terça-feira, 24 de novembro de 2009

Acho bem que não negoceiem...

Professores não negoceiam divisão da carreira.

Comentário: A FNE e a FENPROF afirmam que não negoceiam a eliminação da divisão da carreira em professor e professor titular. Acho bem que o façam... Aliás não faz qualquer sentido continuar com esta divisão artificial e injusta que se transformou numa enorme "aberração". "Aberração" que provocou enormes clivagens no seio da classe docente... E não estou a falar de clivagens na carreira, mas sim pessoais. Para além disso, se este modelo de avaliação do desempenho "começou" numa base de divisão da classe, é justo que termine exactamente por aqui.

Se os sindicatos cederem neste ponto, mais vale estarem quietos...

15 comentários:

  1. Os titulares terão necessariamente de continuar. O que poderá eventualmente acontecer é não haver o estrangulamento na carreira. Haverá sempre professores com o estatuto de avaliadores, chamem-lhe ou não titulares.

    ResponderEliminar
  2. é óbvio que não podem ceder!... and now for something completely diferent:

    Já leram o Jornal de Negócios hoje

    http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS&id=397845

    Nunca fui adepto de comparações entre classes e reivindicações porque "os outros têm", mas sinto-me profundamente revoltado... sou quadro de escola no interior (mais interior é impossível, estou junto ao centro geodésico) a 110km de casa e para além de não receber nem mais um cêntimo, nem posso deduzir as minhas despesas obrigatórias (gasolina, alojamento...) em sede de IRS - mais para mais a modesta "bolsa" que os médicos vão receber corresponde a metade do meu salário... como se diz na minha terra "ou há moralidade ou chupam todos!"... desculpa o desabafo Ricardo e o desajuste do comentário, mas tivéssemos nós uma ordem com metade da força e organização da dos médicos e não estaríamos tão mal de certeza, por isso, sindicatos? "Vão sem mim que eu vou lá ter!!!"...

    ResponderEliminar
  3. 200% por cento de acordo. Essa divisão foi o princípio de todo este desastre. Por mim, seria inegociável e espero que não haja memorando do entendimento algum sobre esta matéria.

    ResponderEliminar
  4. http://www.publico.clix.pt/Educação/ministerio-vai-eliminar-divisao-da-carreira-docente_1411337

    ResponderEliminar
  5. http://economico.sapo.pt/noticias/carreira-unica-garantida-aos-professores_75299.html

    ResponderEliminar
  6. Acaba a divisão mas continua o estrangulamento... apenas uma % dos professores terão acesso aos 3 últimos escalões - tira-se o nome, mas na essência tudo fica na mesma!

    http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1430224

    ResponderEliminar
  7. http://aeiou.expresso.pt/ministerio-propoe-carreira-unica-mas-com-vagas-para-a-progressao=f549456

    ResponderEliminar
  8. Acabam os TÍTULOS mas vai tudo dar ao mesmo...Tristeza!Devem pensar que os professores são parvos!

    ResponderEliminar
  9. Mas então três patamares, com cotas, não é uma nova divisão na carreira? Na verdade, esta proposta hierarquiza ainda mais a carreira anterior, introduzindo-lhe não dois patamares (titulares/não titulares) mas três: os do 5º, os do 6º e dos 7º.! Tudo uma questão de semântica. E assim se enganam papalvos.

    ResponderEliminar
  10. Nada + apropriado: " Com papas e bolos se enganam os tolos"

    ResponderEliminar
  11. Para Lelé Batita: Tal como tu, também espero que não voltem a assinar um memorando de entendimento, sem que analisarem bem todas as eventuais "pontas soltas".

    Que não voltem a repetir os mesmos erros!

    ResponderEliminar
  12. Para Professor: Estás a partir do princípio que quem nos irá avaliar com o próximo modelo de avaliação serão "colegas nossos" (ou seja, que não pertencentes a órgãos de gestão, por exemplo). Poderemos ter um modelo baseado em outros princípios e elementos, que não passem obrigatoriamente pela segmentação profissional.

    ResponderEliminar
  13. Para JNOGUEIRA: Já conhecia a notícia e pensei exactamente como tu. É uma tremenda injustiça. Tal como afirmaste temos demasiados sindicatos e somos demasiados em termos de números (próximos dos 150 000).

    Os médicos são poucos e têm uma ordem forte, como tal, conseguem obter regalias que nós nunca conseguiremos. Não te esqueças que na eventualidade de um professor rejeitar um lugar temos mais uns 100 dispostos a ocupar um lugar. Por aqui perdemos força...

    ResponderEliminar
  14. E já que falas em ordem... eheheheh

    Provavelmente pouco resolveria, uma ordem de professores, mas lá que era capaz de ajudar a que se encontrassem discursos únicos, aí isso deveria ajudar...

    Digo eu, que não percebo nada disto... ;)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...