sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Para refletir...

E se mudássemos de porta? Ficaria tudo na mesma?

Comentário: Uma reflexão muito interessante do Nuno Domingues... Embora concorde em grande parte com aquilo que consta do post em causa, acredito cada vez menos na possibilidade da sua concretização. Aliás, à medida que os anos vão passando e as iniciativas (e os seus resultados) se vão repetindo... e repetindo... e repetindo... cada vez vejo com maior dificuldade a tão necessária reaproximação dos professores aos sindicatos.

E se a desilusão com os sindicatos, que muitos afirmam ser o principal motivo de afastamento dos professores das iniciativas promovidas pelos primeiros, é uma forte "barreira" à mobilização, o aparente conformismo e comodismo de alguns professores também não ajudará. Se acrescentarmos a este cocktail os interesses díspares que movem os diversos intervenientes, temos tudo para a coisa não "desempenar".

O que fazer, então? Bem... Acho que a primeira fase de uma qualquer estratégia, passa exatamente por discutir aquilo que o Nuno Domingues abordou. Mas com um acréscimo... É essencial compreender o que impede a reaproximação entre sindicatos e professores e o que pode e deve ser feito para que se ultrapasse essa "barreira". Mais do mesmo é que está provado não resultar... 

Quanto ao conformismo e comodismo de alguns, estou certo que a curto e médio prazo irão despertar e constatar que determinadas "lutas" locais (com a avaliação do desempenho "à cabeça") de nada valem se não existir componente letiva, ou pior, não houver trabalho.

11 comentários:

  1. Em geral, os sindicatos não resolvem os nossos problemas, não são a chave para a resolução dos nossos problemas. Falta sim a organização de um grupo de professores com ideias novas que permitam discutir efetivamente o que tem impedido o sucesso do nosso ensino.

    ResponderEliminar
  2. Concordo. Não são os sindicatos que resolvem os nosso problemas. São os professores.

    Não sei se faltam movimentos com algumas alternativas. Eu conheço vários. Mas a verdadeira questão é:

    O que falta, na realidade, é professores que se enxerguem e comecem a a lutar pelos seus direitos em vez de ficarem sentadinhos no seu sofá à espera que os outros façam alguma coisa.

    ResponderEliminar
  3. Falta correr com os sindicalistas actuais!

    ResponderEliminar
  4. E arranjar uns amarelos, mais amarelos do que alguns que já existem.....

    ResponderEliminar
  5. Uma reflexão em:


    http://intervencaoereflexao.blogspot.com.br/2012/08/consideracoes-sobre-o-momento-atual-no.html

    ResponderEliminar
  6. 1. MN foi eleito mesmo que os regulamentos dos sindicatos sejam feitos à medida do freguês.
    2. A tutela paga para se refrear os ataques radicais à sua vontade.
    3. A tutela concede algumas vitórias de pirro em troca da não radicalização da luta.
    4. O divórcio entre sindicatos e a maioria dos professores é um acto consumado.
    5. A situação é diferente dos tempos da ditadura mas tem contornos semelhantes. Os mais fracos são esmagados em desfavor dos mais fortes só que a esses se juntaram políticos de profissão para regular a miséria dos desfavorecidos.

    ResponderEliminar
  7. Colegas, os sindicatos são, no que respeita à defesa dos direitos do trabalho, a arma mais forte que têm os trabalhadores. Sem essa arma não há luta organizada, só haverá, na melhor das hipóteses, desconexas e inconstantes demonstrações de desagrado e indignação que não alteram significativamente a ordem das coisas. Todos os grandes avanços históricos em relação aos direitos dos trabalhadores foram levados a cabo por pessoas organizadas em sindicados.Mesmo não sendo sindicalista, desconfio muito dos que falam mal dos sindicatos. Para mim, andam a fazer o jogo dos que exploram e atacam os trabalhadores. Fingem defender os trabalhadores, retirando-lhes a arma mais forte que eles têm. Ou é ignorância ou é intrujice.

    ResponderEliminar
  8. Os sindicatos não fazem tudo ...Os professores é que são uma classe hiperdesunida, que só reagem quando lhes toca o próprio umbigo...fora isso, ficam em casa, à espera de milagres...Quando a Milú era ministra ainda se viu alguma coisa; neste momento, tão sério para os professores e a escola pública, que fazemos?! Ai e tal, estou de férias, até nem fiquei mal colocada, horário zero nem é mau de todo, nem é comigo, eu até nem mudei, não tive problemas...Ora bolas, a pensar assim, querem o quê?!!! Haja paciência, minha gente!

    ResponderEliminar
  9. maria conceição marques da costa Gagosto 11, 2012 9:36 da tarde

    Os sindicatos não resolvem os nossos problemas porque nós não resolvemos os nossos problemas. Os sindicatos são a quilo que nós queremos que eles sejam, os sindicatos são feitos por nós e se não forem a culpa é nossa. Verdade que há maus sindicalistas e até há sindicatos que "ladram" muito e depois assinam. É tempo de estar atento e informado e ver onde está quem trabalha e estar ao lado e incorpar as lutas e ajudar a reinventar novas lutas.

    ResponderEliminar
  10. O POVO em Portugal é sereno, pois é só fumaça. Enquanto isso muitos de nós temos a aflição de ficar mesmo sem trabalho, o Subsidio de Desemprego não dura sempre, as despesas são todos os dias. Mas o Povo é sereno. Faz-se despercebido, enquanto tiver, mas a coisa está prestes a chegar ao fim, aguardem... Neste momento é uma das classes mais mal vista, reduzida a ignorancia, porém todos nós precisamos dos professores. Vejam como os Médicos conseguiram alcançar alguns dos objectivos, no entanto nós nem dignidade temos para manifestar VERGONHOSO ...

    ResponderEliminar
  11. Colegas
    Eu efetivei há 18 anos e nunca mais me esqueço tive de levar o meu filho com três meses para Lisboa, onde paguei para trabalhar e andei no Algarve e conheci Portugal inteiro, isso em tempos que colegas meus não sairam da terrinha.Eu mereci efetivar! Agora quanto à vinculação dos contratados só vejo a seguinte possibilidade:
    Serem efetivamente necessários ao sistema e penso no ensino profissional. Além disso com o aumento do nº alunos por turma, baixa na natalidade, mega-agrupamentos e aumento da idade da reforma não me parece que haja qq esperança e mesmo para mim e outros vinculados mais tarde ou mais cedo a morte bate-nos à porta. E sou realista, pois de outra forma nãon pode ser vista a realidade.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...