domingo, 20 de novembro de 2011

E quanto à Greve Geral de 24 de Novembro?

Não, nem sequer me vou atrever a tentar uma resposta... A decisão de aderir ou não a uma greve é pessoal. Existem argumentos para todos os gostos, bolsas, perfis e graus de honestidade.

Assim, coloquei um inquérito com 3 opções de resposta simples, na barra lateral do blogue que gostaria que vocês respondessem.

No dia 24 de manhã, colocarei os resultados num post.

28 comentários:

  1. Boa tarde! aí está uma boa questão...mais valia não haver para não me deixar confusa...bom domingo

    ResponderEliminar
  2. Eu que não sou de grandes comentários deste género vou fazê-lo porque sinto necessidade disso.
    Sempre fiz greves desde que comecei a trabalhar há 10 anos atrás.
    Na altura por razões mais válidas talvez.
    Achava que ia realmente fazer alguma diferença. lol
    A inocência da pouca idade não perdoa!
    A razão pela qual vou fazer greve neste momento é tão somente porque a simples ideia de ir menos um dia trabalhar me agrada muito.
    Menos um dia de burocracias, de reuniões longas e de chegar ao fim de um dia de aulas completamente exausta e derrotada com o sentimento de que tudo o que fiz nesse dia foi em vão e de nada adiantou.
    É com tristeza e pesar que reconheço que o ponto alto do meu dia é quando finalmente chego a casa e tranco a porta atrás de mim.
    Não me orgulho disso mas neste momento é tudo o que posso dizer.

    ResponderEliminar
  3. Cara colega, em vez de dizer isso, pense nas pessoas que se encontram desempregadas e dariam tudo por estar a trabalhar... Se o melhor momento do seu dia é quando tranca a porta, então, deveria abri-la todos os dias com outra tenacidade.

    ResponderEliminar
  4. Dúvida:
    Quem tem profissionais e no dia 24 e fizer greve, tem que repor as aulas?
    Obg.

    ResponderEliminar
  5. É uma greve simbólica.Porque relativamente aos professores não adianta muito.Os alunos vão ter um dia sem aulas ?Vão ser com pensados com a ausência dos feriados.
    Os professores têm muita força se quiserem com outras formas de luta e greve.Greve a determinados serviços, por exemplo,greve por tempo indeterminado,a qual nunca iria ser muito prolongada.
    Enfim,ninguém está para isso e a maior parte dos que farão greve no dia 24 de Novembro é só para não parecer mal.
    Lurdes

    ResponderEliminar
  6. Ainda vivemos em democracia...por isso, há que respeitar quem faz ou não greve, por todos os motivos que movem uns e outros!Sou uma visitante assídua...parabéns Ricardo pelo blog!
    Já agora aproveito para divulgar o nosso blog(Pré-Escolar) http://preazul.blogspot.com/
    Espreitem...bom domingo
    Um abraço, Teresa

    ResponderEliminar
  7. Concordo com o anónimo 3:48 PM
    Se quisermos podemos ter muita força: greve indeterminada aos exames, momento crucial. Vos garanto que ia parar o país e que o governo até fazia o pino para nos ter de volta. Enfim...com uma classe pouco unida, nunca iremos a lado nenhum e vão ver que esta greve do dia 24 não terá quaçquer efeito na prática de mudanças ou recuos.
    Carla Marques

    ResponderEliminar
  8. Para quem perguntou se tem que repor aulas no caso de estar a lecionar profissionais, a resposta é: NÃO! No caso de CEF também não há reposição de aulas.

    ResponderEliminar
  9. Eu, estando desempregada, faço greve forçada :). Se assim não fosse, era capaz de aderir à greve. No entanto, como já por aqui li, creio que uma das melhores formas de luta dos professores seria mesmo a greve por tempo indeterminado. Sem dúvida que teriam de reparar em nós e ouvir-nos...

    ResponderEliminar
  10. Não faço Greve.

    Acho o movimento sindical envelhecido, onde os dirigentes, que já não exercem actividade docente há muitos anos, estão mais preocupados em estar em sintonia com os partidos de que fazem parte do que defender ( ou tentar )com rigor alguns direitos dos que não estão no quadro.

    Aos contratados que tem feito?? Nada de substancial!!! Os sindicatos estão mais preocupados com o acesso ao ultimo escalão pois estes são mais fáceis de defender.

    Lembrem-se que em Setembro os sindicatos estiveram mais preocupado com a questão da avaliação do que o decorrer das bolsas de recrutamento e as ofertas escolas.

    ResponderEliminar
  11. Eu não faço porque os 50 euros que me descontam podem fazer-me falta para o ano, lool.
    Gostei da forma como o autor expôs a pergunta. Cuidadoso e subtil como sempre!

    ResponderEliminar
  12. Eu não faço porque os 50 euros que me descontam podem fazer-me falta para o ano, lool.
    Gostei da forma como o autor expôs a pergunta. Cuidadoso e subtil como sempre!

    ResponderEliminar
  13. Concordo em absoluto com a anónima da 1.50! Farei greve para que seja menos umdia de trabalho! Farei pq estou farta de papeladas, burocracia. Farei pq assim pouparei no gasóleo dos 100km que faço! Farei pq é das poucas formas de luta que nos resta!
    Falam em greve por tempo indeterminado! Isso fazia tb! Mas queria ver qts a fariam! É mt bonito falar, mas depois... queria ver... se não fazem por causa de 50 euros de um dia e ficar sem metade do ordenado por exemplo? É só tretas!

    ResponderEliminar
  14. Ao anónimo que respondeu ao colega que não terá que repor as aulas do dia de greve, devo dizer que não é verdade.

    Como saberá, os alunos terão que ter a formação correspondente. Imagine-se que um colega, por várias razões, esteve de baixa médica quando regressar ainda assim terá que repor as aulas que não deu.

    Não serão poucas colegas que o tiveram que fazer...

    ResponderEliminar
  15. Há que fazer greve; não só pelo corte nos salários e nos subsídios, mas, principalmente pelos ajustes, recortes, supressores, reduções... que haverá na educação. Acham que a reforma curricular é necessária ou a crise é um pretexto para fazer alterações sem sentido? Consideram, realmente, que os alunos no 9º ano já têm todas as competências em TIC? Sería o mesmo que dizer que os alunos no 9º ano já sabem ler e escrever e não necessitam de estudar Língua Portuguesa.
    Colegas, considero que todas estas situações São as que nos devem levar a protestar, a sair à rua, a fazer greve, porque esta está mais do que justificada, ou então continuarão a fazer tudo o que querem, pois não vão ouvir as nossas vozes, as vozes da maioria da população que vai sofrer na pele a dita crise, provocada por outros, que continuam a enriquecer enquanto o Zezito, não só empobrece economicamente, mas também culturalmente.
    VAMOS À GREVE!!!!!

    ResponderEliminar
  16. professora em par-timenovembro 20, 2011 7:52 da tarde

    Para o anónimo das 6:23,

    Caro colega respeito a sua opinião mas lembre-se que é melhor perder 50 euros este ano do que para o ano não ter ordenado.
    Não sei se tem conhecimento das medidas que vão ser postas em prática para o ano, mas se não sabe digo-lhe que a grande maioria dos contratados não terá trabalho....
    Pense um pouco nisto...
    Eu infelizmente faço greve forçada!!!

    Boa semana de trabalho!

    ResponderEliminar
  17. Por uma questão de princípio, farei esta greve, como tenho feito nos 17 anos em que leciono. Por mais que custe em termos financeiros, continuo a defender a minha coerência de luta, como fiz com a avaliação. É óbvio que nada mudará, mas temos que mostrar o nosso descontentamento. No próximo ano, não serão apenas os contratados a ficar desempregados. Para quem pensa que tem o seu feudo protegido, é melhor preparar-se porque não vai ser fácil. Já não há intocáveis nesta profissão.
    PB

    ResponderEliminar
  18. Os professores, a massa cinzente, cidadãos, formadores de consciências,não... 50 euros é mais importante!!

    ResponderEliminar
  19. São mansos, merecem tudo o que lhes tão a fazer!

    ResponderEliminar
  20. Caros colegas de CEF e Profissionais. Quem fizer greve tem de repor as aulas obrigatoriamente. As aulas nestes cursos funcionam por horas. Se virem o guia de orientações, podem ver que no tempo de pausa do natal e páscoa tem de repor aulas em atraso, ou então no decorrer das aulas normais. É certo. Eu tive direito a 15 dias por um motivo e mais tarde tive de repor. Segundo a DREN tem de ser e é o que está escrito.

    Efa

    ResponderEliminar
  21. Acabem de ler os vossos comentários, muitos de vòs têm este ano emprego ou seja utilização (como são vistos pelos governantes, sindicatos) mas para o ano nada se sabe. Lembrem-se dos professores não colocados (esses não podem fazer greve porque foram calados à FORÇA), agora vós, podem mostrar que a classe não é COBARDE dá LUTA. Turmas com trinta e tal alunos, com agressões a Prof., Avaliações injustas, reuniões enfadonhas, papeis e mais papeis, cortes e mais cortes, na alimentação, .... depois disto tudo onde ficam os nossos filhos, tb emigram? NÃO! sofrem constantemente com o stress do pai ou da mãe! que culpa têm deste momento ser o mais deprimente? são as nossas crianças que acabam por pagar!!! SIM FAÇO GREVE (não lhes dou um grande presente mas luto pelo futuro dos meus filhos e por aqueles colegas que se encontram desenpregados). É uma questão de honra lutar pelo futuro, pela profissão, pelos meus direitos, pelos meus ideais, pelas minhas convicções, pelo meu trabalho, pelo meu pão de cada dia, pelos meus filhos e por aqueles que neste momento estão Forçados em se manifestarem . Hoje eu posso, amanhã ...

    ResponderEliminar
  22. Acabem queria escrever Acabei (desculpem)!

    ResponderEliminar
  23. Não, não faço greve pelos benditos 50 euros. Para o ano vão fazer-me falta concerteza! Mas se fizerem greve por tempo indeterminado até resolvermos assuntos de nosso interesse aí sim! Ou tudo, ou entao nada - com tão pouco acho que não vale mesmo a pena!
    Uma mera opinião de um simples e reles contratado!

    ResponderEliminar
  24. Deixo a sugestão para todos os professores que não querem perder dinheiro no dia da greve: cumpram serviço na escola e dentro do vosso espaço - a sala de aula - recusem-se a dar aula, explicando aos meninos que estão em greve...Haverá confusão na sala? Pois claro! Mas em alguns casos o professor nem notará diferença dos outros dias ... e os meninos agradecem. Andreia

    ResponderEliminar
  25. Há "colegas" que nem 50 euros valem!

    ResponderEliminar
  26. Para a Andreia

    A sua sugestão,lamento mas, é uma grande estupidez para não dizer outra coisa...

    O que é feito da dignidade profissional e do respeito pelos alunos e pelos colegas que estarão a fazer greve ou a dar aulas a sério?

    é por estas e outras que somos pouco levados a sério...

    ResponderEliminar
  27. Anónimo das 8:19: faço minhas as suas palavras! É por estas e por outras que a nossa classe está como está!

    ResponderEliminar
  28. Façam Greve fechem as escolas, já vão é tarde, lembrem-se que "Quanto mais se abaixa, mais se lhe vê o cu", este conhecido provérbio diz tudo.
    Primeiro foram os congelamentos das carreiras depois 1 salário anual a prestações, metade de 1 subsídio de natal. Para o ano serão 2 subsídios e depois será mais o quê? Tamos fartos de ser roubados e para quê? Qual o motívo para baixar o défice, os custos do Estado? Ora o défice tem por base a facturação das empresas e estas as compras dos Portugueses. Ora se recebemos menos iremos comprar menos na mesma medida que recebemos ou mais logo para o Ano as empresas irão facturar menos e com isso o défice irá aumentar apesar de todo o esforço.
    Este problema não se resolve assím. Não é a cortar que vão atingir o fim. Aumentem a produtividade das empresas. Como? Fácil, 1º não cortem nos salários antes incentivem os consumidores portugueses e nomeadamente os do estado a comprar o que é Português com beneficios no IRS por exemplo. Incentivem os empresários a facturar mais descontando o valor do crescimento em facturação em percentagem no IRC se tiver mais beneficios se calhar terá mais vontade de investir. Com isto se cada empresa Portuguesa crescer 3% na facturação o PIB cresce 3%.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...