quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Segue uma pitada de demência

No Diário da República de hoje, surge a pérola que se segue:


Como podem ler o concurso é destinado a 4 docentes do grupo de recrutamento 110, mas... em Regime de Voluntariado! Da primeira vez que li o Aviso ainda pensei que a água da torneira me tinha feito mal, depois  ponderei uma inspiração demasiado profunda com excesso de oxigénio para o encéfalo, mas não. O Aviso é mesmo para a modalidade de voluntariado. Agora a sério, estes avisos para voluntariado não são novidade. Aliás, de forma algo regular é possível encontrá-los no Diário da República. Este apenas é peculiar pelo número de professores "solicitados" para um mesmo grupo.

Será que vão existir voluntários? Pode ser que sim... Conheço alguns colegas de profissão (reformados... e pensando melhor, muitos mais no "activo") que apresentam sintomas de alguma loucura.

Para os que desconheciam esta modalidade, deixo dois links: um para uma notícia de 19 de Março de 2009 e outro para o Decreto-Lei n.º 124/2009, de 21 de Maio que estabelece o regime jurídico do trabalho voluntário nas escolas realizado por pessoal docente aposentado.

13 comentários:

  1. Querem apostar que para o ano aparece uma OE com o seguinte critério: "Ter leccionado em regime de voluntariado no agrupamento de escolas de Canedo, por um período de 10 dias".

    ResponderEliminar
  2. Nem os "Burros" trabalham de graça!!! ´será que o dirtor de Canedo o faz??? Grande cambada de CHULOS!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  3. Se já estivesse reformada, não me importaria...afinal, são dez dias e o tempo custa a passar quando não se tem nada para fazer...Vejo pelos meus avós e pais...Os/As santos/as que se voluntariarem para o trabalho merecem que lhes dê os parabéns, no atual panorama de crise e desemprego...Gostava que fossem publicados os nomes...Sim, porque vai aparecer gente.

    ResponderEliminar
  4. O mais triste é q ainda temos colegas q de certeza absoluta vão aceitar esta pouca vergonha!!!

    ResponderEliminar
  5. Dez dias é o tempo em que se encontra aberto o concurso, não o tempo de duração do contrato.

    ResponderEliminar
  6. Nunca pensei ver isto...a desumanização de alguém ter que exercer uma profissão sem remuneração para se sentir vivo, socialmente útil.
    Tenho a certeza que os candidatos vão ser muitos, sobretudo se o tempo de serviço contar para a graduação. Todos sabemos que há muitos contratados a pagar para trabalhar. Se a escola ficar perto da residência dos concorrentes muitos poderão ficar a ganhar.
    Lamento o estado a que as coisas chegaram neste país, mas actualmente, trabalhar passou a ser um luxo/privilégio de alguns.
    O aparecimento de concursos para exercer uma actividade voluntariamente só mostra o conhecimento psicológico que os responsáveis têm acerca do indivíduo, no sentido de poder beneficiar da fragilidade emocional de quem está desesperado.

    ResponderEliminar
  7. O pior é que aceitam mesmo! Já estive numa escola em que havia um professor voluntário que fazia substituições de professores do mesmo grupo disciplinar,inclusive por mais de um mês. Mas, como é claro, a escola nunca lhe podia exigir o mesmo que aos outros professores (é voluntário, está a fazer um favor!), o que levou a um ensino de menor qualidade e a conteúdos sumariados sem estarem devidamente leccionados...
    Compreendo que quem está reformado não queira estar em casa sem fazer nada... Mas há tantos professores sem colocação!

    ResponderEliminar
  8. Sou de Canêdo, Santa Maria da Feira. Isto não é novidade para mim... Pois o ano letivo anterior aconteceu o mesmo. São professoras que estão na reforma e aceitam este "desafio", como o chamam, com todo o gosto. Normalmente vão substituir professores que faltam temporariamente no agrupamento ou dão apoio ao estudo... Enfim! Estas pessoas não são pais de professores desempregados e portanto não querem saber do resto.

    ResponderEliminar
  9. Estes colegas deviam ser excluídos do ensino por demência. O motivo? Só pelo facto de se terem candidatado ao lugar. Estes colegas não percebem as notícias que vêem na televisão. Tende piedade Senhor, eles não sabem o que fazem.

    ResponderEliminar
  10. Coitadinhos dos reformados que não tem que fazer...

    Tanta coisa há que podem fazer sem necessidade de prejudicar quem necessita de emprego.

    Essas pessoas tem o país que merecem.

    ResponderEliminar
  11. Ainda havemos de ver pior aberração, no entanto esta situação não acontece só nas Escolas. Cada vez mais se assiste a pedidos de trabalho em instituições apenas para fazer currículo.
    Não devem ter medo dos professores reformados porque esses têm bem em que passar o tempo, preocupem-se sim com os colegas que estão sem trabalho e esses sim para esquecer o mal que os atormenta poderão ser capazes de entrar numa situação dessas sem pensar nas consequências. Poderá o Nuno Crato pensar em contar tempo de serviço sem remuneração?
    - Não sabemos o que vai na cabeça destes tecnocratas.
    Coisa boa não è de certeza. Estejam atentos que os tempos não são fáceis

    ResponderEliminar
  12. Cara Andreia

    Está completamente enganada quando diz que os reformados não têm nada que fazer ... essa é uma concepção errada do mundo. os reformados, finalmente, têm TUDO para fazer, mando-lhe um sorriso.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...