segunda-feira, 14 de maio de 2012

O retorno da discussão à volta da Prova de Ingresso

É sabido que Nuno Crato é apologista da Prova de Ingresso na carreira docente. A desconfiança do atual Ministro da Educação em relação à qualidade de formação dos cursos "via ensino" já não é de hoje. 

 Na semana passada foi divulgado pelo Arlindo um documento (aqui) com as respostas que o Ministério da Educação e da Ciência deu às questões dos deputados do PCP (Miguel Tiago e Rita Rato). 

 No documento em causa, são dados alguns esclarecimentos relevantes, que coloco de seguida:




Se bem que algumas das informações que acima podem ser lidas já são conhecidos há algum tempo, importa registar as condições que dispensam os candidatos à realização da referida prova. Assim:

- "(...) estão dispensados da realização da prova de avaliação de competências e conhecimentos os candidatos que, no momento da entrada em vigor deste diploma (24 de junho de 2010), tivessem obtido na avaliação de desempenho menção qualitativa não inferior a Bom";

- "(...) o novo regime possibilitará a dispensa de candidatos que, a partir dessa data, tenham obtido na avaliação de desempenho menção qualitativa igual ou superior a Muito Bom".

Parece-me que a data em causa poderá causar alguns problemas... Se nos lembrarmos que os ciclos de avaliação não terminam nesta data, estaremos a falar - de forma genérica - de uma menção qualitativa obtida durante o ano escolar 2008/2009. Para além disso, todos nós sabemos que obter Muito Bom ou Excelente não é sinónimo de qualidade e empenho profissional...

Continuo a defender que a filtragem deveria ser feita a "montante" e não a "jusante". Se o problema reside na desconfiança relativamente à formação prestada nas instituições de ensino superior, então é exatamente aí que o problema deveria ser resolvido...

21 comentários:

  1. Ou seja quem teve MB ou B em 2008-2009 não fará a Prova.

    O mesmo se passa com aqueles que tiveram B ou MB em 2010.

    ResponderEliminar
  2. Ao ver esta notícia surge-me uma pergunta:
    o que acontece a quem trabalhou em educação especial na região autónoma da Madeira, pois no ano letivo de 2009/2010 os colegas não eram sujeitos a avaliação?

    ResponderEliminar
  3. A data de 24 de junho não faz sentido. Deveria ser, como é óbvio a data de 31 de agosto, ou seja o final do ano letivo.

    Mas justo seria a prova logo à saída, não é agora que se deve implementar a prova. Parvoíces.

    Mais a juntar ao resto.

    ResponderEliminar
  4. Zé augusto
    A data 24 de julho tem uma explicação. O artigo 4º do DL 75/2010 diz que as condições para a dispensa da prova devem estar reunidas à data de entrada em vigor deste DL, que foi o dia 24 de julho de 2010, o dia útil seguinte à da sua publicação, que foi no dia 23 de julho de 2010

    ResponderEliminar
  5. E um colega que tenha estado de baixa médica durante 3 anos e que nunca foi avaliado segundo a ADD? Como se faz?
    Vitor

    ResponderEliminar
  6. Pergunta pertinente (no meu ponto de vista):

    Em que consistirá a prova?

    Quem corrige e/ou avalia a prova?

    É que andamos sempre a ver forma de escaparmos à Prova e eu bem que queria, mas, como andei sempre em trabalhos temporários, não me quiseram avaliar (e na altura eu não percebia disto como vim a perceber) pois não passava mais de seis meses na mesma escola...

    ResponderEliminar
  7. Não percebo, então vamos fazer a prova quando? E quem a faz, todos os que se candidataram ao concurso agora? Estou tão cansado disto... Parece que me estão a fazer um favor por me deixarem trabalhar naquilo em que me formei com tanto sacrificio. Realmente só mesmo por amor á camisola é que ainda não desisti...

    ResponderEliminar
  8. (Afinal eram duas perguntas pertinentes. Deveria ter escrito no plural.)

    ResponderEliminar
  9. Dentro em breve deveremos ter mais informações... O ímpeto reformista de Nuno Crato não parece estar a abrandar.

    ResponderEliminar
  10. Em relação ao esclarecimento sobre a prova de ingresso, as duas situações relatadas, basta preenchermos um dos critérios!?

    Ou temos a avaliação de Bom até 24 de Junho de 2010.

    Ou temos avaliação de MB ou de excelente posteriormente a 24 de Junho de 2010.

    ResponderEliminar
  11. Vergonhoso, andei eu a faze 3 horas de caminho diário para trabalhar em escolas muito longe da minha resindência, para agora, e por um capricho nojento do senhor c(Rato) e pelo facto da escola não me ter passado o documento com a minha avaliação de bom até 24 de junho ( recebi este doc. dias depois), terei que fazer uma prova nojenta que certamente irá alimentar os bolsos de mais alguns loobies! Tive 5 anos de curso com estágio pedagogico e observaçoes permanentes e agora fazem-me isto! METEM NOJO SUA CORJA CORRUPTOS!

    ResponderEliminar
  12. O Sr cRato como professor Universitário deveria ter vergonha de defender esta prova! Coloca em causa todo o sistema do qual ele faz parte integrante! Chego então à conclusão que ele e os restantes professores universitários não prestam para nada, ou seja, apenas se limitem a dar e oferecer canudos...se não fosse assim, não se justificaria a realização desta ultrajante prova. Não Têm vergonha...

    ResponderEliminar
  13. @ Advogado do Diabo

    Eu sei que a data tem uma explicação. Mas não deixa de ser uma data sem nexo.
    A data final do fim desse ano letivo seria o que deveria ser.

    Este tipos não pensam só têm ar dentro daquelas cabeças.

    ResponderEliminar
  14. Sinceramente já nem sei se sou contra ou a favor de uma prova de ingresso ou reingresso. Se calhar até sou, mas para todos, quer para os do quadro, quer para os contratados, enfim para todos os professores. Por vezes sinto-me envergonhado com o que vejo em determinadas salas de aula. Sinto que "estamos" a "roubar" os contribuintes. Alguns de nós acomodaram-se.
    Desculpem lá o desabafo, mas além de professor também sou pai.

    ResponderEliminar
  15. Bravo, mente iluminada, e outros que tais... se a "grandiosidade" da sua pequenês mental e ideológica o preenche fico de todo feliz por si, "Sr." cRato.
    São pessoas assim que fazem a diferença e mobilizam a Nação!
    ....À prova de ingresso, digo sim, sem dúvida alguma, MAS que seja 1º. IMPARCIAL 2º. PARA TODOS SEM EXCEPÇÃO..contratados como eu,
    de quadro e.. claro está, também deverão ser alvo de saneamento, os pseudo discentes que deambulam pelas escolas em cargos de "destaque"
    beneficiários de redução de horário..que tudo fazem por "fugir" a uma sala de aula, desertores no meu entender, que ambicionam tudo menos ser professores!
    Do lavagante ao tubarão, à semelhança de muitos sectores Nacionais, a Higienização deve ser total.. e não apenas de superfície...
    no fundo ideias simples na sua essência, fáceis de ser postas em prática...mas que nunca serão alvo de uma análise isenta de ideologias bacocas,
    que numa coisa apenas tem mérito - Mobilizar mentes pouco esclarecidas até mesmo anestesiadas pelas politicas cujo vigor reside na ostentação de poder e imposição pelo medo.
    Em suma, União é urgente mas deve ser esclarecida e organizada de preferência. A reter também que organização nada tem a ver com ajuntamento como é apanágio de alguns ;P

    Ass: B.C Tuga

    ResponderEliminar
  16. Boas!

    Eu cá acho k essa história da prova ainda vai dar muito k falar (tal como em anos anteriores) e ainda não será para este ano...
    Segundo o publicado neste post eu sou um dos k não faço a prova; no entanto esta é daquelas coisas k menos me preocupa...fazer ou não a dita... venha ela.. no stress... não stressem com uma provazita!!!! somos profs ou não?? estamos seguros do k sabemos ou ke? Julgo k se avizinham problemas bem maiores k essa prova...
    Abraço
    Pedro_norte(chat)

    ResponderEliminar
  17. eu acho que a prova deveria ser só para os contratados...
    envergonha-me o que vejo em certas salas de aula

    alem de professor tb sou pai


    ps- gostaram?

    ResponderEliminar
  18. Há maus profissionais em qualquer profissão. A questão é que muitos dos piores professores já só saem das escolas quando se reformarem. Até lá perpetuarão o seu ciclo de má formação de alunos.
    Da mesma forma, a triagem deveria ser feita nas universidades, elevando médias de cursos de ensino, que até agora têm sido o "ecoponto" onde se jogam as pessoas sem média para mais curso nenhum. Pois é, mas as universidades são os ninhos de muitas pessoas que têm interesses políticos e económicos... Não há vontade de travar entrada nas universidades porque depois deixa de haver financiamento para pagar a certos professores universitários que criam estes sistemas que jogam com a vida dos profs de básico e secundário (ex: Cratos, Alçadas, Lurdinhas e até Ferreira Leites).

    M. Silva

    ResponderEliminar
  19. Desculpem-me os colegas mais novos, mas acho que a haver prova deveria ser logo à saida da universidade. Acho uma parvoice colegas que trabalham hà mais de dez anos ficarem agora fora por causa de uma prova. Sei que hà paises onde os profs fazem prova, mas é logo que saem das universidades. Relativamente à avaliação lol!!!

    ResponderEliminar
  20. Segundo o que entendi, o que tivemos antes de 2010, fosse bom ou mais, não interessa para nada. De acordo com o novo diploma, apenas ficam dispensados da prova os que tiveram muito bom ou mais a partir de 2010. O restante lixa-se. Foi o que entendi do que li. Segundo eles é necessário uma melhor "filtragem"... Cambada de paneleiros é o que são. Deviam era fazer uma prova para esses burros, que não percebem nada do que andam a fazer...

    ResponderEliminar
  21. Olá,

    considero fazer dispensar os professores da prova de ingresso com base na "avaliação" uma injustiça tremenda. Pois, falo do caso em particular de colegas que viram a sua nota ser reduzida de Excelente e/ou Muito Bom para Bom por não existirem "cotas"... O que sucede a esses casos? Não estarão os colegas a ser injustiçados por um defeito no sistema de avaliação? Ninguém vê como essa forma de avaliação é a indicada?

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...