terça-feira, 17 de setembro de 2013

Os privilégios dos professores

Agora que as queixas dos professores se fazem ouvir de forma mais intensa, também surgem de forma recorrente as críticas mais ferozes. Por norma, não respondo nem comento sempre que me dizem que pertenço a uma classe privilegiada e que pouco ou nada trabalha.

No entanto, em silêncio, costumo enumerar para mim próprio os privilégios de que me posso "gabar" e que gostaria de retorquir. Não o faço por educação e por pensar que nesses comentários depreciativos subjaz algum desconhecimento e ignorância.

Cá vai uma pequena lista dos privilégios dos professores (e apenas enumero aquelas que estão relacionadas para aqueles que conseguem efetivamente trabalhar):

a) Privilégio de lidarmos com aproximadamente 30 personalidades diferentes num espaço que não tem condições físicas para os conter;
b) Privilégio de levarmos trabalho para casa todos os dias, ultrapassando claramente as 40 horas de trabalho semanal;
c) Privilégio de sermos maltratado por alunos e encarregados de educação;
d) Privilégio de vermos o nosso veículo automóvel vandalizado por alunos ou encarregados de educação descontentes;
e) Privilégio de termos de preencher documentos e elaborar relatórios redundantes que ninguém lê, que não produzem qualquer efeito, mas que implicam horas e horas de perda de tempo;
f) Privilégio de sermos maltratado pela classe política portuguesa;
g) Privilégio de não podermos planear a vida familiar a curto prazo (e quem tem filhos sabe do que falo);
h) Privilégio de termos uma forte probabilidade de todos os anos conhecer uma localidade nova;
i) Privilégio de termos de gastar uma soma relevante das economias em: transportes de e para a escola, numa segunda habitação e material de escritório;
j) Privilégio de anualmente sermos regulamentados por legislação diferente;
k) Privilégio de apenas podermos passar férias nas épocas altas;
l) Privilégio de sermos julgado em praça pública por quem não conhece aquilo que realmente fazemos;
m) Privilégio de chegar à casa e não ter tempo nem disposição para lidar com a família;
n) Privilégio de sabermos que a nossa opinião não vale de nada e que os nossos esforços costumam ser subvalorizados.

Existem outros... Muitos outros. Mas à medida que os vou enumerando a minha vontade de os ver escritos vai diminuindo.

Privilegiados?! Pois... 

30 comentários:

  1. Subscrevo na íntegra colega...

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo na íntegra.
    Sou daquelas que também me sinto uma grande privilegiada. :(

    ResponderEliminar
  3. De facto somos uns privilegiados :/. Não entendo como não foi tudo para professor usufruir dos nossos privilégios.

    ResponderEliminar
  4. Hoje, entrei na escola às 8.20h e saí às 17.30h; foi jornada contínua, com um lanche a servir de almoço, comido a correr no bar. Além do cansaço e da ausência de pagamento de horas extraordinárias, onde estão os privilégios?!

    ResponderEliminar

  5. PRIVELIGIADOS E MUITO, 6 MESES DE FÉRIAS, ALGUÉM NESTE PAÍS OS TEM? E NÃO VENHAM DESMENTIR BEM SABEM QUE É VERDADE.
    NEM TODOS EXERCEM PORQUE NÃO ESTÃO SENTADOS Á ESPERA DA MAMA, QUEREMOS TRABALHAR E POR ISSO TRABALHAMOS NO FOR NECESSARIO.

    ResponderEliminar
  6. Rafael, informe-se antes de falar... E aprenda a escrever, já agora ;)

    ResponderEliminar
  7. Concordo com tudo o que foi dito mas a bem da verdade temos mais interrupções que qualquer funcionário (Natal, Carnaval, Páscoa e Verão).
    Por outro lado, temos flexibilidade de horário e muitos de nós dispõem de dias livres e de tardes ou manhãs livres que não acontecem com outro tipo de funcionários. portanto, se querem que nos respeitem, temos de ser coerentes e sérios. Nem tudo são espinhos!
    Abraço

    ResponderEliminar

  8. E bons ordenados, 167 já se pode considerar um bom ordenado nos dias de hoje, depois é sempre a subir até ao topo

    Conclusão: somos mesmo uma classe com muitos privilégios e pouco trabalho, muitas férias,e não venham para aqui desmentir, porque nós sabemos que já não enganamos ninguém

    ResponderEliminar
  9. Acho sempre curioso quando falam nesse...dia livre... Quando falam dele, gostava que viessem cá a casa, nas horas em que está tudo com o cu na cama, ou a ver a novela, ou a passear...e eu de volta sempre das lides do dia seguinte, pois gostava de saber qual o professor que chega a casa, ou nesses...hum....tardes livres...está de papo para o ar... é que o trabalho, ao contrário de muita boa gente tem que aparecer feito, é avaliado por 100 e tal miudos, pais, direção etc e tal tds dias!! Já agora, gostava de saber quais desses iluminados levam de facto falta se chegarem 10m depois da hora marcada.Sim...há as interrupções, mas se não as houvesse...os hospícios estavam cheios...de alunos e professores pois o inferno não é depois de morto...tem sido tds dias com a cambada que nos governa e com as atitudes de pais e alunos que em vez de ensinarmos...aturamos! Apareçam cá a horas impróprias depois falamos nos...6 meses (endoideceu) ou nas interrupções tá?

    ResponderEliminar

  10. Olha colega! a Híbrida por exemplo que vem aqui mandar papaias, estava hoje aqui a comentar ás 9,33 estava a trabalhar? pois... é por estas e muitas mais que depois perdemos toda a razão

    ResponderEliminar
  11. Mas para trabalhar .... não há intervalos? LOL...eu estou a preparar as coisas para amanhã, e vou olhando para aqui...ou agora temos alguma faixa nos olhos ou nos dedos que nos impedem de ler o que quer que seja?! Tá boa!Até nos telemóveis ou tablets em 2m se diz ou comenta algo! Papistas chega o Papa! Give me a break!!! Parece tudo doido! Já não chega um ministro?!?!!?

    ResponderEliminar

  12. Intervalos? nas horas de serviço? 9,33 da manhã? mas que sentido responsabilidade essa pessoa tem na escola? pela conversa deves fazer igual! sinceramente serão estes os colegas de hoje? não acredito, a maioria é responsável.

    ResponderEliminar
  13. Isa
    Digam-me lá quem é que depois de vinte e tal anos de serviço fica colocado a 200km de casa, tem que pagar outra casa, tem que estar nas aulas e passados 5 min. tem falta se não estiver lá. Levo trabalho para casa todos os dias e quem paga todas as despesas de transporte, habitação etc.etc. O professor é realmente um escravo!!!!!!

    ResponderEliminar
  14. Bom!! De facto há professores com muitos privilégios, isto é, dar aulas e vir embora... Mas esses são cada vez mais uma minoria. Eu, enquanto professor, trabalho (pelo menos em horas) muito mais k a maioria dos trabalhadores deste País. Disso n tenho qualquer dúvida.

    Quantos às férias.. Sim são algumas mas não somos caso único. Longe disso!!! Por exemplo TODOS os Magistrados têm exatamente as mesmas interrupções que nós... e porquê??? é k nós n temos alunos !!! n temos matéria prima!!! Mas a eles n lhe faltam processos para tratar... E isto é um caso k conheço particularmente bem... Muitos outros existirão só k não são do conhecimento da maioria...

    Resumindo. Existe de tudo em todo o lado. Quem trabalha e quem n faz um boi... Os professores n são excepção...

    N posso deixar de dizer ao "Rafael" para aprender a escrever e, mais urgente k isso, tomar a medicação.

    Abraço
    Pedro_Norte(chat)

    ResponderEliminar
  15. O privilégio de ter descontado anos seguidos para a CGA, de ter cumprido com todas as obrigações fiscais, e de no dia em que fica desempregada ser informada de que como está grávida não terá direito a subsidio de maternidade pois não descontou para a segurança social. Ou seja, se tivesse descontado para a SS não havia qualquer problema, quando o bebé nascesse interrompia o subsidio de desemprego, iniciaria a maternidade e quando esta terminasse podia reiniciar o subsidio de desemprego. Como fui privilegiada e descontei para a CGA não vou ter nada, contrariamente à informação dada pela escola onde estava colocada.

    ResponderEliminar
  16. Marilias deste pais: troco convosco!
    - Quero o índice 167, pois o 151 não me chega;
    - Quero o pouco trabalho que têm, pois cá em casa há trabalho para dar e para vender;

    Anónimos das 7h 29m PM deste pais: também troco!!
    - Na minha "tarde livre" de hoje estive a trabalhar nas planificações;
    - Na minha "tarde livre" de manhã vou corrigir testes diagnósticos;
    - Quanto às interrupções - dado o estado da nação, experimentem viver sem elas. Não sei se o Magalhães de Lemos teria capacidade de resposta

    SÓ tenho 8 turmas e uma direcção de turma - e nem assim chega para horário completo!!

    Troco os meus variados "privilégios" pelas 40 horas na escola.
    Troco o meu "tempo livre" com horário de funcionário publico (como se costuma dizer) - hora para sair, hora para entrar. Faço Tudo na escola (até umas horas extras, não pagas, como qualquer b om funcionário).

    Como parece ser comum em varios sitios a internet, os professores têm 6 meses de ferias.
    Quero já os meus 6 meses de ferias - a quem envio o requerimento?

    ResponderEliminar

  17. BOM! se ao menos todos os Tios patinhas trabalhassem esses 6 meses, mas a maioria nem isso trabalha

    ResponderEliminar
  18. Sou professora, mas não daquelas que têm 6 meses de férias...nunca tive tardes livres, nunca faltei e já lá vão 37 anos...onde estão esses professores? Existem? Talvez...algures, num qualquer sindicato...

    ResponderEliminar
  19. Privilegiada como eu que nem sequer consigo trabalho, nem sequer sei se sou professora... sou mais uma prof desempregada a tempo inteiro ou uma prof que tem trabalhos temporários.

    ResponderEliminar
  20. Com tantos "privilégios", então por sois professores? Por que não sabem fazer mais nada? Quem está mal que se mude... Ninguém aponta-vos uma pistola à cabeça para desempenhar uma profissão tão "priviligiada".

    ResponderEliminar
  21. Isto é claramente uma grande falta de respeito, quer de uma parte quer da outra.
    existem as diversas profissões com as suas vantagens e desvantagens, mas para se fazerem comparações tem que se conhecer os dois lados, ora a maior parte das pessoas que aqui escrevem vê-se que só conhecem o seu lado. Assim não há razão...

    ResponderEliminar
  22. Concordando com tudo o que foi dito, gostaria de acrescentar, apenas, o seguinte. "quem cala consente", ou seja sempre que se ouvir alguém de má fé dizendo que a classe dos professores é privilegiada, o silêncio é a pior resposta que se pode dar. Não se esclarece potenciais dúvidas ou ignorância sobre a profissão e ao mesmo permite-se que mentiras ou calúnias se tornem verdades perante a opinião pública. Se não forem os professores a proteger a sua nobre profissão quem o fará???
    Não ao silêncio...sim à resposta e ao esclarecimento.

    ResponderEliminar
  23. Quando falei das tardes livres ou manhãs não sabia que despertaria tantos comentários. Aliás, como professora que sou, entendo todos os motivos aqui apresentados mas, como de costume, assimilamos muito do mau que os nossos alunos têm e, às vezes, até é confrangedor perceber que certos disparates são proferidos por gente que educa. Então eu vou esclarecer porque percebi que houve colegas que não entenderam. Os professores, como eu, trabalham muito e isso eu não discuto mas, pergunto, será mais fácil corrigir trabalhos e planificar aulas num dia livre sem crianças insuportáveis para aturar ou fazer tudo e ainda ter aulas???? É, desculpem, um privilégio!!! E dias livres existem ou então as escolas por onde tenho andado (muitas!) são honrosas exceções! Cumprimentos

    ResponderEliminar
  24. Mas alguém acha, mesmo, que professor tem esses privilégios?
    Ainda estou a pensar no que li: "seis meses de férias" - como fizeram essas contas? ...

    Houve um@ outr@ colega que concordou, que é uma vida privilegiada...claro que cada qual só pode falar por si!

    No ano em que fiquei colocada ao lado de casa (25km), e embora tivesse no 151, também me senti bem! (mas ainda assim não tive 6 meses de férias!) Já quando estive a 500 km de casa vi-me "grega"...

    Portanto...reitero: cada qual sabe de si...

    ResponderEliminar
  25. Dias "livres" de aulas mas não de reuniões, de preparação de aulas, de estudo e actualização, de correcção de trabalhos e de testes.
    "Férias" obrigatórias em Agosto. Interrupção de aulas ("férias")no Natal e Páscoa que não correspondem aos dias de férias dos alunos. Uma semana no Natal e uma e meia na Páscoa. Sem estas interrupções não se aguentava. Existem em todos os países. Porque será?
    Teresa Cruz

    ResponderEliminar
  26. Continuam os professores demonstrar muita ignorância, Valha-me Deus!

    Quando falei em dias livres, sim, porque eles existem e não são poucos, não me referia a dias em que se está de papo para o ar!!!! mas a dias em que as atividades que fazemos diariamente podem ser feitos sem termos de aturar as criancinhas mal educadas com quem trabalhamos? Certo? Isto é um privilégio! Caros colegas, peço desculpa por insistir mas na nossa profissão, nem tudo são espinhos!

    ResponderEliminar
  27. Por todos o comentários que acabei de ler só posso pensar: que merd... de conversa. Parecem os meninos do PSD ou do CDS "quem trabalha menos" tenham vergonha. Todos representam uma classe que está a ser destruída e estão preocupados com MERD... de miúdos. Sejam dignos e respeitem os colegas que querem trabalhar e não o têm e estão a passar dificuldades. O vosso comportamento enxovalham a classe.

    ResponderEliminar
  28. Para o Carlos

    espero que não seja professor porque, além de não ser muito educado, escreve muito mal! Não ser sua aluna, isso sim, seria um privilégio! E ninguém está interessado em discutir quem é que trabalha mais ou menos mas estamos apenas a trocar ideias que é o que fazem as pessoas civilizadas! Quem enxovalha a classe são pessoas como o Carlos que são autênticos amorfos do bota abaixo! Que tristeza para o ensino!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...