quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Para discutir e refletir (QA, QEna versus QZP)

Começa a ser algo cansativo ler comentários de supostos colegas dos quadros de escola ou agrupamento a criticarem o facto dos colegas dos quadros de zona pedagógica concorrerem "à frente" em termos de prioridade.

Por motivos óbvios (não contribuir para gerar ainda mais confusão) não irei abordar aqui a questão dos colegas contratados versus colegas dos quadros, porque o meu entendimento encontra lógica similar (mas não exatamente igual) ao que a seguir desenvolverei. Para bom entendedor...

Assim, começo por dizer que para mim, o mais correcto seria a utilização do critério da graduação profissional para questões de concursos, acompanhada de uma fiscalização rigorosa por parte de quem "concorre" através da mobilidade por doença.

Traduzindo: independentemente da tipologia de quadro (QA, QEna ou QZP) a graduação profissional deveria ser respeitada...

No entanto, e seguindo a lógica de quem critica a não utilização do critério "graduação profissional", também será correcto admitir que se o critério de graduação é o mesmo, também as regras concursais deveriam ser as mesmas. 

E o que quero dizer com isto?


Bem... Se os colegas dos quadros de zona pedagógica são obrigados a concorrer a todas as escolas do seu quadro de zona pedagógica (mais uma escola de outro quadro de zona), então a mesma regra deveria ser aplicada aos colegas dos quadros de escola ou agrupamento. E atenção que não defendo que os professores tenham de concorrer para tão grandes áreas geográficas, nem tão pouco considero que este tema possa ser visto de forma tão linear... Apenas estou a tentar fazer uma analogia para aqueles que "atacam" apenas um dos pontos da legislação concursal.

Se é por uma questão de equidade e se os professores dos quadros de escola ou agrupamento não são mais nem menos que os professores dos quadros de zona pedagógica, então que se aplique o critério da graduação, mas também as mesmas regras e obrigatoriedades.

Em conclusão, se muitos defendem o critério de graduação único, numa prioridade única então quero acreditar que também defenderão as mesmas regras de concurso para todos os professores dos quadros (QA, QEna ou QZP).

Espero que depois de lerem aquilo que escrevi, constatem que ver que um problema ou injustiça tem diversos "pontos de vista" que devem ser bem analisados... 

Fica a "provocação".

73 comentários:

  1. Boa tarde,
    Que estupidez...já agora só faltava o prof do quadro de uma escola ter de concorrer para o país todo...se ele é do quadro é pq é mais graduado e ponto final.
    Não acho justo o que estão a fazer...

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo inteiramente a posição do Ricardo.A igualdade de critérios deve aplicar-se a todos os domínios.

    ResponderEliminar
  3. Os QA,QE têm uma escola os QZP não têm, estão afetos a uma zona;
    Quando acabarem com a mobilidade por apróximação à residência acabou-se esta guerra.

    ResponderEliminar
  4. Eu sou Qzp e tenho uma graduação profissional maior que muitos quadros de escola do meu grupo de docência, o argumento da graduação mais alta cai por terra se analisarem as listas... concordo com a reflexão do Ricardo...

    ResponderEliminar
  5. Ricardo
    Também concordo em pleno com o que aqui publicou. Os QA/QE se querem concorrer na mesma prioridade devem sujeitar-se às mesmas regras no concurso.

    ERA MUITO BOM QUE ASSIM TIVESSE ACONTECIDO, eu QA estaria a 3 minutos de minha casa e assim estão lá colocados colegas com menos 9 anos de tempo de serviço. Eu continuo longe de casa e até quando?

    INJUSTIÇA

    ResponderEliminar
  6. Exatamente, ou somos todos iguais ou não somos, querem igualdade, ora muito bem regras iguais para todos, acabam-se as aproximações à residência e existe uma lista graduada, em que todos concorrem nas mesmas circunstâncias, assim sim, a justiça será feita. Cada um fica na escola que tem direito!!!

    ResponderEliminar
  7. Aproximação à residência... O que é isso????????????????
    Alguém constatou a aproximação à residência de algum QA ??????????????
    Sou QA e no 1º ciclo nenhum QA se aproximou à residência. Do meu ponto de vista o concurso deverá ter em conta apenas e só a graduação dos docentes. Alegam que os QZPs concorrem em 1ª prioridade porque não têm escola e poderão ficar sem trabalhar. Não acredito, pois se por ventura tal acontecer o que será dos contratados???????????????????

    ResponderEliminar
  8. A analogia do Ricardo é do mais estapafúrdio que já vi. Já agora fazemos tábua rasa de todas as colocações de todos os docentes e vamos recolocar todos os professores por ordem de graduação!!! Absurdo não???

    ResponderEliminar
  9. Desculpa, mas muitos professores conseguiram aproximação à residência, se tem alguma dúvida consulte as listas e ficará bem mais informada!!!

    ResponderEliminar
  10. Vejam as listas com atenção. Há colegas que conseguiram destacamento por aproximação à residência de uma distância de 7 km. Tudo depende do grupo. Conheço um colega que há 4 anos atrás era QZP e me disse que ia concorrer a quadro de escola pois os destacamentos passavam à frente dos QZP. Agora, que as regras do jogo mudaram teve de regressar à sua escola de origem e já mudou o discurso. Concordo com direitos iguais mas deveres iguais.Se querem que a graduação seja o fator determinante têm de se sujeitar às mesmas condições dos QZP. Não é justo colocarem apenas as escolas que querem. Eu sou QZP há 15 anos ( 21 de serviço) e ainda estou a aguardar colocação. DIREITOS E DEVERES IGUAIS!

    ResponderEliminar
  11. Para LC: Eu não disse isso, colega. Leia com atenção o que escrevi e se constatar está a dar-me razão e a defender o mesmo que eu.

    ResponderEliminar
  12. E uma vez que me parece que não fui suficientemente claro: Tudo o que escrevi neste post funciona na lógica daqueles que criticam as regras feitas pelo MEC e que (erradamente) atacam os professores que são sujeitos às mesmas.

    Nenhum professor (QA, QEna ou QZP) elaborou estas regras, assim como as prioridades. São injustas? São... Mas são injustas para todos. Para aqueles que não deveriam concorrer em 2.ª prioridade e para aqueles que têm de concorrer a um enorme mega quadro de zona pedagógico.

    Agora se quiserem enviesar o que escrevi ou fazerem-se de parvos, aí a culpa já não é do MEC (nem minha).

    ResponderEliminar
  13. Eu creio que seria justo:
    1. Ninguém (QA/QENA/QZP) ficar preso numa colocação durante 4 anos, mas que pudesse concorrer, querendo, todos os anos, com base numa lista de graduação sem prioridades, mas apenas uma seriação de graduação profissional.
    2. Que esses professores do quadro ocupassem todos os lugares que não estivessem ocupados por outros professores do quadro.
    3. Abolir de uma vez por todas esta estupidez de colocações por 4 anos de forma coerciva.
    4. Investir, de uma vez e a sério, num ensino de qualidade, pois se fico a 100km de casa, num local que mal conheço e que nem quero conhecer, quando sei que onde vivo e onde intervenho há um lugar que não posso ocupar, será lícito esperar o meu envolvimento a 100% na escola?
    Fica o tópico de reflexão.

    ResponderEliminar
  14. Parece-me que estamos a falar de "coisas" diferentes. O professor QA/QE concorre na 1.º prioridade nas mesmas condições do QZP (graduação) para colocação em Escola diferente daquela onde estava e que deixou de ter horário para lhe distribuir. O QZP concorre porque ainda não tendo lugar definido em Escola terá que a procurar. Se qualquer um deles não obtiver colocação o MEC terá que lhes pagar ( e há prof QZP com vencimentos superiores a QA) logo estão em pé de igualdade,nem considerando o facto da obrigatoriedade de preferências do QZP ser muito mais penalizadora para estes.
    Segunda prioridade é completamente diferente. O QA tem horário e sai por sua iniciativa. Esta prioridade até está vedada a QZPs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com o que diz o Ricardo !
      O triste é ,mais uma vez,os professores estarem em guerra e sem justificação !

      Eliminar
  15. Não mudo uma vírgula à reflexão do Ricardo! Já debati e rebati bastantes posições irredutíveis neste campo.

    Nuno alg

    ResponderEliminar
  16. Concordo inteiramente a posição do Ricardo.A igualdade de critérios deve aplicar-se a todos os domínios.

    ResponderEliminar
  17. José.
    Eu sou contratado, por isso "isento" no que vou dizer. O problema está em haver professores QZP. Ou seja não deveria haver qzp´s mas sim professores de Qa ou Qe, pois há lugares nas escolas e que o MEC teima em não abrir. E deveria haver concurso todos os anos e seguindo a graduação. Assim estavam todos na mesmas condições. E se desaparece o horário na minha escola? Poderão pensar alguns. Pois bem, terá que concorrer para escolas onde tenham horário. É longe? Pois, é a vida... O que o MEC quer é QZP para tapar buracos, nem que sejam perto de casa de um professor de QA/QE que queria esse lugar. Bom ano letico, pois eu não sei se o vou ter.

    ResponderEliminar
  18. Olá pessoal...
    Li o texto do Ricardo e embora seja uma mera contratada, que nem isso sou (sem colocação pelo segundo ano), esta "luta" fez-me lembrar da questão das reconduções de alguns colegas contratados! Algumas muito injustas...
    Mas pronto, agora é com o peixe "graúdo"...

    Abraço a todos!

    ResponderEliminar
  19. Caros colegas, muitos dos atuais QA's já foram QZP's.
    Como todos sabemos os QZP's, na primeira fase do concurso, são obrigados a concorrer, pelo menos, a todas as escolas/agrupamentos do seu QZP.
    Será que por ter uma graduação superior e ficar efetivo num agrupamento deverá ser ultrapassados por todos os QZP´s na 2ª fase do concurso (independentemente da graduação)?
    Sempre que um QA ocupar um lugar libertará um outro que será ocupado por um docente menos graduado.
    Não se trata de uma "guerra" entre QA's e QZP's. Basta consultar a lista de graduação de um dos grupos disciplinares para se constatar que existem QZP's com melhor graduação do que QA's.
    O argumento de que as regras deveriam der as mesmas para QA's e QZP's não me parece fazer muito sentido... muitos dos atuais QA's já foram QZP's.
    Relativamente aos novos QZP's considero um absurdo a sua dimensão...
    Quando o umbigo de cada um deixar de ser o centro do mundo conseguiremos que a NOSSA classe seja mais forte.
    Resta-me desejar a melhor sorte a todos os colegas contratados que ainda esperam por uma colocação. Bom ano para todos!

    ResponderEliminar
  20. Sou QA e posso dizer que concorri a Agrupamentos da Zona 1, da zona 2, de toda a zona 3 e ainda da zona 4... E nem assim, consegui aproximar-me de casa!

    ResponderEliminar
  21. Agora surgiu-me uma dúvida, sou QZP com 24 anos de serviço. Apanhei lugar num agrupamento o qual tem 2 horários zero e mais outros Qzp.
    Imagina que uma colega de horário zero tem menos graduação que eu, na distribuição de serviço qual vai ser o critério do diretor? Eu ou a colega? Na mobilidade EU- qzp ultrapassava a colega e nesta situação? o que acham?

    ResponderEliminar
  22. Boa noite,
    isso é que é falar de barriga cheia, neste momento ter emprego é um luxo.
    Enquanto nos andarmos a "comer" uns aos autro o Mec vai fazendo o que quer sem respeito pela qualidade do nosso ensino.

    Uma mera "des"contratada.

    ResponderEliminar
  23. Como diz 500...
    "Quando o umbigo de cada um deixar de ser o centro do mundo conseguiremos" TER uma classe.

    ResponderEliminar
  24. O critério de colocação deveria ser o da graduação.
    Alguém se deveria dar ao trabalho de escrever a história dos concursos de professores para todos perceberem como há QEs indignados por serem ultrapassados por colegas de QZP menos graduados. O que já me enjoa é que alguns QEs coloquem a questão apenas no facto de serem ultrapassados como se os QZPs fossem seres inferiores e que os QZPs por sua vez reajam tipo "virgens ofendidas" e argumentem que são horário zero por não terem escola atribuída e daí terem esse direito. Para já essa designação só surgiu no concurso de 2009 e nunca se deveria ter utilizado. Então qual é a lógica de ser aplicada por ex. aos colegas que entraram no concurso extraordinário? Não entraram para uma vaga de quadro que abriu? Como podem concorrer logo de seguida como horário zero? Não faz sentido. Horário zero são neste momento todos aqueles QZPs que não conseguiram colocação em nenhuma escola. Depois quando o colega fala de os QZPs concorrerem a muitas escolas... e os QEs desterrados? A quantas terão concorrido? Esgotaram de certeza todas as que podiam e se os deixassem a mais teriam concorrido... E mesmo assim não entraram. Felizmente não estou nessa situação, mas já passei por ela em 2004 e 2005 e lutei por "melhor graduação=melhor colocação" e a verdade é que conseguimos. Nessa altura ouvimos muitos QZs dizerem que só eramos desterrados porque queriamos, porque tínhamos concorrido a nível nacional, quando o tínhamos feito noutras condições e com outras regras. Nessa altura também muitos QZs resolveram não entrar em QE porque assim estavam mais perto de casa. Agora também lhes saiu o tiro pela culatra com o aumento do tamanho das zonas... Custa-me ver de novo pessoas na casa dos 40 anos terem de largar tudo para irem para o desterro, desde QEs a QZPs!! E para concluir deixo só outra questão que ninguém parece querer ver: quando um quadro de escola consegue destacamento por aproximação à residência liberta uma vaga na sua escola. Essa vaga pode ir até para um QZP que queira lá ficar... Conheço um caso neste concurso, uma colega QE numa escola da terra Y, pediu DAR para a terra X, a sua residência. Mas nessa terra fica colocado um QZP de graduação inferior, só porque concorre a DACL e que é da terra Y!! Se ela tivesse concorrido pela sua graduação estariam os dois onde queriam, mas neste momento só lhes resta a permuta, que ainda não sabem se vão conseguir.
    Portanto para todos e enquanto não se resolve a questão de existirem dois tipos de quadro o melhor critério de colocação é a graduação.

    ResponderEliminar
  25. Não entendo a necessidade de uma possível obrigatoriedade de um QA ter de concorrer a um qualquer número mínimo de escolas. Se já pertence a uma e apenas lhe interessa uma outra, pois poderá concorrer apenas a essa. Sendo que DEVERÁ estar numa lista ordenada por graduação COM TODOS os professores dos quadros (QA e QZP), assumirá as suas opções e mudará de escola, ou não! Não vejo qualquer sentido em obrigar a concorrer a uma zona porque o colega tem já uma escola à qual pertence, o que difere de um colega de quadro de zona, que não pertence a uma escola.

    ResponderEliminar
  26. Ana
    Ola colegas
    Não consigo visualizar o item permutas na minha plataforma.
    Já alguem conseguiu efetuar a permuta via eletronica? Estou preocuoada. Obrigada

    ResponderEliminar
  27. E o que dizer dos QA´s que podem mobilidade para a escola do outro lado da rua?

    Terão noção que ser do quadro não só direitos, aquele existe para dar estabilidade às escolas/alunos?

    Conheço vários professores que pediram mobilidade (e conseguiram) para escolas do mesmo concelho. A legislação permite-o, já o ano passado ocorreu, mandando para fora o professor a contrato que lá estava, que por sua vez foi ocupar o lugar do QA na outra escola.

    Que circo.

    (sim, eu sei que o concurso interno este ano teve poucas vagas).

    ResponderEliminar
  28. Maria Pereira disse...

    Ricardo
    Também concordo em pleno com o que aqui publicou. Os QA/QE se querem concorrer na mesma prioridade devem sujeitar-se às mesmas regras no concurso.

    ERA MUITO BOM QUE ASSIM TIVESSE ACONTECIDO, eu QA estaria a 3 minutos de minha casa e assim estão lá colocados colegas com menos 9 anos de tempo de serviço. Eu continuo longe de casa e até quando?

    Leonor
    Subscrevi inteiramente este comentário desta colega. Perante o que li , informo que sou QA, concorri 2 vezes aproximação à residência, tenho 29 anos de serviço, 17 valores na licenciatura obtida no ensino público, estou a 220Km de casa. Espero e desejo esclarecer algumas das dúvidas de (alguns) colegas. Os QA/QE aparecem no fim da lista na 2 ª (SEGUNDA) prioridade, depois da colocação das vagas de escola dos QZPs. Daí que, não perceba alguns comentários que li. Assim, nunca me aproximei de casa, os colegas menos graduados (como referm são sempre colocados no local de residência), pois nunca fiquei colocada no DAR. Também sou dos docentes que concordo na íntegra que se deva atender graduação para a colocação de todos os colegas. Boa sorte para todos, que o ano corra bem e que os colegas que não foram colocados o sejam. Um abraço

    ResponderEliminar
  29. Sinceramente não percebo...

    1º - Se um colega é QA/QE foi porque concorreu para lá, logo tem que aceitar que aquela é a sua escola ou agrupamento.

    2º - Se tem horário na sua escola ou agrupamento porque raio acha que deve ter a mesma prioridade que um QZP que não tem horário? Lembram-se? Estão na vossa escola/agrupamento e têm horário... de que se queixam?

    3º - Faz todo o sentido que os QA/QE concorram em 2ª prioridade pelo simples facto de terem horário e aquela ser a sua escola/agrupamento.

    4º - A aproximação à residência tem servido, e desculpem-me a franqueza colegas, para muitos "chicos espertos" terem ficado colocados a todo o custo num QA/QE, ou seja, longe da sua residência, e depois poderem mudar para onde lhes apetecia usando a aproximação à residência. ATENÇÃO: haverá colegas que tiveram de mudar de residência depois de estarem no QA/QE mas há muitos outros (os chicos espertos) que deliberadamente concorreram para QA/QE para longe da sua residência para dessa forma ficarem no quadro. Quando se toma uma decisão para se colher frutos é preciso depois saber aceitar as consequências.

    ResponderEliminar
  30. Aos professores QA não lhes é permitido concorrer a QZP, o contrário é possível. Portanto não se entende bem as prioridades do concurso. Quem é QA não pode concorrer em primeira prioridade. Está vedado a estes professores a liberdade de escolherem a sua opção entre ficarem QA ou passarem a QZP , logo é uma forma de discriminação. O que os Srs e Sras do Ministério não sabem é que os professores QA, muitos deles estão longe de casa. Ser QA não é privilégio, como alguns parecem fazer querer.
    Tive sorte de ficar a 40 km de casa, no concurso interno, estava a 250 km, tenho 46 anos e 22 anos de serviço e já agora também tenho família. Compreendo perfeitamente a angustia de muitos professores nesta altura. Também compreendo a alegria dos QZP.

    ResponderEliminar
  31. ACHO MUITO BEM! As pessoas só dão valor quando perdem as coisas, os outros, o sentido. Há 16 anos que sou contratado e tenho efetivos à frente porque me passaram rasteiras. Mudaram de ciclo após um ano letivo.

    ResponderEliminar
  32. Bom dia a todos,
    quero apenas dizer que concordo inteiramente com o Ricardo, MAS deixo no ar outra reflexão: não acham estranho haver tantos colegas a lecionarem "à porta de casa" graças à mobilidade por "doença"?

    ResponderEliminar
  33. Caro DE Master e porque raio os colegas QA/QE poderiam concorrer a QZP? O concurso para quadros de escola/agrupamento não pode servir para o pessoal efectivar a qualquer custo (leia-se para longe de casa) e depois concorrer a seu belo prazer para um local próximo da sua residência que no momento em que concorreram para QA/QE já era longe de casa.

    Eu sei que haverá colegas que tiveram que mudar de residência e que por esse motivo passaram a ficar longe da escola ou agrupamento onde são efectivos mas isso são situações pontuais. A grande maioria das situações são a 1ª situação que referi.

    E sim ser QA/QE é um privilégio que seguramente os colegas QZP gostariam de usufruir.

    Os colegas QA/QE têm as mesma prioridade que os QZP quando estão nas mesmas circunstâncias, ou seja, quando estão sem horário.

    Não é lógico que um professor que sendo QA/QE e tendo horário possa concorrer na mesma prioridade que um QZP sem horário. Por isso as prioridades estão correctas.

    ResponderEliminar
  34. Na minha opinião qualquer QA/QE que não pretendesse continuar no seu lugar, manifestava essa vontade e passava novamente a QZP. O seu lugar ficava em aberto para o concurso. Seguidamente era feito concurso com todos os QZP e seguia-se o critério de graduação.
    Após a colocação de todos os professores dos quadros (QA/QE/QZP), era feito um levantamento das vagas ainda não ocupadas e seria aberto concurso para contratados.

    ResponderEliminar
  35. Bom dia,

    Penso que há um imprecisão no comentário. Os professores qzp, não foram obrigados a concorrer a todas as escolas do seu qzp, bastava que concorressem a 1 só.

    Abc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está muito enganado colega. A todas as escolas do seu qzp e pelo menos a uma escola de outro.

      Eliminar
  36. Bom dia sou docente de QA no entanto concordo com o Ricardo. Os QZP estão com grande desvantagem pois podem ser colocados bem longe de casa.
    Deixem-se de picardias e sejam uma classe unida

    ResponderEliminar
  37. Não percebo a revolta dos colegas QA/E. Se estão efetivos longe de casa é porque concorreram para essa escola, ninguém os obrigou. Em segundo lugar, os QZP não têm culpa da mudança das regras do concurso. E em terceiro lugar, é bom que a sorte calhe a todos e não apenas a alguns.

    ResponderEliminar
  38. A alteração podia ser simples: qualquer QE que quizesse concorrer para a aproximação à residência podia passar a QZP. E aí concorria com a sua graduação à escola que queria, com o "pequeno senão" de ter que concorrer aos QZPs todos...
    Quando se fala em olhar só para o umbigo tem muito a ver com o regime de gestão e recursos: obviamente que o ME prefere ter colocados em zonas do que em escolas. E isso faria sentido.
    Um QE, quando concorre para uma escola, tem de ter a noção que é para lá que tem de ir leccionar. Logo, não será justo queixar-se que aquele que não teve escola lhe pode passar à frente.

    ResponderEliminar
  39. A política do ministério da educação está a funcionar. QA/QE e QZP prestes a "matarem-se", é o que constato.

    ResponderEliminar
  40. Um QA que já foi QZPsetembro 05, 2013 5:40 da tarde

    Caros colegas, como todos sabemos um QZP é OBRIGADO a concorrer a todas as escolas desse quadro. Logo, quando se diz que estão efetivos longe de casa porque concorreram para essa escola e que ninguém os obrigou, não se está a dizer verdade. Compreendo a satisfação dos QZP's que ficaram perto de casa. No entanto, não posso deixar de considerar o concurso injusto. Nas listas existem QA's com maior graduação que QZP's e Qzp's com maior graduação que QA's. A graduação deveria ser o critério a ter em conta nas colocações. Sempre que um QA é transferido de quadro o seu lugar será ocupado por um outro docente dos qudros (QA ou QZP) com menor graduação. Será justo um concurso que no dia em que são conhecidas as colocações sua Excelência o Secretário de Estado informa o país que existem 6500 horários por preencher? Por que não foram estes horários a concurso? Será incompetência ou algo mais? Desejo a melhor sorte aos colegas contratados que esperam ansiosamente por uma colocação.

    ResponderEliminar
  41. Se querem lista graduada e prioridade iguais, independentemente de terem ou não horário, também os QA com horário zero devem concorrer a uma zona e não para um raio de 60 KM.
    Isto porque um QZP é OBRIGADO a concorrer a todas as escolas do seu QZP (independentemente de viver lá ou não) e pelo menos uma escola de outro.
    Assim os horários zero deviam concorrer a toda a zona onde a sua escola está integrada.

    ResponderEliminar
  42. Natália
    Boa noite
    Podem ilucidarme porque não foram publicadas as listas dos DCEs!!!!?????,,,
    Senhores do ME investiguem os DCEs, a sua veracidade. Os atestados não são comprados e com falsas declarações?
    E os projetos???
    Enfim.
    Espero que estas listas sejam publicadas e que se proceda a uma investigação punível.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  43. Boa noite.

    Não sei se as pessoas não querem ver ou dá mais jeito não verem... O problema da graduação não se coloca, pois não seria justo colocar em 1º lugar um QA que apenas quer mudar de escola (tem escola)e deixarem ficar aqueles que não possuem local para trabalhar e estão a ser pagos!! Será que os da 1ºprioridade não estão organizados por graduação??? claro que sim... então onde está a injustiça! Os QA são quadros como os QZP!!! Desde que ambos estejam na mesma prioridade estão por graduação. Concordo com alguns comentários anteriores
    que referem as zonas obrigatórias são bem maiores do que os 60Km, onde está aqui a igualdade????
    Ninia

    ResponderEliminar
  44. Concordo com o HB! subescrevo totalmente!
    ninia

    ResponderEliminar
  45. Inês
    INVESTIGUE-SE O DCEs.
    Porque não saem listas?
    E os PROJETINHOS???

    Boa Noite

    ResponderEliminar
  46. Estas alterações constantes nos concursos são a principal causa da falta de união nos professores. Milhares de nós andam desesperados, vai daí "é cada um por si!" E esta brincadeira do ministério dar um miminho a uns e dar um estalo a outros... Portanto quem levou estalo desta vez foram os QE e QA's... são eles que se manifestam e compreendo. Um abraço solidário aos colegas que foram obrigados, alguns ao fim de mais de 20 anos de serviço, a escolherem entre a sua vocação e a sua família!

    ResponderEliminar
  47. Primeiro verifiquem essa tal mobilidade por doença! Já alguém pensou como existem tantos colegas ou familiares doentes!!!!!!!Mudem-se as regras porque sim há colegas doentes,mas metade deles são chicos espertos para se aproximarem de casa há alguns na minha escola!!!!!! e os projetos? Alguns para que servem? para os chicos espertos se aproximarem de casa .Façam projetos inventem doenças e assim ....chegam a casa mais cedo.

    ResponderEliminar
  48. Plenamente de acordo com todo o texto.

    ResponderEliminar
  49. Ricardo, imagine que tem uma boa graduação e é QZP e imagine que, em 2009, é obrigado a concorrer à sua zona para efectivar, apesar de não o querer. E imagine que se torna mesmo QA a mais de 200 km de casa. E depois imagine-se com um bebé nos braços e que, apesar de bem graduado, é ultrapassado por imensos com graduação bem inferior à sua, em virtude de não terem escola e, como tal, não consegue sair da sua condição de desterrado. Consegue imaginar?
    Pois, eu defendo a lista de graduação e concorro sem quaisquer problemas com os mesmos critérios dos QZPs.
    Desculpe-me a "provocação" de tanta imaginação...

    ResponderEliminar
  50. Há por aí alguém muito " pouco inteligente" quando diz que os QZP podiam concorrer a uma só escola. Mentira , se não colocarem todas as escolas do seu QZP sujeitam-se a ser colocados sem terem feito opções. E, para além do seu QZP teria de colocar OBRIGATORIAMENTE uma outra escola ( aí sim, apenas UMA obrigatória)de outro QZP. Por favor, antes de publicarem comentários, verifiquem as regras concursais, não aticem mais a fogueira.

    ResponderEliminar
  51. Subscrevo na íntegra o comentário de Ricardo Montes.

    ResponderEliminar
  52. Olá a todos. Eu fiquei colocado em QZP no C.E.Extraordinário, ou seja, concorri pela 1ª vez como QZP e fiquei colocado na minha 2ª preferência (a 1Km de casa) num horário de 16 horas.

    Este horário nunca seria para um D.A.Residência por não ser completo, mas se fosse haveria no mínimo uns 50 colegas QA/QE que, tendo concorrido com uma graduação superior à minha, poderiam e quereriam ter ficado no mesmo.

    Eu percebi o que o Ricardo Montes escreveu e, dada a minha situação, senti-me inclinado a concordar com ele.

    Mas considero que um QA/QE nunca poderia ser obrigado a concorrer para escolas que ficam a maior distância da sua sua residência do que a sua escola actual. Isso não seria "aproximação" à residência. É ilógico.

    Acho que os QZP deveria voltar à sua dimensão original, ou até tornar-se mais pequenos, em alguns casos. Não podemos estar sujeitos a colocações a 200 Km de casa quando a restante função pública terá um limite de 60 Km (não sei bem como está esta questão da mobilidade).

    Não concordo com a perspectiva de que se nós estamos mal os outros também têm que estar.

    Até porque os "outros" seremos "nós" daqui a uns anos.

    Bom ano lectivo a todos e boa sorte a todos os professores que ainda esperam pela sua colocação.

    ResponderEliminar
  53. Somos tão elitistas... A graduação deve valer, mas só em concurso interno! E um concurso com todas as vagas apuradas e que permitisse o (re)acesso aos lugares a TODOS os docentes, incluindo os contratados, com base na graduação? Pois, isso é que não dá jeito, há tantos contratados com graduação (bem) mais elevada que os quadros...

    ResponderEliminar
  54. Li alguns comentários e, mais uma vez, confirma-se que muitos docentes estão pouco informados sobre legislação, não sabem nada de ética, respeito e solidariedade para com os da sua classe. Contudo, DEVERIAM ser eles a dar o exemplo. Neste momento somos todos, (QE/QA e QZP), professores contratados por tempo indeterminado e, sendo assim, faz todo o sentido sermos posicionados pela nossa graduação profissional, submetermo-nos a regras concursais idênticas e permitir aos contratados (muitos têm mais de 20 anos de serviço)fazer parte dessa lista.Atitude ILEGAL E INJUSTA da parte do MEC e, não percebo como o Sindicato dos Professores Contratados não dá a conhecer esta situação ao Tribunal Europeu.
    No ano em que surgiram os QZP (1997, leciono desde 1991) entrei para o quadro 17 e nele me mantive até hoje (15 anos). Houve colegas que me passaram à frente, concorreram para professor titular( voluntariamente)e, contrariamente ao esperado, ficaram colocados muito longe da sua área de residência e de lá não conseguem sair. Estes foram enganados pois, repentinamente, desapareceram alguns destacamentos e outros passaram para última posição. MAS, TAMBÉM FUI ENGANADA ( como todos os QZP), pelo facto de terem mudado as regras dos concursos. Antes, nunca ficaria colocada a mais de 120 km, atualmente, ficarei a mais de 300. Não é que o ME decidiu juntar 3 QZP? Isto não é injusto?
    E já que somos tão sensíveis às injustiças, onde já se viu TEMPO ANTES DA PROFISSIONALIZAÇÃO E TEMPO DEPOIS DA PROFISSIONALIZAÇÃO??? Só em Portugal onde tudo é possível devido à estagnação das mentalidades e à não atualização de conhecimentos. Neste aspeto, os docentes são exímios.
    Acrescento que os senhores que nos governam são mais inteligentes do que a classe docente, conseguiram instalar o desentendimento e desrespeito entre docentes e, estes ingénuos, ignorantes, formatados no saber da sua área e nos conhecimentos que possuem, não enxergam para lá do seu umbigo.

    ResponderEliminar
  55. Concordo com a provocação do Ricardo

    ResponderEliminar
  56. Numa profissão em que a graduação conta para tudo não se percebe que seja ignorada num concurso que coloca tantos professores.
    Somos todos professores do quadro, portanto a graduação tem de contar e não colhe o argumento do se é assim, então tem de ser assado...

    Na lista de ordenação do concurso nacional estava na posição trezentos e pouco, no concurso de mobilidade interna, só para terem uma ideia, na posição 2 passei para 4000 e tal. Milhares, milhares de colegas com menos graduação que eu à minha frente. Não me parece certo.
    Como não me parece certo estarem a reconduzir contratados com 8 anos de serviço, por muito bons que sejam, à frente de outros, com 10, 15 e 20 anos.


    ResponderEliminar
  57. Deixem-se de guerras que não levam a nada, a não ser à nossa divisão...

    Estranho, estranho é eu ter sabido de um caso que concorreu por DCE e conseguiu e não dá assistência a ascendentes nem a descendentes que não tem!!!Este é apenas um dos muitos casos que deve haver e, que, pelos vistos, não interessa muito. Para mim, é a apropriação indevida de uma ferramenta do sistema por pessoas que dela não necessitam, e que contribuem para a sua completa banalização...Isto sim é "chico-espertismo" profícuo (tive que usar este adjectivo que TANTO tenho ouvido nas reuniões na escola :-)

    ResponderEliminar
  58. Quando forem as autarquias ou os directores (lá chegaremos) a contratarem directamente os professores, todos estes problemas e injustiças desaparecerão.

    ResponderEliminar
  59. Então se há colegas que não percebem a aberração que é isto das prioridades eu explico a minha situação:
    Eu sou efetiva no agrupamento de escolas n.º 1 de Odemira,graduação profissional 26.175,número 303 na lista graduada colocação de mobilidade interna do grupo 500Matemática concorreu em 1ª prioridade, porque o agrupamento não tinha mínimo 6 horas letivas para lhe atribuir. Foi colocada no agrupamento de escolas de S. Teotónio, tendo ficado deslocada da escola onde é efectiva. Porém, outra prof efetiva na minha escola, vou chmar-lhe X, graduação profissional 26.314 , n.º 873 na lista graduada de colocação concorreu em 2ª prioridade, porque a escola tinha horário para lhe atribuir, logrou aproximar sua residência. Em consequência no agrupamento n.º1 de Odemira foi colocada outra prof, vou chamar-lhe y,de graduação profissional 23.590, n.º 970 na lista graduada que concorreu em 2ª prioridade, vinda do quadro de escola da Amareleja. Conclusão: eu sou efetiva em Odemira e fui "expulsa" da minha escola porque concorri em 1.ª prioridade, e fui ultrapassada por docente do mesmo grupo com menos graduação profissional que concorreu em 2º prioridade.
    É UMA GRANDE INJUSTIÇA.
    e COMO O MEU CASO HÁ MUITOS!!!
    A aplicação dos concursos nestes moldes, com as ditas prioridades já se viu que não funciona, a graduação era suficiente para ordenar candidatos, sejam eles QA ou QZP!!!!
    jÁ FIZ O RECURSO HIERÁRQUICO.
    ESTOU BASTANTE REVOLTADA!!!!

    ResponderEliminar
  60. Esta questão é deveras interessante. Os Quadro de escola querem ter a possibilidade de aproximar como primeira prioridade mas mantendo sempre a hipótese de ficarem com o lugar cativo na escola onde estão colocados não vá o futuro ficar negro e existir o risco de irem para o desemprego. Quem é o elo mais fraco? Os que não têm horário...Os que alargam o âmbito geográfico das suas escolhas para não ficarem em risco de irem para a mobilidade. E se não existirem horários para colocar quem estará pior???

    ResponderEliminar
  61. Olá Ricardo, bom dia!
    Não poderia deixar de reagir à "provocação"...
    1. º - Durante anos a fio fui QZP. Neste período os (na altura) QE passavam à frente. Ponto final. Ninguém se lembrou, nunca, do segundo argumento que utiliza para defender a suposta igualdade...Portanto, estamos em igualdade de circunstâncias.
    2. º - Para ser QA, como o sou agora, concorri sempre a nível nacional...Ora sabemos que um n. º bastante razoável de QZP´S poderia já ser QE ou QA e não o é por opção. Como este critério de ordenação "os protege" acabam por não concorrer a nível nacional e lá vão ficando por perto enquanto os QA e QE continuam, a meu ver injustamente, a ser desterrados...
    3. º Face aos comentários que aqui li - e aqui a resposta já não é diretamente para o Ricardo -, não se trata de estar contra os QZP, de dividir os professores, de promover a desunião. Obviamente que se fosse QZP teria que usufruir de um critério legislativo, que não está nas minhas mãos escolher. Portanto, não é uma questão contra os professores QZP... Entre eles haverá, tal como há nos QE e QA, todo o tipo de profissionais... É contra a legislação dos concursos: se há uma graduação deve ser respeitada...Qual seria o pai que gostaria de ver uma colega do seu filho a entrar em medicina, na mesma faculdade pretendida, um amigo dele com 17,5 e os eu filho não entrar com 18? Revoltante, não?
    São apenas desabafos.. Fui altamente prejudicada com esta graduação e relevo que no meu entender a igualdade de circunstâncias só se consegue (e a justiça) quando for a graduação profissional (sublinhe-se, ela chama-se profissional) a pautar a ordenação dos professores, independentemente de se ser QZP ou QE/QA...Não esqueçamos que muitos QZP o são por mera opção e que a sua situação poderia ser outra....
    A todos, votos de um excelente ano letivo.

    ResponderEliminar
  62. Gostaria de corrigir a frase: Qual seria o pai que gostaria de ver um colega do seu filho a entrar em medicina, na mesma faculdade pretendida, com 17,5 e o seu filho, com 18, não entrar? Revoltante, não?

    ResponderEliminar
  63. Boa tarde

    Em relação a esta questão entre QA e QZP considero que o melhor seria fazerem um levantamento real das vagas das escolas em cada zona pedagógica e colocarem aí os Qzps. Assim deixariam de existir QZPs e eram todos QA em igualdade de circunstâncias. Somente defendo que deveria ser dada prioridade aos QA em Horário Zero, pq esses de facto não têm horário nas suas escolas.

    Boa sorte para todos os colegas e um bom ano letivo.

    ResponderEliminar
  64. Aconselho a Cláudia G a. denunciar o/a docente que conseguiu deferimento na mobilidade por doença indevidamente. Poderá fazê-lo anonimamente. Eu já o fiz(três denúncias). Sigamos o exemplo da Suiça.

    ResponderEliminar
  65. Subscrevo tudo o que o Ricardo escreveu. Para mim não deveriam existir QA, QE, QZPs tudo no mesmo saco, lista graduada, mesmas condições e regras no concurso. Podem crer este clima de revolta não existiria.

    ResponderEliminar
  66. Queria informar a Célia que conheci imensos meninos com médias de 19 e até 20 valores, futuros médicos ( imposição dos pais nossos colegas), sem vocação, sem valores, sem respeito pelo Outro, que não olham a meios para atingir o que pretendem. Em contrapartida, outros, com média de 14 dariam excelentes médicos. O que está mal é justamente esta forma de seriar os alunos.Houve tentativas de seguir o exemplo adotado em países mais evoluidos,em vão.
    Vangloriar-se das excelentes médias adquiridas para explicar que os QE/QA deveriam concorrer numa posição superior daria uma comédia com sucesso garantido. E assim vai o ensino em Portugal

    ResponderEliminar
  67. Olá, Fa!
    Lamento não ter percebido a analogia!
    Falei em medicina como poderia falar de outro curso. O que pretendo criticar é a forma como neste país as coisas acontecem, se processam.... Não me vangloriei de nada...Depois, outra ideia que não percebeu, nunca defendi que os QE /QA deveriam concorrer numa posição superior!!!! Onde é que leu isto...???? O que defendo É DEVEMOS SER ORDENADOS POR GRADUAÇÃO, INDEPENDENTEMENTE DE SERMOS QE /QZP E QA. ACHO LEGÍTIMO E JUSTO QUE UM QZP SEJA COLOCADO À MINHA FRENTE SE TIVER GRADUAÇÃO SUPERIOR :(

    ResponderEliminar
  68. Boa noite
    Vejo aqui muita gente enganada ou que simplesmente não sabe o que está dizer. Eu era QZP na minha área de residência, mas há muitos anos atrás, o ME decidiu dividir o país em 4 zonas e obrigar, repito obrigar os professores a concorrer para efetivar nessa zona gigantesca, muitos conseguiram, foi o meu caso, não por opção mas por obrigação do ME, 300 kms de casa, enquanto que os menos graduados não conseguiram e mantiveram-se em QZP. Por isso, agora tenho que concorrer em 2ª prioridade e os os QZP em 1ª...e deixem-se de tretas, um QZP é um professor sem escola definida, não é um professor sem horário. E digo mais, no meu grupo disciplinar, tendo em conta a lista de graduação só 1 professor QZP da minha área de interesse tem graduação superior!!!
    Falem do que sabem e não inventem!!!

    ResponderEliminar
  69. Depois de ler tudo o que se disse em cima.... sou QA/QE e estou numa escola colocado em que em 4 anos (????)nunca tiveram um horário para mim! Portanto o argumento de ter horário para professores de QE/QA nem sempre é valido, sou prova disso. DAR consegui uma vez e é obrigatório ser fora do concelho em que estou colocado (QA/QE), o que por vezes acaba por ser mais longe mas a necessidade de dar aulas fala mais alto. Este ano voltei a base (sim porque não sei se perceberam, pequena percentagem de ex-DAR foi colocada, e é para acabar de certeza, este termo já nem existe em concurso) e não tenho horário, apesar de terem sido colocados QZP´s no meu agrupamento. Não me queixo disso. São regras, não fui eu nem ninguém aqui que as criou. Se pudesse, se pudesse, voltaria a QZP, porque quando o era ao menos sabia a zona em que seria colocado. Fui colocado em QE é certo... mas apenas no papel e nem sei como, na altura fiquei feliz, mas foi por pouco tempo, longe e "obrigado" a concorrer na altura a DAR! Acabo por ser prejudicado com isso! Agora... não entendo estas zangas QA/QE vs QZP vs Contratados!! Estamos todos no mesmo barco e todos caminhamos para o que aí virá (que não prevejo que seja nada bom). Ahhh... não posso permutar, lógico.. Não tenho horário atribuído. Concordo com o texto do Ricardo sim senhor. E sim, sou a favor de um concurso igual para todos! E não, não tenho médias de 19´s nem vintes!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...