    Mas um BOM NATAL para todos!!!!

    ResponderEliminar
  6. E a via judicial vai resolver? Não há dinheiro para pagar salários. Para o ano vai haver mais cortes, não batam mais no ceguinho, emigrem como tantos outros o estão a fazer, não sejam comodistas, parem de querer sugar a teta do estado. Acabou. ADSE com dias contados, corte na despesa (funcionários públicos), rescisões amigáveis, mobilidade especial...não batam mais no ceguinho. Vincular para no ano seguinte não terem trabalho?

    ResponderEliminar
  7. Pois...acho fundamental uma queixa não só nos tribunais nacionais mas também a nível europeu/internacional. Já digo isto há muito tempo.
    Só espero é que não seja cada um por si como tem acontecido no caso da compensação por caducidade.
    Deve ser um único processo, subscrito por milhares de professores com o mesmo problema. Até para diluir custos.
    Espero que as coisas se passem dessa maneira.
    Seria uma grande lição não só para estes sindicatos mas também para o poder politico.
    Já agora volto a dizer o mesmo - é necessária uma nova forma de organização representativa de todos os professores. Estes sindicatos são inúteis, nada fazem, não têm poder e são irresponsáveis.
    Gostava de ver uma proposta de cortes salariais, nos escalões de topo, em troco da manutenção de oferta educativa (= postos de trabalho).

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...