sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Aprovada a nova regulamentação relativa à prova de avaliação de conhecimentos e capacidades para a docência

E não foi necessário esperar muito... Nuno Crato está definitivamente interessado em fazer avançar uma prova, que nesta altura do campeonato, é completamente desnecessária e que se destina a massacrar ainda mais a nossa classe profissional. 

Se querem filtrar... se querem fiscalizar... Façam-no a montante, ou seja, nas instituições de ensino superior. 

Adiante.

Se quiserem aceder ao comunicado do Conselho de Ministros, cliquem aqui.

Para completarem um pouco mais a escassa informação do Conselho de Ministros, aconselho a leitura do artigo do Público, cujo link coloco abaixo:

10 comentários:

  1. Alguns cromos que conheço, irão reprovar nesta prova, de caras...

    ResponderEliminar

  2. AT,

    O Crato, o Grancho e o Casanova vão fazer o Exame?

    ResponderEliminar
  3. ponham na rua esta cambada sem vergonha.
    estamos entregues a invejosos .
    o

    ResponderEliminar
  4. Olá Ricardo o link para o comunicado do Conselho de Ministros não está activo. Eu já o li mas deixo aqui este comentário para que possas colocar. É também uma forma de agradecer mais uma vez todo o teu trabalho. Muito obrigada por tudo *

    ResponderEliminar
  5. Tem graça! Tem mesmo muita graça, vindo de um Ministro que inaugurou a Escola Superior de Desporto de Rio Maior, do Instituto Politécnico de Santarém, que ministra Doutoramentos...

    Não podia, mas passou a poder ministrar Doutoramentos em parceria com Universidades.

    Uma parceria com uma Universidade permite-lhes ministrar o que a lei não lhes faculta, o Doutoramento…

    http://www.oribatejo.pt/esdrm-com-doutoramento-em-ciencias-do-desporto/

    http://www.oribatejo.pt/15-anos-depois-a-escola-de-desporto-de-rio-maior-chegou-a-casa-videos/

    Aliás, se no motor de busca pesquisarem:

    Anexo Técnico nVI –UMa – IPS.tif – GPC – Universidade da Madeira

    Vão encontrar um ficheiro PDF, que encerra um documento que ficará para a história do ensino superior – PÚBLICO - e nessa medida, caso nele tenham interesse, aconselho que façam a sua impressão, enquanto está disponível. Documento este, que nos permite perscrutar o modus operandi seguido para o Doutoramento em Ciências do Desporto, da Escola Superior de Desporto de Rio Maior, do Instituto Politécnico de Santarém, em parceria com a Universidade da Madeira.
    E, com alguma ironia, atentos os “vice-versas” em voga no ensino superior público, concluir até que lhes é muito mais fácil ministrarem Doutoramentos do que Licenciaturas.

    Contudo, esta inauguração quiçá provocou uma crise não noticiada no Governo...

    Atento o despacho, de 13 de Fevereiro de 2013, do Sr. Secretário de Estado do Ensino Superior ao qual, em 28 de Fevereiro de 2013, a Direcção-Geral do Ensino Superior deu cumprimento,

    http://www.dges.mctes.pt/NR/rdonlyres/A5D453D1-2F67-4980-9ED1-D5505CA3B27E/6873/Esclarecimento2.pdf

    Elementar pois, a questão que se suscita:
    - Depois do Sr. Ministro da Educação ter inaugurado, em 24.5.2013, a ESDRM do Instituto Politécnico de Santarém, o Secretário de Estado do Ensino Superior que produziu o aludido despacho tinha condições para continuar a exercer funções...?

    O certo é que, em Julho de 2013, este Sr. Secretário de Estado do Ensino Superior foi substituído.

    PS: Ao Sr. Ministro da Educação falta apenas o que é essencial, a divulgação do conteúdo preciso das autorizações de funcionamento dos Doutoramentos (e dos Mestrados) ministrados no Instituto Politécnico de Santarém…

    ResponderEliminar
  6. Nos Ciclos de Estudos Autorizados, constantes do site da DGES, não só não consta o Doutoramento em Ciências do Desporto da Escola Superior de Desporto de Rio Maior, do Instituto Politécnico de Santarém, em parceria com a Universidade da Madeira - anunciado no site desta Escola, em página actualizada em 30.1.2013 - como também não consta nenhum Doutoramento em parceria com Politécnicos. Apenas constando: - Doutoramentos em parcerias entre Universidades.

    Acresce que o próprio Doutoramento em Ciências de Desporto, de Universidade da Madeira, mencionado no n.º 67 dessa listagem da DGES, porque não acreditado devia ter sido descontinuado…

    ResponderEliminar
  7. Num ensino superior politécnico público que já anunciava doutoramentos, em parcerias com universidades, o panorama da habilitação dos seus docentes é elucidativo, pelo menos, segundo dados divulgados pela Direcção-Geral do Ensino Superior, “Análise de todos os Docentes em 2008 por Categoria”, INDEZ2008, reportados a 31 de Dezembro de 2008, num universo de 8.181 docentes, no ensino superior politécnico, 35 tinham habilitação ignorada e os demais a seguinte habilitação: - 49 décimo segundo ano ou menos; - 30 Curso de Especialização Tecnológica; - 111 Bacharelato; - 2.796 Licenciatura; - 73 Pós-Graduação; - 3.602 Mestrado; - 1.485 Doutoramento.

    Segundo dados da mesma Direcção-Geral, o REBIDES, no ano lectivo 2011/12, no ensino superior politécnico público num universo de 10.284 docentes, 104 têm habilitação não especificada, e os demais a seguinte habilitação: - 66 Bacharelato; - 3. 390 Licenciatura; - 4.255 Mestrado; - 2. 496 Doutoramento.

    Ou seja, mais de 75% dos docentes do ensino superior politécnico público nem sequer são doutorados.

    Acresce que, de 31.12.2008 até ao ano lectivo 2011/12, o n.º de docentes do ensino superior politécnico público aumentou cerca de 26%.

    Não obstante, ser sabido que o n.º de alunos no ensino superior politécnico há muito que tem vindo a decrescer…

    A menor qualificação académica dos docentes do ensino politécnico público - em que mais de 75% dos docentes não são doutorados – mas que auferem remunerações equivalentes às dos docentes universitários, independentemente do grau académico de que sejam titulares, ou mesmo de serem titulares de um grau académico – radica no facto de no ensino superior politécnico público não ser necessário que sejam mais qualificados academicamente para ministrarem a sua oferta educativa de Licenciaturas, Mestrados e Doutoramentos.

    Ainda que alguns Mestrados – e os Doutoramentos – sejam omissos da oferta educativa divulgada no site da Direcção-Geral de Ensino Superior.

    Enfim, é a FOLGOZA.

    ResponderEliminar
  8. Diz a sabedoria popular que “ o Diabo está nos pormenores…”, e eu concordo!

    Três questões a colocar ao Ministro da Educação, Sr. Prof. Nuno Crato.

    1.ª Questão:

    Do INDEZ 2010 há, pelo menos, três versões:

    A) A versão do INDEZ2010 datada de Setembro de 2011 para a qual aliás, expressamente, remete o esclarecimento de 20 de Setembro de 2011 do Reitor da Universidade de Lisboa, Sr. Prof. Sampaio da Nóvoa, sobre os concursos desta Universidade; publicado na News n.º 23; Setembro/Outubro de 2011.

    http://news.fm.ul.pt/Content.aspx?tabid=76&mid=517&cid=1629

    B) A versão do INDEZ 2010 datada de Outubro de 2011.

    http://www.dges.mctes.pt/NR/rdonlyres/896E77DB-6B33-4C44-A42C-72CDB3D71B8F/5817/EstudoINDEZ2010V13.pdf

    C) E a versão do INDEZ 2010 datada de Fevereiro de 2012.

    http://www.dges.mctes.pt/NR/rdonlyres/896E77DB-6B33-4C44-A42C-72CDB3D71B8F/5922/Relat%C3%B3rioINDEZ2010comUnidOrganicas.pdf

    - Assim sendo, porque é que no site da Direcção-Geral do Ensino Superior deixou de constar a versão do INDEZ2010 datada de Setembro 2011, nele apenas constando as versões datadas de Outubro de 2011 e de Fevereiro de 2012 ?

    2.ª Questão:

    - Atento o enquadramento legal vigente, restritivo de contratações no ensino superior público, como explica o Sr. Ministro que, de 31.12.2008 até ao ano lectivo 2011/12, o número de docentes do ensino superior politécnico público tenha aumentado cerca de 26% ?

    3.ª Questão:

    - Como justifica que a Direcção-Geral do Ensino Superior não divulgue nem o INDEZ 2011, nem o INDEZ 2012, que reportam dados referentes ao ensino superior público respectivos aos anos de 2011 e de 2012 ?

    ResponderEliminar
  9. O que é que dirá um professor como eu que já conta com 13 anos de docência como contratado, sempre com avaliações de desempenho Muito Bom... As Escolas Superiores de Educação não têm uma palavra a dizer sobre o assunto? O Diploma que certifica a minha formação numa ESE, já não faz mais sentido.
    Aproveito para dar os parabéns pelo Blog. É muito útil. Bom trabalho.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...