domingo, 6 de dezembro de 2009

Pedido de esclarecimento sindical...

Vejamos se algum sindicato responde às questões do nosso colega HzoLio... Questões que afectam muitos de nós, mas que na maioria dos casos nem sequer são ponderadas até ser tarde demais.

Recordo que o HzoLio enviou o mesmo email para os seguintes sindicatos: Fenprof, Fne, Aspl, Sepleu, Sindep, Sinape, Sipe, Spliu, Sippeb, Snpl. Vejamos quantos respondem e de que maneira.

31 comentários:

  1. Digo-te já que ele não deve obter grandes respostas. E digo os motivos. A questão da transição ainda está para ser discutida (basta ver o calendário da negociação), pelo que eventuais respostas só nessa altura. Quanto à questão principal, a do horário, é um assunto demasiado controverso, dentro dos professores. Acredito que essa questão não é consensual dentro da classe, e, como tal, serão sempre criticados, seja qual for a resposta que derem.
    Mais, não acredito que essa solução vá ser a solução para os problemas que colocam, nem que vá mudar a nossa imagem. Mais, acredito que vai trazer mais problemas que aqueles que pode resolver.

    ResponderEliminar
  2. é com fanáticos do dia livre como este que nunca vamos a lado nenhum.

    ResponderEliminar
  3. DEVES GOSTAR DE SHOPPINGS. DEVES DEVES! Sim às 35 HORAS!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo,
    fique sabendo que só tive dia livre quando tive horários incompletos. Se quer criticar, tente arranjar argumentos, não ofenda. Se a ofensa é o único argumento que consegue utilizar, e sendo utilizado a coberto do anonimato, apenas revela muito sobre si.
    Há pouca gente que me pode dar lições de moral. Anónimos que só sabem utilizar ofensas não fazem parte desse grupo. E dificilmente alguma vez irá fazer.

    ResponderEliminar
  5. Advogado, esta é uma daquelas coisas que se nunca for experimentado, nunca saberemos no que resulta... ;)

    Tu até sabes que sou dos 'gaijos' que gostam de ver a barraca a pegar fogo, assim como também sabes que, esta minha proposta/posição, não é em nada inocente... Antes pelo contrário!!!

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Hzolio, eu sei disso
    Também sabes quais são as minhas reservas.
    Penso que antes de se avançar para essa solução, devia-se tratar dos horários actuais:
    - Definir de vez o que é componente lectiva e não lectivo (componente não lectiva de trabalho a nível de estabelecimento é, muitas vezes, componente lectiva);
    - Tirar muito do trabalho burocrático (principalmente nas DT);
    - Resolver a questão das reuniões.
    Estas são algumas questões que deveriam ser tratadas antes de se pensar em avançar para a tua solução. Sem estes problemas estarem resolvidos, a tua solução não me vai resolver muito. Pode até gerar mais problemas. E olha que brincar com o fogo é muito perigoso, ainda te queimas! ;)

    ResponderEliminar
  7. Ou isso ou faço xixi na cama... eheheheh

    ResponderEliminar
  8. Para acusar o toque aqui estou eu TRIMMMM!!

    ResponderEliminar
  9. Hzolio,
    nesse teu horário de 35 horas, a quantas horas correspondem os nossos 24 tempos de componente lectiva?

    ResponderEliminar
  10. Pois... Meu querido Advogado, aí começa a porca a torcer o rabo!!!

    Porquê 24 tempos?!... Olha que se forem 24T, depois ficas com menos tempo para as restantes tarefas... E digo-te já que nunca partiria de 24, porque há 2 que eu considero que são um comer todos os professores por lorpas... Mas isso é outra guerra!!!

    ResponderEliminar
  11. Estás atento. ;)
    Acho que não vale a pena dizer quais são os 2 tempos a mais. E como dizes, essa é outra guerra. Por acasos esses 2 tempos, no teu horário, até fazem algum sentido.
    Mas "prontus" ( ;P ), a quantas horas correspondem os 22 tempos lectivos?
    Provocação: Quantos colegas apanharam a porca? ;)

    ResponderEliminar
  12. No meu horário fazem, mas só quando não os tentam "desvirtuar"... ;) É que volta não volta, lembram-se que aquilo serve (porque até dá jeito) para fazer "acompanhamento de meninus"!!!


    Agora fiquei com um nó no cérebro... QUAL PORCA?!?!?!...


    E já que queres que eu me embrulhe com as horas, eu digo-te que me parece razoável, de uma forma generalizada, 20 lectivas (com os intervalos incluídos), 3 para reuniões e o restante para componente não lectiva... NA ESCOLA!!!

    Agrada-lhe, ou nem por isso?! ;)

    ResponderEliminar
  13. Estás a fugir á questão.
    Essa questão dos intervalos é muito importante. Porque, como já disse antes, no teu horário de funcionário publico, os intervalos não são componente lectiva. "Vamus" lá perguntar (a um "ingeneiro"?) "kanto" dá 22x45 "minutus "(ou 11x1,5 horas)

    ResponderEliminar
  14. Olha que não estou... Não estás é a querer ver o óbvio! Diz-me lá outra actividade na função pública em que "intervalos" impostos pela organização da actividade não sejam contabilizados no tempo de trabalho... Só te peço UMA!!!

    Ou também não concordas que os intervalos devem ser contabilizados no nosso horário de trabalho?!

    ResponderEliminar
  15. Olá!
    No que concerne a progressões e a dúvidas sobre estas, a situação dos professores a leccionar na RAM é um prato cheio. Na prática desde 2005 que ninguém progride por cá, uma vez que, primeiro, estivemos todos nós congelados no país e, depois, continuámos nós por cá na Região igualmente mergulhados num impasse (ao contrário do que se possa imaginar, o facto de termos sido todos avaliados com o mediático "Bom" do Presidente do Governo Regional não teve qualquer efeito prático). Parece que a situação vai finalmente ser desbloqueada no início de 2010,o que não é sem tempo, até para evitar transições de carreira sobrepostas com as mudanças que se anunciam, mas não há garantia de que os retroactivos devidos venham a ser integralmente pagos, incluindo os que decorrem da alteração do número de anos de permanência nos três primeiros escalões. Por outro lado, parece que finalmente vai cair no ECD da RAM um "pequeno" pormenor legislativo que faz depender o pagamento de retroactivos relativos a progressão de carreira da disponibilidade financeira da tesouraria do Governo Regional. Vejamos se assim é e se tem efeitos práticos. A ver como continua e acaba tudo isto. A este nível, as dúvidas colocadas pelo HzoLio são também dúvidas dos professores a leccionar na Região.
    Tudo de bom para todos

    ResponderEliminar
  16. Hzolio,
    Eu não disse que não são contabilizado. A questão é saber em que parte da componente do nosso horário deve ser contabilizado. Se na lectiva, se não lectiva.

    ResponderEliminar
  17. Hzolio
    Um dos argumentos que usas para a tua proposta é a opinião pública. A minha questão tem a ver com a opinião publica. Repara que qualquer "ingineiro" pega numa maquina de calcular, faz a conta que te disse, soma as 13 horas de componente não lectiva e vai ver que faltam x horas para as 35h. E aparece logo a conversa dos malandros que tem x horas de intervalo por semana. Esta porca é tramada, não é?

    ResponderEliminar
  18. Já que assim queres, vamos lá fazer isto de outra maneira, porque não podes só fazer perguntas sem dares respostas...

    Ainda estou à espera que me digas qual é a OUTRA CARREIRA da função pública em que os "intervalos" não são contabilizados para o horário de trabalho do funcionário.

    Para te ajudar, digo-te apenas que, na minha outra carreira pública, sempre que ia tomar um café ou fumar um cigarro, não era obrigado a picar o cartão de ponto...

    Quanto ao uso da máquina de calcular, caro amigo tenho a informar que, o mais provável, é que fosse usado um Magalhães e, assim sendo, acho que não temos que estar muito preocupados com isso.

    Continuamos esta troca de comentários quando, de uma vez por todas, me responderes à questão que te volto a colocar! ;)

    É que isso de fugires com o rabo à seringa não está com nada. Para além de que não condiz com aquilo que conheço de ti...

    Jinhos à prima

    ResponderEliminar
  19. Hzolio
    Quando fazes essa pergunta está a partir do principio que eu não estou a contabilizar os intervalos.

    Aconteceu que eu já te disse que estou a contabiliza-los.

    A minha questão é se esses intervalos devem ser contabilizados na componente lectiva ou na não lectiva.

    Isto porque a tua componente lectiva são de 22 TEMPOS lectivos, não de 22 horas lectivas (dai os tais 24 tempos que falei no inicio). Há 5 horas e meia de diferença entre os 22 tempos e as 22 horas! Não estou a ver outra profissão com 66 minutos de intervalo por dia!

    Com esse teu horário de fp, quando alguém disser que não teve tempo para fazer algo, vai levar com estes intervalos todos.

    Além de que, para quem faz horários, essa disponibilidade era uma maravilha. Os "furos" passavam a estar muito mais disponíveis.

    ResponderEliminar
  20. Na minha opinião, os "intervalos" devem estar incluídos na componente lectiva. Porquê?! Quanto mais não seja, porque a "minha malta" os usa, quase exclusivamente, nesse sentido... Espero que saibas ao que me refiro.

    No entanto, para isto ser feito, os tempos supervenientes, devem de desaparecer...

    Chega-te?!...

    ResponderEliminar
  21. Pois é meu caro, por isso é que digo que antes de se avançar para essa solução, outras questões deveriam ser tratadas.

    Esta questão dos intervalos (e a dos supervenientes, que está associada), por exemplo, é das tais que está relacionada com a definição do que é componente lectiva e não lectiva.

    Nos moldes actuais, tenho poucas dúvidas que os intervalos iriam parar à componente não lectiva.

    Outra questão relacionada com os intervalos, e que tem influência nesta questão. A sua duração varia de escola para escola e nas próprias escolas a duração também varia de intervalo para intervalo.

    ResponderEliminar
  22. Ou muito me engano ou uma das tarefas lectivas são os sumários e registo de faltas... Nesse caso, olha que há professores em todas essas escolas do país que os utilizam, quase exclusivamente, só para isso.

    Se puxares um bocadinho pela cabeçla, percebes de que falo...

    E agora?! É lectiva ou não lectiva?!...

    ResponderEliminar
  23. Eu sou um deles.
    Hzolio, a isso vão dizer que é problema nosso e/ou da escola. Má organização.

    E em breve, com os livros de ponto electrónicos (que já existem em algumas escolas), esse problema vai deixar de existir.

    Meu caro, como tenho dito, resolva-se bem estes problemas antes de se pensar na tua solução.

    ResponderEliminar
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  25. Hummmm... Livro de ponto electrónico... Isso deve ser bem giro de utilizar naqueles dias bem frios e húmidos nos espaços exteriores da Educação Física!!! Ai deve deve... Até saltam faísca e labaredas!!! LOL

    ResponderEliminar
  26. Acaba-se com a educação física. Problema resolvido! ;P

    ResponderEliminar
  27. Mai nada, qu'esses gaijos é só gastar dinheiro e mandar pessoal para o hospital...

    Mas olha, continuo sem resposta a uma questão que te coloquei por várias vezes...

    Vá, dá lá uma respostazita aqui ao moço!

    ResponderEliminar
  28. Se é a pergunta sobre os intervalos, já te respondi, várias vezes.
    Se não é, pergunta de novo.

    P.S. E poupava-se também no orçamento da saúde.

    P.S.2. O magalhães não é à prova de água? ;P

    ResponderEliminar
  29. Ainda estou à espera que me digas qual é a OUTRA CARREIRA da função pública em que os "intervalos" não são contabilizados para o horário de trabalho do funcionário.

    Vá... Siga!!!

    ResponderEliminar
  30. Hzolio,
    já te disse antes que essa pergunta está mal feita. Ao faze-la está a partir do principio que digo que na nossa não seriam contabilizados. Eu não digo isso. Já te disse que ela é contabilizada.

    A questão é saber em que componente eles serão contabilizados.

    Esta é a velha questão de saber exactamente o que é componente lectiva e componente não lectiva.

    Esta é uma das tais situações que eu digo que devem ser muito bem definidas antes de se avançar para a tua solução. Pois se não resolver todas estas pontas soltas, a tua solução não é solução para os nossos problemas, apenas vai gerar ainda mais problemas.

    ResponderEliminar
  31. É tão problema quanto é noutras carreiras/profissões. Passo a explicar...

    Hoje de manhã, enquanto aguardava ser recebido pelo responsável de uma empressa que acolhe alguns dos meus menimos em contexto de trabalho, estive junto de alguns funcionário dessa emnpresa que estavam alegremente a beber o seu café e a fumar o seu cigarrito... Questionei-me se, por isso, eles iriam sair mais tarde do serviço ou se, esse 'break', estaria integrado de uma forma natural no dito horário... É que em termos profissionais ou funcionais para a empresa, eles não estavam a fazer ponta!!!

    Sera que, quem gere aquela empresa, é uma cambada de alucionados que permite aos funcionários tais libertinagens?!

    Hummmmm, pois, talvez não. Se calhar esta é uam prática generalizada... Salvo raras excepções!!!

    Obrigas-me a utilizar um dos meus chav~ºoes, os principais inimigos dos professores, são os próprios professores!!!

    Abraço

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...