segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Da compreensível apreensão...

Protesto de professores de Bragança contra "epidemia" de destacamentos

Comentário: Esta é uma daquelas situações extremamente melindrosas, que pela diversidade de situações que envolve, dificilmente poderá ser resolvida por quem nos tutela. Sem elementos concretos, sem provas inequívocas de fraude, dificilmente se poderá "separar o trigo do joio"... 

E quando o motivo que levou ao pedido de mobilidade por doença residir naquele que a solicitou ainda poderá ser possível aferir a verdade ou a mentira, de uma forma relativamente célere. O maior problema é quando o pedido de mobilidade se fundamenta na doença de um familiar... Num eventual apoio que consta num papel, mas que na realidade poderá não existir.

Quero acreditar que as situações de fraude sejam uma exceção, no entanto, fico apreensivo quando perante tanta contestação e suspeição, possa algum dia necessitar realmente deste tipo de mobilidade e me ser negada porque outrora alguém abusou.

Deixo-vos ainda com o vídeo de uma reportagem da SIC relativa a este protesto, que me deixa igualmente preocupado pelo desconhecimento revelado por vários dos intervenientes, relativamente aos motivos que poderão levar a um pedido de Mobilidade por Doença. Existem certos comentários que acabam por tirar muita da razão a quem poderia estar legitimamente preocupado.


13 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Uma autêntica vergonha. Mas o que se passa aqui, acontece em muitos Agrupamentos. A investigação não se deve resumir a Bragança. Deve ser feita por todo o país e os primeiros preocupados deviam ser os diretores das escolas. Para bem dos seus alunos e até do seu corpo docente que se vê ultrapassado por outros que dos quais não se sabe se falam a verdade ou não...

    ResponderEliminar
  3. Ja contactei a inspecao. Se todos pedirem invrstigacao por alegadas fraudes, as injusticas acabam. Tanto para os nao doentes como para aqueles que realmente necessitam de apoio. Porque estes tambem estao a ser prejudicados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este/esta está todo/a contente por ter feito o papel miserável de bufo/a. Espero que peça as contrapartidas: uma sandes, uma bebida e uns favores...

      Eliminar
  4. Quem tiver a certeza de casos fraudulentos deve contactar a inspeção e ajudar no apuramento da verdade/não verdade que reside em torno desta mobilidade. É necessário, para o efeito, que não se denunciem situações baseadas no "diz que disse", mas com base num conjunto de elementos que possa levar a uma atuação célere e eficaz. Quem realmente precisa deverá usufruir deste direito, porém quem faz uso deste mecanismo para se aproximar, tendo como argumento ter sinusite, como é o caso de um professor do grupo 300 (Português) que ficou em Braga no Agrupamento de Escolas D. Maria II ou de uma outra docente do mesmo grupo que tem ficado destacada ano após ano por suposta (não tem ar disso, já que anda sempre feliz e contente) depressão no mesmo agrupamento. Se não se fizer nada agora, dentro em breve, os professores mais graduados irão para a requalificação e os infratores ficarão sempre com escola. O que seria do ensino se todos os professores que estão colocados longe de casa usassem esse mecanismo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estas situações são, de facto, vergonhosas e envergonham toda a classe, onde gente honesta se vê manchada por tanta vigarice.

      Eliminar
  5. Denunciem sem medo mas com cautela. Não afirmar categoricamente quando nao se tem provas. Cuidado com o texto e utilizar expressoes como "Alegadamente" etc. Podem-se denunciar suspeitas sem provas concretas, uma vez que é uma suspeita. Peçam ajuda a alguem se tiverm dificuldades na exposição, para que nao sejam prejudicados. Informação dada por alguem da igec quando questionei este assunto. Mas não se calem, a bem das verdadeiras pessoas que precisam e pela justiça de todos os colegas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A quem ou em que site se pode apresentar uma queixa por alegadamente um docente ter usado indevidamente da MPD?

      Eliminar
    2. Colega, pode enviar a queixa à inspeção, igec, por escrito, com todos os dados que possui. (Seu nome, do colega alegadamente envolvido - mas não é necessario todo- , escola etc) se puder acrescentar dados relevantes ok, mas tenha atencao à exposição. Se for suspeita escreva supostamente, alegadamente, etc, pois assim não o podem posteriormente prejudicar, uma vvz que durante a investigação não tem como saber quem fez a denuncia. Para isso são outros procedimentos. Um abraço e força.

      Eliminar
    3. "Com cautela...". Assim é que se faz. Os bufos mostram toda a sua personalidade. Tenha vergonha.

      Eliminar
    4. Colega, dirija uma queixa escrita com avisi de rececao à ispecão , igec, com todos os dados de que dispoe. Mad com cautela, como é referido acima. Força.

      Eliminar
  6. Agora qualquer bardamerda denuncia, a torto e a direito. O 25 de abril foi em 1974 mas muitos ainda não retiraram a pele de bufos.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...