quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Eu, que não sou contratado, agradeço

Este e este trabalho de COLEGAS que, não sendo contratados, estão a ajudar, principalmente, os colegas contratados. São horas de trabalho "perdidas" em benefício de outros.
Por isso mesmo acho muito lamentável que isto e isto tenha de ser escrito.

Será que os contratados merecem todo este trabalho quando nem um simples e pequeno contributo conseguem dar?

24 comentários:

  1. Sou contratado e vocês têm feito um trabalho excelente. Continuem. Muito obrigado.

    ResponderEliminar
  2. O trabalho de análise de informação feito até ao momento tem sido excelente. Espero de futuro, poder de igual forma contribuir para o mesmo. Um bem haja para todos.

    ResponderEliminar
  3. Não considero essas horas de trabalho perdidas, porque eu também tenho um fascínio por números...E já em 2006 que ainda era eu estudante já fazia grelhas com estes dados , quer dos contratados, quer dos qzp! Isto é um vício, como qualquer outro. Descobri o blogue do Arlindo há pouco tempo, mas desde que o descobri, ui, ui, ui! Saber que há alguém como nós, ou ainda pior (no bom sentido), mas com recursos que lhe permite manter o vício de uma forma útil.
    Excelente trabalho o do Arlindo

    ResponderEliminar
  4. Desta vez, o AD está carregadinho de razão.

    Jake

    ResponderEliminar
  5. Penso que todos os contratados só têm de agradecer, foi um trabalho EXCELENTE!
    Temos de uma vez por todas pensar na classe e não no vinculo que cada um possa ter! Luta entre nós não vale de nada!
    Obrigada mais uma vez.

    ResponderEliminar
  6. Ate eu que não gosto do AD (e não o conheço) lhe dou razão. Quando vi o pos't dele claro que logo o interpretei mal, mas depois...até o consigo comprrender apesar de mais uma vez nos dar uma "boquinha".
    Porque terei este sentimento pelo AD?
    Haverá respostas para todos os gostos e mentes...

    ResponderEliminar
  7. Mais uma vez vou fazer algo que não gosto, responder a anónimos.
    Se alguma vez me conhecer vai ver que vais gostar de mim. Sabe qual é o meu "problema". Eu sou dos que gostam de meter o dedo na ferida, e como gosto de aquecer o ambiente, além do dedo meto alcool. E quando o ambiente está mito "frio" atiro com os fósforos!!! XD

    ResponderEliminar
  8. Para Advogado do Diabo:
    Eu sei disso Advogado, e lá no fundo até já me estou habituar à tua presença activa! Até desconfio que deva ser boa pessoa, este sentimento será apenas na fase de transição da pacatez do Ricardo para esse "menino de ideias rebeldes" que nos quer fazer passar.
    Abraço do anónimo anterior.
    Miguel

    ResponderEliminar
  9. O trabalho realizado pelos colegas têm sido louvável.
    Como contratada considero uma grande ajuda e ponto de situação.
    Agradeço a todos que o fazem e contribuem para que seja realizado.
    MUITO OBRIGADA!

    ResponderEliminar
  10. Sem dúvida um trabalho, no mínimo, louvável.

    ResponderEliminar
  11. É verdade, tens razão desta vez... aliás, tens muitas vezes razão, quando falas da falta de esclarecimentos, de perguntas que denotam ignorância, ignorância que é nociva para quem não sabe dos direitos e deveres que tem. É grave, e com isso concordo em absoluto. Contudo, a questão é a de que talvez peques pela forma como te diriges aos contratados, a nós, e raramente tenhas essa postura com os colegas que já são do quadro e que literalmente se "borrifam" para o que os do quadro mais ativos fazem. É que, infelizmente, padecem da falta de esclarecimentos que é o tal mal de muitos contratados. Talvez seja preciso ter isso também em conta. É muito fácil rotular e atacar os que já naturalmente são o "elo mais fraco". O cuidado é redobrado quando se tratam de colegas efetivos. Em ambas as categorias e em todas as profissões há os que se deixam levar pelo que realmente fazem alguma coisa. Voltando aos trabalhos desenvolvidos são trabalhos de louvar e eu, mesmo não usufruindo desse trabalho, dado estar colocado desde a primeira bolsa, sou grato por ainda haver colegas altruístas e dedicados aos outros. Quanto a ti, diabo, um pouco de simpatia e tolerância para contrabalançar com o "dedo na ferida" seria positivo. É que tens todo o tipo de pessoas a lerem os teus comentários, provavelmente muitos que já chegaram ao fundo do poço sem quaisquer apoios e esperança e que no fim do dia ao virem à internet, sintam alguns dos teus comentários como uma machadada a mais, que em determinados momentos pode ser um pequeno empurrão para o desespero total.

    ResponderEliminar
  12. Mais um blogue onde só gostam dos que dizem Ámen...
    Mais um que estou prestes a deixar de ler...
    A pergunta que faz deve ser retórica...
    Mesmo assim...
    Para si, pelos vistos, o trabalho do Arlindo não vale a pena...
    É a sua ideia, enfim...
    Já agora, não precisa de responder a este anónimo porque posts da sua autoria vou deixar de ler.

    ResponderEliminar
  13. Para o ultimo anónimo
    Se calhar antes de deixar de ler o que escrevo deve começar a LER o que escrevo.
    Por acaso sabe o que significa o "agradeço" que coloquei no título do texto?

    ResponderEliminar
  14. Concordo com o Estou de greve.
    Agradeço ao Arlindo e ao Ricardo pelo trabalho que têm feito relativamente aos contratados e pelo respeito que por eles demonstram.
    Não percebi a necessidade deste post. Aliás, não entendo o interesse do AD pelos contratados e pelos blogs que se preocupam com os contratados. Aparece quase sempre para os criticar, pelo que sabem e não sabem, pelo que fazem e não fazem, e até pela sua própria situação/condição. Nunca o vejo a apontar o dedo a efectivos ignorantes e incompetentes como o faz com os contratados.
    Desculpe, Ricardo mas tinha que desabafar.

    ResponderEliminar
  15. Oh Advogado se só gostas de meter o dedo assim não dá ihihihih. Ou metes tudo, ou não metes nada!
    Este será eliminado e com justa causa eheheheh

    ResponderEliminar
  16. Lamentável é a forma como escreve...

    ResponderEliminar
  17. "Eu, que não sou contratado, agradeço..."
    E logo a seguir começa a pôr em dúvida se os contratados merecem que se perca tempo com eles...
    Por acaso, leu o que escreveu?
    Também é assim com os alunos? Ou é só com os contratados, essa espécie menor de professores, em seu entender?

    ResponderEliminar
  18. Para Estou de Greve
    Se critico principalmente os contratados é porque são estes que participam em maior número nos locais que frequento e participo (neste blog e no fórum do educare). Mas também já critiquei colegas "efectivos", incluindo o meu amigo e proprietário deste blog, o Ricardo.
    Mas sabe qual é a razão de tanto criticar os contratados?
    Porque aquilo que critico enfraquece ainda mais esse "elo mais fraco". Porque passam a vida a criticar tudo, menos os próprios actos, esperam que sejam outros a resolver os seus próprios problemas, alguns deles causados por si próprios. Porque mais ninguém é capaz de apontar esses problemas, problemas esses que são negados ou desculpabilizados.
    É verdade que são vítimas de muito, mas muitas vezes são vítimas dos próprios atos.
    Estão sempre a falar nos vossos direitos (direitos esses que muitas vezes desconhecem, não querem conhecer ou, pior, teimam em negar), mas esquecem-se que os direitos não são apenas vossos e que além dos direitos existem deveres!
    Não é por acaso que muitas vezes digo para aplicarem aquilo que ensinam aos vossos alunos.

    Para concluir, e voltando ao texto original, é lamentável que dois colegas que usam horas do seu tempo em trabalhos de que pouca ou nenhuma utilidade para os próprios, mas de imensa utilidade para outros, tenham de implorar pela ajuda dos beneficiados para concluir esse trabalho. Este é um exemplo de como podem ser vítimas, mas não são "virgens inocentes"". E enquanto deparar com este tipo de situações vou denuncia-las. Podem não gostar de ler o que escrevo

    ResponderEliminar
  19. Advogado, inocente não é ninguém. Ou considera-se inocente? Viva e aprenda com os seus próprios erros, as suas próprias hesitações e a sua própria falta de coragem para determinadas coisas, antes de apontar os dedos aos outros. Se me disser que não tem nada do que escrevi, pergunto-lhe: o que faz quando depende de aulas assistidas para mudar de escalão, ainda que não concorde com a ADD como ela estava e/ou está? Dir-me-á, obviamente, que as solicita porque não "há outra alternativa". Claro que há, não sobe de escalão e está o caso contado, e vive com a tal determinação cuja falta critica nos outros. O que faz quando ou se lhe impingirem mais horas do que é legal ter, com o aperto de orçamentos e afins? Nega-as, reclama, ou baixa as orelhas, sabendo que na realidade não há nada a fazer? Claro que as aceita, porque heróis, só os das bandas desenhadas. Já o vi a escrever, com algum afinco, que os contratados têm os dias contados, dados os cortes de milhões que se preveem. Por vezes dir-se-ia que tem algum gozo em "alertar" de forma a jogar por terra a disposição dos outros. É bom ter em consideração, e já que gosta de alertas, que os efetivos não têm, na realidade, nada de efetivo. A conversa sobre as rescisões amigáveis na função pública já começou... Ou acha que isso não implica os professores e apenas os outros funcionários públicos? Não se sinta demasiado seguro e não continue a olhar de cima quem pode encontrar quando estiver a descer. Fazer-se de mentor de um grande conhecimento de leis e de uma grande sabedoria não vale de nada quando na sua base está mais o desejo de humilhar do que propriamente ajudar. Sobre os efeitos colaterais que os seus comentários poderão e terão sobre colegas mais vulneráveis, nem uma palavra sua. Seria manchar a personagem online de alguma sensibilidade? Como alguém inteligente que parece ser, sabe que não somos na internet algo solto e isolado do que seremos lá fora. Lá fora pode é faltar-lhe a coragem para ser a personagem antipática e irrascível que é aqui, porque ninguém, por muito tolerante e compreensivo que fosse, o estaria para aturar. E outra coisa, pare de falar dos contratados como se fossem um rebanho massificante de irresponsáveis insconscientes. Há muitos deles que seriam senhores e senhoras para lhe dar grandes lições de vida, de conduta e de saber lidar com o próximo. O espicaçar de mentes. Pôr o dedo na ferida também exige a sua dose de escrúpulos e autocrítica, coisa que lhe falta por completo. Portanto, denuncie o que considerar abusivo e incorreto, tal como lhe escrevi em cima, tem razão, muitas vezes, no conteúdo. Não o tem quanto à forma. Depois desta conversa toda, não sou nada a favor do jogo "contratados vs efetivos". Divide e enfraquece o que deveria ser unido e forte. Mas vejo que ainda há quem goste de acentuar uma diferença que só existe nos ordenados e na suposta "segurança". Acredite que daqui a uns anos essa diferença já não existirá de todo.

    ResponderEliminar
  20. E tem graça, no seu texto muito detalhado nem uma palavra de agradecimento aos colegas contratados que têm colaborado com as pessoas em questão. Está aí bem patente a arrogância e a alergia aos contratados (irónico quando há apenas uma década atrás você o era, e muito ignorantezinho também, por sinal, se bem se lembra).

    ResponderEliminar
  21. E tem graça, no seu texto muito detalhado nem uma palavra de agradecimento aos colegas contratados que têm colaborado com as pessoas em questão. Está aí bem patente a arrogância e a alergia aos contratados (irónico quando há apenas uma década atrás você o era, e muito ignorantezinho também, por sinal, se bem se lembra).

    ResponderEliminar
  22. Concordo em pleno com o anterior comentador.

    ResponderEliminar
  23. Muito bem dito, Estive de Greve...
    A escola está como está, não por causa dos contratados mas sim, por causa dos falsos moralistas que acataram tudo ao longo destes anos (a alguns até deu jeito...) e na escola são os mais cumpridores das medidas absurdas que têm sido emanadas das equipas ministeriais que pela 5 de Outubro têm passado...
    E farto desta conversinha da treta sobre os defeitos dos contratados estou eu...
    Farto de analistas do dia seguinte também e na blogosfera da educação é o que mais há...
    Gente que abunda no nosso país mas que por ele nada faz de útil...
    E já agora, meter o dedo na ferida não ajuda a cicatrizar, pelo contrário, infecta...

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...