sábado, 20 de outubro de 2012

9 anos e 315 dias?

Qual a razão  da opção por 9 anos e 315 dias (3600 dias) e não outro número qualquer igual ou superior a 1095 dias (3 anos) ou 1460 dias (4 anos)?

58 comentários:

  1. Qualquer critério que exclua a lista graduada, independentemente do tempo de serviço, é injusto. Um candidato acabou a universidade com 15 valores e tem 9 anos e um qua acabou com 12 e tem 10 anos passa a frente e na lista graduada está muitos lugares acima!!!!!

    ResponderEliminar
  2. Respondo com uma questão, se me permite, Advogado: qual a razão para fazer um concurso um mês antes do Concurso? Por que razão não se faz apenas o que era suposto ser feito, sem artimanhas, nem malabarismos? Não há aqui alguma esquizofrenia quando primeiro se estabelecem determinadas regras para o concurso e agora se contornam essas regras porque afinal não agradam? (afinal foi mais do que uma questão e teria, claro, mais umas tantas).

    ResponderEliminar
  3. C Pires,
    Já lhe respondi num post anterior.

    ResponderEliminar
  4. Também não percebo porque vai haver um concurso extraorinário um mês antes do concurso ordinário...palhaçada!

    ResponderEliminar
  5. A graduação acabou de levar um tiro...
    Os sindicatos não se podem levar com esta m***a.
    Porque não inserir estas vagas no próximo concurso?
    Estejam muito atentos a algumas colocações! Pois acho o Nuno quer "meter" lá alguém .....

    ResponderEliminar
  6. Alguém me esclareça s.f.f:
    1 - Os 3600 dias têm que ser exclusivamente no e. público?
    2 - O tempo de serviço é até 21 de agosto de 2011 ou 2012?

    Obrigado

    ResponderEliminar
  7. Já vi, NC, obrigada. E percebi a sua quase ironia da questão que coloca neste post. A questão é que seria necessário conseguirmos pensar sempre em termos da virtude/desvirtude das propostas em si mesmas e enquanto classe, para lá dos interesses pessoais de cada um (o que num universo de milhares são muitos). E isso tem-se revelado cada vez mais difícil.

    ResponderEliminar
  8. O tempo de serviço no EPE - ensino português no estrangeiro também conta, certo?

    ResponderEliminar
  9. Respeitam a lista de graduação!!! 5,10,15,20 não interessa o que deve haver é o respeito pela lista de graduação.

    Eu que sou do quadro e quero ir para o Porto não consigo ir porque não há vaga. E se agora houver uma vaga, porque razão é que eu não posso concorrer para ela????

    Novamente, respeitem a lista de graduação!!!!

    ResponderEliminar
  10. Dez anos, no mínimo. Porquê? Para que as poucas vagas que venham a concurso não fiquem (praticamente) todas nas mãos de colegas que há três ou quatro anos saíram do privado à espera de uma oportunidade como esta para dar o golpe.

    ResponderEliminar
  11. Terá que respeitar a lista de graduação.

    ResponderEliminar
  12. Bem, vou olhar para o meu umbigo também ( se calhar já é o tempo disso).
    E porque não ter como critério 15 anos de serviço, dos quais 10 obrigatoriamente no público?

    Não sei a idade do AD mas aposto que sabe que até 95, mais ou menos, a profissionalização só podia ser tirada em serviço e depois pela UA.
    E que houve ali um lapso grande de tempo em que em certos grupos, uma larga maioria de contratados não era profissionalizada (pq não havia muita oferta na altura de cursos via ensino). E que houve uma secura de profissionalização para quem não era do Quadro que durou 10 ou 12 anos. Nem a UA fez a P.emS durante esses 10 anos. Entretanto, alguém se lembrou que o TS antes da profissionalização, que tinha contado na íntegra para os quadros para efeitos de graduação, ia passar a só contar metade.
    E depois, houve de tudo: atestados, DCE por os filhos terem asma, por dores de cabeça e enxaquecas, Destacamentos para quem era casado com funcionários públicos ( quem não era, que fosse), etc.
    Quem se pautou ao longo da vida por jogar limpo e apanhou o limbo dos anos em que era necessário ao sistema com a hab própria mas ao mesmo tempo impedido de se profissionalizar, lixou-se. Acumulou anos de serviço, muitas gente fez a licenciatura completa na via ensino, foi trabalhador estudante, levou com o rombo da metade do TS descontado e já comeu muita broa.
    Portanto, nice nice era serem 15 anos de serviço.



    ResponderEliminar
  13. C Pires,
    " A questão é que seria necessário conseguirmos pensar sempre em termos da virtude/desvirtude das propostas em si mesmas e enquanto classe, para lá dos interesses pessoais de cada um"

    Para isso seriam os 3 ou 4 anos, dependendo a legislação geral que for utilizada.

    ResponderEliminar
  14. Lista graduada é o menos injusto.

    ResponderEliminar
  15. lmc
    Isso seria no concursos ordinário.
    Já agora, neste também vão existir,só que muito mais pequenas.

    ResponderEliminar
  16. sabem muito...
    os sindicatos onde andam?

    ResponderEliminar
  17. Os sindicatos tb andam em crise, pois se os profs estão desempregados é lógico que o pagamento das cotas dos sindicatos vá à vida logo sem cotas eles tb não trabalham. Isto é logica...

    ResponderEliminar
  18. Isto já estava tudo mito bem combinado, porqUê 10 anos????
    Tb deve ser um subcritério manhoso!!!!!!!!!! mas cá estaremos......

    ResponderEliminar
  19. Porquê 10 anos? Porque não 12, já agora? Ou 6? Ou 3? É que se nem os que têm 10 anos têm garantias de vaga, porquê excluir os outros do concurso?Ao menos que haja uma réstea de dignidade nesta palhaçada! Imensos professores que são colocados consecutivamente há longos anos e vão ficar excluídos do concurso… como se irão sentir? No mínimo é uma falta de respeito.

    ResponderEliminar
  20. E que tal a mim faltam-me 2 dias.
    LOL

    ResponderEliminar
  21. Para IMC. O que você não sabe (e até sabe) é que os colegas q são contratados há mais de 15 anos por exemplo,com cerca de 37, 38 anos de idade, quando saíam da Universidade levavam um 13 ou um 14 e já eram os excelentes. A partir de 2002 em diante, as universidades começaram a dar 15, 16, 17, até DEZOITO a torto e a direito (o que mais me impressiona é que os medianos saíam todos com 15; é só ver as listas de graduação). Não pense que todos nós éramos mais burros! Vamos agora vincular colegas com cerca de 30 anos de idade, alguns com mérito claro, mas que têm as notas inflacionadas! É pelo tempo de serviço obviamente, ou seja, ANTIGUIDADE!

    ResponderEliminar
  22. plenamente de acordo com o ângelo

    é por isso que não me questiono por é que o ministério estabeleceu o limite de 3600 dias...
    claro!!!... eles sabem como nós sabemos que há pessoas a serem classificadas com 19 valores no estágio pedagógico... estágio esse que não segue a mesma dinâmica do meu que tínhamos 2 turmas a nosso cargo e ainda havia pessoal com direcção de turma) não tirei 16 de media de curso nem 19 no estagio mas creio que o meu 13 da FCUP fala por si... nota: no meu tempo pessoal com media final de 16 valores tinham que defender nota em prova oral....!!! pessoalmente tanto me faz a graduação como o tempo de serviço mas avaliar pelas classificações que ultimamente têm aparecido nas listas sou totalmente a favor pela antiguidade....

    Paula Isabel

    ResponderEliminar
  23. Porque não 15?
    Eu gramava de
    :)
    Jake

    ResponderEliminar
  24. O SEXO DOS ANJOS.


    E porque não ter como critério 15 anos de serviço, dos quais 10 obrigatoriamente no público?

    Também pode ser, o problema é que quando abrir as "vagas" para calar o pessoal, ENTRAM 1% DOS QUE ESTÃO NESSSA SITUAÇÃO.

    O governo só corta, não querem educação a serio para o pais, pois quanto mais burros mais se controlam. Agora vão cumprir a lei e colocar as pessoas no quadro, mesmo com 20 anos de serviço?Não se iludam.
    A politica iluminati para os paises debaixo do seu jugo é acabar com a educação. Salazar é que se preocupava com a educação porque se preocupava com o pais, isso acabou, agora é outra realidade.



    VOÇÊS TODOS ANDAM EM QUE MUNDO? QUALQUER MEIA DÚZIA DE RETARDADOS VOS ENGANAM. MISÉRIA.

    ResponderEliminar
  25. OS NOVOS ANALFABETOS.

    1- Sabem ler e escrever corretamente.

    2-Percebem várias linguas.

    3-Dificilmente fazem um erro a escrever.

    Mas não se encaixam na realidade:

    Não conseguem resolver os problemas da vida real, para isso contornam-os.

    Aplicam o paradigma cientifico nos seus trabalhos, mas têm medo da realidade e por isso preferem nao ve-la ou controla-la.

    Tiraram doutoramentos, mas sempre controlaram os problemas,
    depois chegam a ministro das finaças e fazem a mesma coisa, contornam os problemas em vez de os enfrentar e resolver.

    ResponderEliminar
  26. 3600 dias? Esse número veio de onde? Saiu no Euromilhões, foi revelado pela Maya ou pela Alexandra Solnado? Ele há cada critério neste país! Imaginem que se tinham lembrado de dizer 3600, mais duas horas e 15 minutos!?? Respeitem a lista e deixem-se de ideias! Para umas coisas a lista serve, para outras já não interessa...

    ResponderEliminar
  27. Concordo totalmente! Porque não 15 anos de serviço no ensino público?
    É que só vejo pessoal a defender tempo de serviço inferior aos 10 anos. Pois, então, os que têm mais de 15 de TE deviam TAMBÉM PUXAR A BRASA À SUA SARDINHA: defender a vinculação APENAS para quem tem mais de 15 anos de serviço no ensino público.
    Ainda não repararam???? Nunca haverá uma proposta que agrade a todos pelo simples facto de que NÃO HÁ LUGARES? Se a proposta for para a frente duvido que haja lugar para mais de 10% dos candidatos. Portanto, 90% VAI CONTINUAR A DEFENDER QUE O CONCURSO É INJUSTO.

    ResponderEliminar
  28. NInguem se entende.


    PORTUGAL SEM FUTURO.

    Casa onde nao ha pao (vagas) todos ralham e ninguem tem razão.

    O problema é da politica dos corruptos, é ai a origem do MAL.

    Enquanto nao combaterem o MAL, ele noa se vai embora.

    Isto é apenas para contornar o problema, calar algumas bocas e alguem que anda lá a chatear os deputados.


    Com 200 dias ou 3.00O dias o problema vai persistir, imensos profesores que em qualquer empresa já teriam entrado para o quadro, ou ter um contrato a termo indeterminado, nas escolas
    continuam À MARGEM DA LEI E DA DIGNIDADE PROFISSIONAL E HUMANA.SÃO HUMILHADOS DIÁRIAMENTE, E NÃO TÊM OS MEUS DIREITOS QUE OS OUTROS, APESAR DE EM ALGUNS CASOS TEREM MAIS TEMPO DE SERVIÇO E DE FAZEREM EXATAMENTE A MESMA COISA.

    São necessidades temporárias, o meu filho perguntou-me se necessidades temporárias era cagar. Eu disso que não é qualquer cosia que os politcos inventam, podiam chamr-lhe professoreS em experiências ou standbyers.

    Ele perguntoui-me , entãom os politicos chama uma coisa qualquer? E eu disse que sim, a maior parte sao corruptos e vigaristas, nao se passa cartão ao qeu dizem, sao maluquinhos. E no fim perguntou, se isso é assim porque é que o povo não faz nada?
    Isso agora não te posso explicar é um pouco complexo e longo.

    ResponderEliminar
  29. O governo PS inventou o All garve.

    Este faz melhor inventou o POORtugal.Que já é motivo de chacota internacional.

    Que merda de pais.A corrupção dá cabo de tudo.

    ResponderEliminar
  30. Para o Imc das 9:07
    Colega todos nós sabemos que existem colegas com classificação de 12 e outros com classsificação de 15 mas que de facto não são comparáveis. Eu em muias circunstâncias, se tivesse que empregar, perferia o de 12. É que a classificação depende do ano em que foi concluida a licenciatura, da escola que a conferiu, etc.etc.

    De facto a com paração das classificações hoje é uma fraude.

    Uma outra coisa que me deixa preplexa é a forma violenta como os professores efetivos estão a atacar os contratados, candidatos a uma possivel vinculação. Os argumentos esgrimidos não colhem. Será que nenhum colega que está no quadro, ao fazer as suas escolhas, não teve em consideração fatores de proximidade de residencia, fatores familiares, como sejam os filhos, muitas vezes com problemas graves, etc, etc. (note-se que eu dou aulas desde 1991, sempre concorri a nivel nacional às vagas publicitadas para quadros de4 escola e nem por isso estou efetiva. Não esquecer que há grupos e grupos!)
    FICA MUITO MAL ESTA ATITUDE DE PROFESSORES DO CONTRATO CONTRA PROFESSOPRES CONTRATADOS!

    ResponderEliminar
  31. Apoiada Maria! Concordo plenamente consigo.

    ResponderEliminar
  32. "A EB 2, 3 Manuel da Maia, em Lisboa, esteve hoje trancada a cadeado e com uma manifestação à porta. Pais e alunos protestam contra a anulação dos contratos de 40 professores.
    A confusão instalou-se esta manhã, com os alunos a envolver-se em confrontos com a polícia. No meio da confusão, algumas crianças e adolescentes ficaram mesmo com ferimentos ligeiros por causa de bastonadas desferidas pela PSP que foi para o local.(...)

    O agrupamento Manuel da Maia é considerado um TEIP (Território Educativo de Intervenção Prioritária), ou seja, está assinalado pelo ministério como ‘problemático’, tendo também por isso maior autonomia em relação ao MEC do que as escolas que não estão dentro desta classificação." in SOL, 19 de outubro de 2012

    Chamo a atenção para a 2ª frase do 1º parágrafo. E agora? Como ficamos?

    ResponderEliminar
  33. Eu tenho, por motivos de força maior, três licenciaturas: a primeira, na universidade de Coimbra, média 11,4, não me deram a possibilidade de fazer o estágio, apesar de ser de um curso via ensino; de o tivesse feito a médisa subiria (como sempre acontece)para os 12,4. A segunda licenciatura é da universidade católica: média final 14 (devido a algumas equivalências de Coimbra, caso contrário podia ser mais alta).
    Terceira licenciatura NO ISCE: média final 16 (TB com eqivalências com nota baixa).

    Tirem as vossas conclusões.

    ResponderEliminar
  34. O MEC, com uma simples proposta, conseguiu colocar os professores em «pé de guerra» e desviar as atenções das enormidades que tem vindo a cometer (vide o desemprego docente, o número de alunos por turma, os horários completamente absurdos atribuídos aos docentes, com horas em cima de horas...)! Agora todos vão esquecer essa problemática, pois interessa a questão da vinculação! Aos sindicatos também, pois desviam a atenção de outras problemáticas... De facto, a questão da vinculação é deveras importante, mas os moldes em que poderá vir a ser realizada pode provocar injustiças!
    Se querem realizar uma vinculação extraordinária (quando o concurso nacional anual se aproxima), argumentando que, desse modo, evitar-se-á as ultrapassagem pelos docentes do privado no próximo concurso nacional, em que estes poderão concorrer na 1ª prioridade, não seria mais lógico que a vinculação extraordinária se estendesse a todos os docentes que ao longo dos anos têm prestado serviço em escolas públicas? Será lógico que docentes mais graduados sejam ultrapassados por docentes menos graduados?
    "Pois, mas tenho 10 ou mais anos de serviço!" Já repararam que este argumento pode ser falacioso, pois há muitos colegas que têm 12 ou 13 anos de contratos mas que, por uma questão ou por outra, azar ou sorte, não têm o tempo de serviço proposto para a vinculação extraordinária? E até já andaram a leccionar por lugares bem distantes da sua zona de conforto? E têm graduação superior a outros candidatos que têm os 3600 dias de serviço?
    Enfim, penso que mais uma vez se procura colocar professores contra professores! O que mais me preocupa, realmente, é a perda de importância da graduação! Bem sei que não é a graduação que faz o bom professor, mas creio que o mecanismo de X anos de serviço também não! Reparem que, nos últimos anos, com as renovações e as ofertas de escola, a graduação, para mim o menos injusto dos critérios, tem vindo a ser colocada de parte!
    Deixo uma última questão: não pretenderá o MEC, ao "obrigar" os professores que vinculem a concorrer a nível nacional, criar a tão famosa «bolsa de professores»? Ao estender a questão da vinculação a todas as escolas na dependência do MEC, como consta da proposta apresentada, não estará a incluir as escolas com contrato de associação?
    Apesar de considerar este processo de vinculação promotor de algumas injustiças, desejo boa sorte a todos os que reunirem os requisitos para o concurso e que obtenham a vinculação!

    ResponderEliminar
  35. Tenham vergonha nos comentários que deixam aqui. Esta malta já se esqueceu que este tipo de obrigatoriedade já existiu e que muita gente já teve que concorrer a nível nacional para efetivar, e mais, quando ficava efetivo tinha que obrigatoriamente ficar pelo menos um ano sem poder aproximar-se à sua residência. Como diz o povo : Querem dado e arregaçado. Tenham a decência de ser coerentes com aquilo que pedem. Afinal agora a ideia de efetivar já não agrada na totalidade. Queriam entrar na carreira docente e perto de casa? Corram e saltam com fiz. Acho muito bem que todos estejam disponíveis para poder efetivar em qualquer lugar do país porque em muitos grupos só não efetivaram mais cedo porque não quiseram ir para muito longe, Não tenho pena nenhuma deles. E com esta proposta até ficam beneficiados dado que no caso de não ficarem colocados no concurso interno podem concorrer na primeira prioridade na mobilidade interna (DACL), ou seja, ficam à frente dos pedidos de destacamento feito pelos colegas já do quadro que querem ficar mais perto de casa e que têm mais graduação. A proposta está muito bem e espero sinceramente que não mude nem uma vírgula.
    Agora cada um faça contas à sua vida. Quer ganhar estabilidade e mais uns euros mas com probabilidades de ficar longe, ou continua perto de casa mas eternamente contratado.Cada cabeça sua setença.

    Read more: http://www.arlindovsky.net/2012/10/uma-outra-proposta-para-a-vinculacao-extraordinaria/#ixzz29xb47mg4

    ResponderEliminar
  36. Está correto. Até deviam ser 4000 dias para ser um número redondo. Há «colegas» nos quadros que nem este tempo de serviço têm...
    A melhor forma e a mais fácil será a de vincular os professores, DESDE JÁ, amanhã por exemplo, nas escolas ou Agrupamentos onde estão a lecionar neste momento, em contrato anual e completo. E que preencham os requisitos pedidos pelo MEC, onde eu me encontro. Quem não quiser, pelos mais variados motivos, sujeitar-se-á ao concurso.
    Eu estou a largas centenas de km de casa e aceito vincular desde já.

    ResponderEliminar
  37. JCN Claro que aceita...lol!Fala de papo cheio.Deve ter sido reconduzido!Viva as injustiças desde que se safe.Vergonhoso!

    ResponderEliminar
  38. :( estou um pouco envergonhada com a atitude dos professores que não dignificam a sua profissão com a atitude constamnte do contra tudo e todos especialmente os seus próprios colegas...

    ResponderEliminar
  39. Uma questão...Como vão graduar o pessoal para essa coisa da vinculação extra? Pelos que têm mais anos de serviço, ou pela cor dos olhos? Sim pois não vão aparecer vagas para todos...
    José

    ResponderEliminar
  40. O critério dos 3600 dias de tempo de serviço é inadmissível!Não são três anos o limite de entrada nos quadros das empresas? Quantos anos temos trabalhado para fazer esses anos?? Esquecem-se dos horários incompletos e das substituições! Não devemos aceitar este critério!

    ResponderEliminar
  41. Continua a discórdia entre docentes...
    O ME aumenta horas, turmas, despede professores, e vai destruindo a carreira e a escola publica, no entanto nas manifestações de professores onde estive só aparecem meia dúzia de gatos pingados... É triste...
    Quanto às efectivações não estejam preocupados que só entram meia dúzia por grupo só para calar...
    No entanto para o ano tenho a certeza que teremos à espera mais horas e mais despedimentos.
    Está na altura de nos unirmos!

    ResponderEliminar
  42. João Carlos: está a falar de barriguinha cheia, foi um dos que teve sorte!!!
    Tenha vergonha homem!!!! Nem todos tiveram sorte como você.

    ResponderEliminar
  43. Tanta inveja é uma vergonha, acreditem que só irão vincular 3 ou 4 professores por grupo. Não vale a pena comerem-se.

    ResponderEliminar
  44. "só irão vincular 3 ou 4 professores por grupo" 3 ou 4 por grupo??? Não!...Há grupos onde não vai vincular ninguém! 300, 320, 330...em que ainda há professores do quadro em horário zero. Que gente tão ignorante! Vinculam 3 ou 4 em alguns grupos e acabou, está feita a vinculação extraordinária! Está cumprida a exigência do tribunal europeu e dos sindicatos! Se vincularem mais é para obrigar a ocupar vagas a nível nacional que neste momento ninguém quer!

    Cumprimentos, Júlia

    ResponderEliminar
  45. Eu acrescento mais, quem vai validar as vagas é o Gasparzinho e todos sabemos que coisas enormes com ele, só mesmo os aumentos de impostos LOL.
    E a notícia dos 40.000 fora da função pública? Estão à espera de milagres? Acham que vai haver lugar para todos. Isto é uma forma diplomática de preparar o 2º maior despedimento entre os professores. Vinculam meia dúzia, obrigam-nos a correr o país de lés a lés, aliás se consultarem no ECD qual a função de um QZP, e estes nem para QZP vão entrar, vai ser mais abrangente a área, ficam mais elucidados.

    ResponderEliminar
  46. 3660 dias? = 360 dias x 10 anos.

    É porque foi escolhido o ano comercial, ou seja, contam-se 30 dias de trabalho por cada mês, e excluem-se os dias feriados e festivos ( não se excluem todos, utiliza-se apenas um valor médio deste tipo de dias).
    Se fosse considerado o ano civil, teria sim os tais 365 dias ( este ano segue todas as datas do calendário).
    O ano comercial (360 dias) está mais ajustado à realidade do trabalho, pois nem nós nem as empresas trabalham todos os dias do ano.
    Por exemplo recebemos sempre no mesmo dia de cada mês, independentemente do mês ter 30 dias, 31 dias ou até 28 ou 29.
    Claro que para estatísticas, contagens, descontos, etc, por uma questão de solução mais simples, utiliza-se o ano civil , porque é mais fácil fazer contas.

    ResponderEliminar
  47. Para quem andou anos a trabalhar a milhares de km de casa e adiou a sua vida pessoal em prol de uma suposta "estabilidade profissional", este "em pé de igualdade" também me incomoda. Tenho muitos amigos contratados e desejo-lhes a melhor sorte, mas quando eu me despedia deles no aeroporto, achava que tinha feito a escolha certa em relação a eles. Eles ficavam com a família, mas continuavam contratados, coitados. Eu era "efetiva" mas a minha vida pessoal continuava a prazo. Agora, ver o meu sacrifício pessoal não ter valido de nada, pois os colegas que concorrerem em "pé de igualdade", passar-me-ão de facto à frente e, mesmo sendo obrigados a concorrer a nível nacional, apanharão sempre as poucas vagas antes de mim, pois sempre trabalharam com horário completo e perto de casa. Sinto-me injustiçado e ridículo por ter posto a minha profissão sempre em primeiro lugar. Acho que deveria haver uma forma de evitar essa injustiça e de não premiar aqueles que nunca quiseram ir para longe de casa. ATENÇÃO, não me refiro aos contratados que sempre tentaram efetivar e que também andaram por este país fora com a casa às costas, conheci muitos. Refiro-me àqueles que poderiam ter efetivado e que não quiseram e que se vêem agora compensados por isso.

    ResponderEliminar
  48. Errata:(correcão ao post anterior) pç dscp

    Não é 3660, mas sim 3600

    3600= 360 x 10

    ResponderEliminar
  49. Tenho duas amigas do grupo de matemática. Uma tem 11 anos de serviço, a outra 18 anos de serviço. A que tem 11 anos de serviço pertence a um quadro de agrupamento a 300 Km da sua residência, neste momento encontra-se colocada em DAR (designação antiga) mais perto da residência; mas para entrar nos quadros teve de concorrer a nível nacional e esteve vários anos num QZP do Alentejo, onde esteve efectivamente a dar aulas, pagando renda de casa, adiando o casamento, ter um filho, ou seja, adiando toda a sua vida pessoal. A minha outra amiga, a que tem 18 anos de serviço, é contratada; mas é-o, porque nunca concorreu para fora da zona de conforto, num máximo até 60 Km da sua residência e tem a vida toda organizada. Agora, porque se decidiu que extraordinariamente haveria um concurso, se ela ocupar uma das vagas extraordinariamente, nos concursos de 2013 vai concorrer na mesma prioridade da que sacrificou toda a sua vida para obter um lugar de quadro e, como tem mais tempo de serviço, vai ultrapassá-la e ocupar uma vaga que provavelmente lhe interessaria, porque a área de residência das duas é a mesma. Pessoal, estou muito confusa, são as duas minhas amigas, tomo o partido de qual delas? Alguém me sabe responder????

    ResponderEliminar
  50. Mas efectivar aonde?
    À quantos anos não há concurso para efectivação?
    Tirando Espanhol e um pouco de Informática há 4 anos atrás, há quantos anos não existem concursos para efectivação próprios desse nome?
    Mesmo que se quisesse concorrer, onde é que estão esses concursos?

    ResponderEliminar
  51. Cada um tem a sua história,e acreditem que muitos de nós se fosse a contar a sua, tínhamos aqui matéria para muitos livros dramáticos.
    É por isso que existem em Portugal felizmente ou infelizmente , centenas de cursos superiores, e uns dão mais emprego ou têm mais saídas que outros.
    Eu por exemplo, se soubesse, tinha ido para a política e neste momento estava safo

    ResponderEliminar
  52. Anónima das 5.06:

    Uma optou pela:
    - segurança
    - efectivação
    - vencimento mais elevado
    - entrada na carreira
    Outra:
    - mais perto de casa
    - manter-se contratada
    - não entrada na carreira
    - vencimento mais baixo

    Conclusão:
    Arriscaram as duas.

    Nenhuma delas ultrapassou a Lei, pois o sistema permite que as pessoas optem. A lei permite que as pessoas escolham diferentes situações para si, e dai colher depois felizmente ou infelizmente os frutos ( como aqui nesta vida e em quase todas as vidas 2+2 não é igual a 4, há que aceitar contrariada ou não as contingências dos momentos em que as coisas acontecem e as alterações a que todos estamos sujeitos em todas as situações da nossa vida).
    Como se costuma dizer: É a Vida.

    ResponderEliminar
  53. Se concorressem a todo o país não estavam agora com esse discurso do "coitadinho que ainda não efectivou e tem tanto tempo de serviço".
    Só para dar um exemplo no concurso nacional, em 2009, no meu grupo os últimos do concurso interno tem de graduação cerca de 18 valores e o primeiro dos contratados tem 34,7 valores. E sabem de uma coisa? Coitadinho esse contratado com graduação de 34,7 não efectivou... Fiquei com tanta pena dele... Mas outros com muito menos tempo de serviço, esses sim conseguiram um lugar em quadro de escola, só que longe. Esses sim tem o meu respeito. Agora os outros...
    Acho que não preciso dizer mais nada.

    ResponderEliminar
  54. DIVIDR PARA REINAR!!!!!
    ACORDEM!!!
    ISTO É UMA FARSA, NÃO HÁ LUGAR PARA NINGUÉM!!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...