terça-feira, 21 de maio de 2013

"Fundo de maneio para pagar greve"

 (Correio da Manhã, 21-05-2013)

Comentário: E se na questão da greve aos exames nacionais, Nuno Crato poderá resolver o problema intimidando os professores com os serviços mínimos, no caso das reuniões de avaliação, o problema já poderá ser um pouco mais complicado.

Quanto à estratégia da rotatividade da falta ao Conselho de Turma... é uma ideia. No entanto, não acredito que tal aconteça na esmagadora maioria das escolas. É uma estratégia que implica alguma união por parte do corpo docente e uma atitude de contestação que (atualmente) não será de todo vulgar. Aliás, seria necessária uma coordenação de esforços que classificaria como surpreendente numa classe profissional que, por norma, é caracterizada por egoístas.

14 comentários:

  1. Também não acredito na união entre docentes. Já tentei de tudo para que isso acontecesse, mas desisti.
    Neste momento, a única greve que estou disposta a fazer será mesmo a das avaliações.

    ResponderEliminar
  2. Olhem a "lata" deste Crato!! Está surpreendido porque não houve pedido de negociações!!! A fenprof anda sempre a reclamar que tenta marcar reunião com ele e nada!

    Dependendo das medidas que por aí vêm (hoje ouvi falar em 33h letivas, espero que seja só boato), eu ainda acredito na união dos professores.

    Não desistamos!

    ResponderEliminar
  3. São egoístas mas muitos podem perceber que esta é talvez a última oportunidade de travar o(s) governo(s).

    ResponderEliminar
  4. Não o meu setor de ensino, estou disposta a tudo, só tenho pena que não tenha sido antes das últimas medidas tomadas, como o alargamento dos QZP. Estou plenamente de acordo com propostas de greves anunciadas.
    Força pessoal a união faz a força

    ResponderEliminar
  5. Não o meu setor de ensino, estou disposta a tudo, só tenho pena que não tenha sido antes das últimas medidas tomadas, como o alargamento dos QZP. Estou plenamente de acordo com propostas de greves anunciadas.
    Força pessoal a união faz a força

    ResponderEliminar
  6. Não o meu setor de ensino, estou disposta a tudo, só tenho pena que não tenha sido antes das últimas medidas tomadas, como o alargamento dos QZP. Estou plenamente de acordo com propostas de greves anunciadas.
    Força pessoal a união faz a força

    ResponderEliminar
  7. Onde entram os professores do 1º ciclo nesta guerra?

    ResponderEliminar
  8. Na minha escola vão fazer reuniões antes das aulas acabarem. Cheira-me a estratégia do Crato

    ResponderEliminar
  9. Posso dizer que, na minha escola, já ouvi os comentários dos docentes e não vai haver adesão à greve. Dizem que os sindicatos estão a exagerar e que não vai ser nada do que se "anda para aí a dizer". O chocante é que estes professores estão em vias de ficarem com horário zero numa escola que tem tendência para fechar por falta de alunos (vão para os colégios).

    ResponderEliminar


  10. Acho bem que se faça greve aos exames e por vários dias. A greve é um direito dos cidadãos e não vai ser os serviços mínimos que vai impedir de tal. É preciso gritar bem alto e mostrar a nossa revolta, já chega de sermos espezinhados.

    ResponderEliminar
  11. Esta gente ainda não percebeu que, com o chorrilho jurisdicional dos últimos anos, os profs há muito que perderam poder reivindicativo. São meros funcionários...
    No atual quadro juridico, greve com impacto, só aos exames nacionais; as avaliações apenas são adiadas. Quanto aos exames, prevê-se a informação e desinformação sobre a legitimidade legal de fazer greve a esse serviço. A lei atual não define a educação como um setor sujeito a serviços minimos.
    Quanto ao resto, sem uma revolução fisica, mentalizem-se: milhares vão ser despedidos, apenas ficando os necessários (com péssimas condições de trabalho) para assegurar uns serviços minimos de educação nos próximos anos, com provável extinção a longo prazo. Os critérios para escolher quem fica, veremos; para muitos é melhor não se sentarem á sombra da graduação, porque o tiro pode sair pela culatra...

    ResponderEliminar
  12. Na minha escola e em mais 4 muito próximasjá há uma escala de greves às avaliações. Eu já sei a que reuniões vou faltar.

    ResponderEliminar
  13. Marques Mendes,do PSD,disse que a greve dos professores aos exames era uma atitude criminosa,idêntica a médicos a fazer greve às urgências.Que descaramento!Quando é que os funcionários da TAP fizeram greve ? Isso não é criminoso? Quando é que os funcionários da CP fizeram greve? Isso não é crimonoso? Se os médicos fizerem greve, muitas cirurgias serão adiadas meio ano ou mais. Isso não é criminoso? Os alunos não morrem se não efetuarem os seus exames nessa data. Em caso algum serão adiados meio ano. Nós professores, não somos menos nem mais do que os outros funcinários. Eu farei greve aos exames
    e a minha consciência está tranquila. Vamos tolerar esta falta de respeito? Nós somos profissionais não somos sacerdotes. Os nossos alunos que nos perdoem, mas asssiste-nos a razão.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...