quarta-feira, 10 de julho de 2013

Divulgação ANVPC

"Vitória retumbante, mas … 

É este o sentimento amargo dos Professores Contratados após o resultado obtido pelos sindicatos decorrente das greves às avaliações finais e aos exames nacionais. Utilizando uma terminologia desportiva, faz recordar aquelas partidas em que a nossa equipa realiza um grande jogo, obtém uma grande vitória, mas ocorre algo que ensombra o resultado. Seja pela lesão da “estrela” da nossa equipa, seja pela expulsão do nosso treinador! Os Professores Contratados aderiram massivamente às greves dos Conselhos de Turma de avaliação, conforme pode ser testemunhado por todos aqueles que frequentam diariamente o espaço – Escola. A forte mobilização e a solidariedade que evidenciaram contribuíram decisivamente para o sucesso da luta! 
Contudo, o sentimento é de profunda desilusão, pois dos sindicatos nem uma palavra sobre precariedade docente, vinculação extraordinária ou Professores Contratados. Uma oportunidade perdida! 

Mais uma vez, quando existiam fortes condições para a união dos Professores e para a obtenção de uma vitória retumbante, a miopia estratégica e a falta de capacidade de descentração, originaram que os problemas que se colocam ano após ano aos Professores Contratados tivessem sido ignorados nas negociações, não se tendo obtido qualquer contrapartida da sua adesão às greves. No que se refere aos Professores Contratados os resultados pela sua elevada participação nas greves foi simplesmente zero! Sim, porque a mobilidade e um horário de trabalho sem reduções é o que nos afeta há 10, 15 e mais anos! 

Os Professores Contratados que ainda acreditavam que quando a luta se fazia era em prol de todos, tiveram mais uma vez a prova do contrário! Desenganem-se, pois se não foi aproveitada a forte dinâmica criada por esta greve que poderia ter sido catapultada para uma vitória em todas as frentes, vemo-la como a grande oportunidade perdida. Ficou mais uma vez provado, que dependemos só de nós próprios! 

Pedro Gomes Vieira 
Vice-presidente ANVPC

7 comentários:

  1. pedro vieira,

    tive oportunidade, em e-mail, e explanar esse ponto. acrescento que a ANVPC não soube tirar partido dos dias subsequentes à negociações para continuar a fazer greve às reuniões. que eu saiba, o pré-aviso de greve ia até ao dia 28. bastava uma palavra da ANVPC no sentido de continuar com a greve para os professores contratados, até como uma forma de protesto mediante as razões invocadas pelo pedro vieira, aderirem com força. e assim teríamos, empiricamente, a força dos professores contratados.

    um abraço,

    José ricardo

    ResponderEliminar
  2. José Ricardo, os professores contratados fizeram greve. Na minha escola foram sobretudo eles que inviabilizaram a realização das reuniões de avaliação. O que fez a FNE pelos professores contratados? Soube a pouco....

    ResponderEliminar
  3. A ANVPC é uma associação profissional. Somente as organizações sindicais têm a prerrogativa de convocação de greves. Totalmente de acordo quanto ao papel decisivo que os Professores contratados tiveram no sucesso desta luta. Daí a desilusão pela ausência de contrapartidas quanto aos problemas que os Professores contratados têm defrontado nos últimos 10, 15 e mais anos.
    Ficou evidente que dependemos de nós próprios!! A nossa persistência e tenacidade continuará nas frentes interna e externa. Não desanimaremos, nem abandonaremos a luta por nova vinculação extraordinária!!!!

    ResponderEliminar
  4. Com estas negociações concluiu-se, para quem tinha dúvidas, quem foram os verdadeiros lutadores pela vinculação extraordinária de 2013. Existem 603 Professores contratados que estão felizes por terem visto reparada a precariedade docente que os afligia há mais de uma década!!

    ResponderEliminar
  5. Pedro Vieira,

    obviamente que a ANVPC não pode convocar uma greve. Mas esta já estava convocada (o pré-aviso) até ao dia 28. Ou seja: podíamos reforçar a nossa posição e aproveitamos a boleia do pré-aviso. E as escolas parariam até ao dia 28? Quem é que ainda não entendeu?

    ResponderEliminar
  6. vamos lá ver uma coisa, para ver se no entendemos. a questão que se coloca não é a de haver um novo concurso para uma nova vinculação extraordinária. a questão da vinculação dos professores contratados tem de ser tratada como ela merece ser, que se liga, irrevogavelmente, a uma questão de justiça. não é favor nenhum que nos fazem. é, repito, uma questão de justiça profissional e social, de ética de trabalho, se quiserem. sabem o que vai acontecer? mais tarde ou mais cedo, os professores com x anos de serviço vincularão. o problema reside nos que estão já sair do sistema e que têm muitos anos de serviço. parem, por favor, de tratar a vinculação como se tivessem a fazer um favor. é com o dinheiro que poupam connosco que pagam os ordenados dos do quadro.

    ResponderEliminar
  7. Acho que os professores contratados também foram beneficiados, pois havendo mais horários para os professores do quadro, haverá certamente mais horários para os professores contratados. E se os professores contratados forem diretores de turma também será componente letiva para eles, ou não?

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...