sexta-feira, 19 de abril de 2013

Portarias das vagas e dos novos QZP

Utilizem os links abaixo:

Ministérios das Finanças e da Educação e Ciência 
Fixa o número de vagas de cada um dos quadros de agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, a preencher pelo concurso externo e interno, no ano escolar de 2013/2014 

Ministérios das Finanças e da Educação e Ciência 
Procede a extinção dos quadros de zona pedagógica existentes, criando novos quadros

Nota 1: Por aquilo que pude concluir após uma análise muito superficial das vagas, temos um panorama amplamente negativo, ou seja, repleto de vagas negativas.

Nota 2: Para quem é novo nestas coisas, fica ao esclarecimentos das vagas negativas... Quando existe(m) vaga(s) negativa(s), significa que o(s) professor(es) libertou(aram) o(s) horário(s) (por exemplo, porque se reformou(aram)), mas que o(s) mesmo(s) não será(ão) aberto(s) para nova(s) entrada(s) em quadro.

35 comentários:

  1. Isto é tudo uma palhaçada. Na minha escola há 2 professores do quadro do meu grupo - 520 e depois são sempre contratados mais 3 horários (2 completos e um entre as 18 e 20 horas). Aparece atribuída uma vaga negativa. Só podem estar a gozar connosco. Isto multiplicado pelo país dá o que se vê.

    ResponderEliminar
  2. Ricardo, na nota 2, vagas negativas, não são só as reformas, há casos (muitos) que são professores excedentários; conheço alguns.

    ResponderEliminar
  3. Pelo que pude ver, as vagas positivas correspondem àquelas que vão ser ocupadas pelos colegas que entraram na vinculação extraordinária. Parece-me que não há vagas nenhumas para vinculação neste concurso, só se com a mobilidade de docentes abrirem algumas. Digo isto, porque comparei as vagas que existiam no meu grupo, para a VE e os qzp onde haviam e, qual não é o meu espanto: 5 vagas no norte do país e 11 na região de LX e Setúbal. Não é possível tanta coincidência. Parece-me que nos querem enfiar os dedos nos olhos. Comparem nos vossos grupos e digam-me alguma coisa. Para mim parece-me uma farsa.

    ResponderEliminar
  4. as vagas negativas correspondem ao excesso de professores e não aos aposentados

    ResponderEliminar
  5. Rosa
    Duvido que alguém que tenha entrado na vinculação extraordinário fique com alguma dessas vagas.
    Antes deles estão os que já eram QZP e os QA/QE que quiserem mudar de escola e os que quiserem mudar de grupo.

    ResponderEliminar
  6. Relativamente as vagas do concurso extraordinário, é incrivel como diz a Rosa, no meu grupo houve 36 vagas e agora aparecem 37 vagas, é demasiada coincidência.
    E mais existem escolas onde estão neste momento 3 ou mais colegas contratados com renovações sucessivas nestes 4 últimos anos e não abriram vagas. Mesmo que os efectivos estejam destacados é impossível serem tantos. Mesmo os QZPs e DCALs não ocuparam estes lugares nestes últimos anos.
    Deduzo que o MEC não apurou as reais necessidades das escolas, a ver vamos no dia 31 de agosto; há grupos com excesso de professores (por muita pena minha; devido as reformas curriculares e aumento de alunos por turmas) mas noutros isso não sucede ainda! (vai depender dos próximos movimentos dos iluminados em educação)

    ResponderEliminar
  7. Ás vagas negativas nas escolas que ficaram megaagrupamento não são de aposentados nem de escolas que conheço ninguém foi para a reforma.

    ResponderEliminar
  8. Há esperança para mudar de QZP???
    Olá, sou professora do 1º ciclo e vou concorrer a todos os QZP que fiquem acima do QZP de Lisboa, onde estou vinculada. Acham que devo perder a esperança? Estas vagas são para entrar em Quadro de Escola ou já incluem os QZPs? Estas vagas negativas são professores do QE a mais ou também QZPs?
    Obrigada!

    ResponderEliminar
  9. Anónimo das 9:01
    Não há mudanças de QZP há muito tempo.
    Estas vagas são para TODOS (QA,QZP, Contratados)
    Vagas negativas são profs de QA.

    ResponderEliminar
  10. Confirmo a observação da Rosa: grupo 230: 42 vagas na VE extraordinária e agora 46 vagas a concurso!

    ResponderEliminar
  11. Uma vaga negativa pode ser relativa tanto a um QZP como a um QE, certo?

    ResponderEliminar
  12. No novo QZP 3, no grupo 550 entraram 2 colegas na VE. Agora existem 2 Vagas. Tanta coincidência....

    ResponderEliminar
  13. Vagas no grupo 350: Felgueiras, Paços de Ferreira, Azambuja, Cascais, Oeiras e Lisboa) = QZPs das vagas do concurso extraordinário (Tâmega – 2 vagas; Lezíria e Médio Tejo – 1 vaga; Lisboa Ocidental – 2 vagas; e Cidade de Lisboa – 1 vaga).
    Coincidência? Não me parece...

    ResponderEliminar
  14. há mas é professores a mais e de costa ao alto. é pô-los mas é na rua . O vitor e o nuno estão a tratar do assunto..

    ResponderEliminar
  15. No 420 tb foram 13 vagas no concurso extraordinario e agora são 13 vagas positivas.

    ResponderEliminar
  16. ESCLARECIMENTO: nenhum colega que entrou em VE vai "roubar" essas vagas, porque estes concorrem em 4ª prioridade, duvido MUITO que algum apanhe QA....

    ResponderEliminar
  17. Suponho que os lugares de QZP que sejam colocados em QE deixem de existir. Alguém me confirma (ou desmente) isto?

    Obrigado.

    HC

    ResponderEliminar
  18. Vai por aqui alguma confusão.
    Quando as escolas têm professores contratados (ou QZP afectados), em determinado grupo, os directores podem (se assim o entenderem) pedir ao ministério para abrir determinado número de vagas (por regra, uma a menos que o número de professores afectados e/ou contratados, por segurança, pois assim deixam margem de segurança para, caso no(s) ano(s) seguinte(s) o n.º de turmas diminuir, não terem de declarar horários zero). Se, pelo contrário, têm horários zero, ou à perspectiva de os virem a ter nos próximos anos, declaram essas vagas como negativas, ou seja, vagas a fechar (não serão colocados outros professores naquele lugar de quadro) se alguém se aposentar ou mudar para outro quadro de escola. Claro que um director pode ter um raciocínio mais “elaborado” (para não usar expressões feias) e, apesar de ter 3 ou 4 contratados num grupo, pode não pedir a abertura de nenhuma vaga ou, não tendo perspectivas de horário zero, ainda assim, pode declarar vagas negativas (porque sim).
    O número de vagas (positivas ou negativas) é, portanto, da exclusiva responsabilidade dos directores das escolas/agrupamentos, pelo menos, até prova de que alguém no Ministério alterou indevidamente os dados que estes enviaram.

    ResponderEliminar
  19. Apache
    Não foi assim este ano. Mais, é publico a forma como foi feito o apuramento de vagas.

    ResponderEliminar
  20. Dona Claudina,

    Tem um lugarzinho para mim como Homem a dias? É que, nos últimos anos, quem me tem mamado é o estado. Se me poder acabar com isso era ótimo. E, estou certo, pais e alunos agradeceriam não ter os professores a transmitirem conhecimentos, valores, ...

    Com os melhores cumprimentos

    Hugo

    ResponderEliminar
  21. "Dona Claudina":
    Os exemplos que deu devem ser de empregos em Angola...
    Em Portugal, cada vez até dos exemplos que deu, há menos empregos...
    A menos que esteja a falar de voluntariado...
    Para dizer coisas dessas, remeta-se ao silêncio...
    Pare de atirar pedras que podem vir a cair sobre si!

    ResponderEliminar
  22. Bom dia a todos!

    Não sei qual o sentido de realizar um concurso nestes moldes ... com tantas vagas negativas ... anulem este concurso.

    É uma palhaçada este MEC.

    Sou professora contratada há 12 anos ... não vejo futuro nenhum para isto.

    Boa sorte a todos, dentro do possível.

    ResponderEliminar

  23. Sou professor também há 17 anos, e se quero trabalhar e ganhar a vida agarro-me ao que aparece e não estou só há espera da mama do estado

    ResponderEliminar
  24. Sou efectiva numa escola que me disse ter horário zero, há 4 anos. Entretanto, concorri em destacamento para outra onde já estava. Na escola em que estou efectiva e onde não pude ficar, entrou, no mesmo concurso, um colega de QZP com horário completo. Estes concursos sempre foram estranhos! Agora vou tentar efectivar-me ba escola onde tenho estado em destacamento, no lugar de um colega de Braga. Há zero vagas nesta escola. vamos ver...

    ResponderEliminar

  25. Cláudia estás preocupada?

    dou-te um conselho, vens trabalhar cá para fora e sujeitas-te ás condições do setor privado, ai não queres? pois...queres empreguinho certinho e com pouco trabalho,e muitas mordomias, desculpa olha? pensei que querias trabalhar.

    ResponderEliminar
  26. Uma dúvida para quem souber esclarecer:
    O número de professores QZP colocados numa escola tb estão inseridos nas vagas negativas das escolas, que surgem na lista?

    ResponderEliminar
  27. Bom dia, se alguem puder ajudar...Quem esteve em exDAR nos ultimos 4 anos poderá concorrer novamente a mobilidade interna neste concurso para exercer transitoriamente funçoes noutro estabelecimento de ensino? ou no mesmo se houver vaga?
    Obrigada

    ResponderEliminar
  28. Os directores das escolas só tiveram espaço para colocar o número de horários que se extinguiam, não havia lugar para colocar as necessidades logo, isto é uma palhaçada.

    ResponderEliminar
  29. O problema do número de contratos vs número de vagas numa escola já é bem antigo, e bem mais complexo do que é abordado. Há alguns anos estava a lecionar numa escola em que tinhamos também 3 professores contratados no meu grupo. Na abertura de vagas ficamos supresos por aparecer 0. Após consultar listagem de professores descobrimos que esses lugares pertenciam a professores destacados que, como não conseguiram transitar para perto de casa, todos os concursos pediam DAR.
    A ideia de que uma escola poderia abrir mais horários, 2 ou mesmo 3 horários é um mito urbano educativo. Esses horários que surgem a contrato devem ser originalmente de um quadro que pediu destacamento e esta a suprir necessidades residuais noutra escola deixando esse horário para ser suprido em necessidades residuais por outros. Outra situação é a pressão que os diretores sentem quando na manifestação das necessidades. Há alguns anos o respetivo documento orientador que emanou do ministério tinha 10 orientações. No texto das mesmas estava explicito 3 vezes que o aparecimento de um horário 0 em virtude de gestão danosa era responsabilidade do diretor que poderia ter de assegurar o respetivo ordenado. De todas as escolas que tenho contato creio que o critério seguido é de deixar o último horário imcompleto e cuja extensão varia de ano para ano como necessidades residuais. Excepção são aquelas em que esse horário já é atribuído a alguém do quadro (vagas zero) ou aquelas em que já existem professores com horários zero (vagas negativas).

    ResponderEliminar
  30. Na minha escola sou o último do Grupo 520. Abriu uma vaga negativa no meu grupo. Alguém sabe explicar EXATAMENTE o que significa isso? Por exemplo: se eu concorrer para ir para outra escola e não conseguir e continuar no quadro daquela escola o que acontece?

    ResponderEliminar
  31. Situação estranha no meu agrupamento. No meu grupo (510) sou apenas eu no quadro e na lista aparecem duas vagas negativas. O mesmo acontece no grupo 520 onde apenas existe um lugar de quadro. Alguém consegue explicar esta situação?

    ResponderEliminar
  32. Bom dia,

    Desculpem a mh dúvida, mas cm é a 1ª vez q concorro a este concurso enquanto profissionalizada do GR 350 não sei msm cm funciona relativamente às manifestações de preferências. Assim, gostaria de saber se esta 1ª fase da manif. de pref. está apenas relacionada com os concelhos/QZP q preferimos ou se temos de ter já em consideração as vagas lançadas (neste caso 6) e fazer as nossas preferências em função dessas mesmas vagas.

    ResponderEliminar
  33. O que é do meu conhecimento é que são abertas vagas sem terem sido consultadas as escolas. Confrontado o ME a resposta é simples: abriram-se as vagas, estão abertas!...
    E agora quem fica com o menino nos braços?
    O Diretor que não foi ouvido, ou os professores que já estão na escola e vão ficar a horário zero?

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...