segunda-feira, 8 de março de 2010

Procurar soluções...

PSP já tem «pistas» sobre o que aconteceu a menino desaparecido.

Comentário: É importante que se apurem as causas, mas mais importante ainda é que o debate nacional em volta deste caso (e de outros) de bullying produza consequências. E consequências não só na lei, mas também na sua aplicabilidade, pois por melhor que seja a lei se não existirem recursos para que ela seja cumprida dará tudo no mesmo "vazio". A propósito deste tema, quantas serão as escolas que não possuem em número suficiente auxiliares da acção educativa (actuais assistentes operacionais) para assegurar o cumprimento do regulamento interno? Eu sei que em algumas existe laxismo de quem se encontra à frente da direcção, mas receio bem que esteja na altura de ponderar os recursos humanos que temos para enfrentar situações graves como a que ocorreu em Mirandela.

Apenas um aparte (ou não, depende de como o quiserem considerar): Quando eu era catraio, sempre que ocorria alguma situação de violência física entre alunos, na maioria das vezes os mais velhos (ou outros da mesma idade) tentavam separar os conflituosos. Actualmente, o que acontece é algo de substancialmente diferente, ou seja, ninguém intervém no sentido de separar e até chegamos ao extremo de termos alguém a filmar para colocar no Youtube... Já repararam nisso ou sou só eu aperceber-me desta situação?

13 comentários:

  1. O que eu sei é que o Director da Escola merecia um processo disciplinar e uma suspensão do cargo enquanto não se apura a sua responsabilidade para, eventual, procedimento criminal, tal como à(aos) alunos envolvidos neste caso!

    ResponderEliminar
  2. Se for do partido nada acontecerá. O mais incrível é que ninguém da Escola entrou ainda em contacto com a família. Isto roça a selvajaria.

    ResponderEliminar
  3. Sou de opinião que a Direcção da Escola deve-se demitir. Há aqui uma responsabilidade social que deve assumir. A culpa não deve morrer solteira.
    Mas todos nós sabemos no que este caso vai dar: nada, para variar.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  4. Oxalá os elementos do Conselho Geral, que tem competência para tal, deliberem a convocação de novo acto eleitoral pois esse "sindicalista" tem provado que não dá conta do recado! Não chega a mancha de uma morte no seu curriculum? Se não for sujeito À justiça dos homens a sua consciência puni-lo-à!!! Severamente!

    ResponderEliminar
  5. quem está fora é sempre desenvolto de língua.
    lamento muito, que o desgraçado do professor ou do porteiro sejam os maus na tragédia.
    lamento tudo isto;as vitímas conhecem-se,o sofrimento está presente e os pais ficaram sem o seu menino.
    que novos LEANDROS,não venham a aparecer,deve ser a nossa luta.

    ResponderEliminar
  6. Que raio de sociedade esta em que os "valores" são ditados pelo mediatismo!
    Se houvesse mesmo valores, que não o sucesso escolar (de positivas!), da educação e não só do ensino (como alguns brilhantes pedagogos defendem), isto talvez não fosse o desenrasque-se quem puder!
    Isto é a escola sem valores na plenitude, do posto de trabalho para uns quantos e do crescer "educado" pela lei do mais forte, vulgo lei da selva, para muitos outros! É vergonhosa esta escola sem cultura social, sem valores, sem princípios mas, mais envergonhado talvez esteja o bando de acéfalos que para ela contribui!
    Mas podem estar descansados que não é pela persistência e pelo cansaço que se vencem alguns pais, educadores, alunos e sobretudo professores!
    A profissão de professor é das poucas, senão a única, em que se encontram seres humanos que com ela cresceram e com ela fazem crescer!
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  7. "mais envergonhado talvez esteja o bando de acéfalos que para ela contribui!"

    FD, era bom que assim fosse. No entanto, desconfio que essas alminhas irão continuar na sua vidinha, assobiando para o ar, como se nada fosse!

    Esta é a escola inclusiva em que temos de (sobre)viver...

    Tristes dias se vivem na educação em Portugal...

    ResponderEliminar
  8. FD e Hzolio
    Sabem qual é o "problema" do que dizem?
    Fica-se com a ideia que o "bulling" é uma coisa muito recente. Que a culpa é toda da crise de valores e da escola inclusiva. Isso não é verdade. Eu diria que é algo que é tão antigo como a espécie humana. Ou mais antigo até.

    O Ricardo espera que este debate produza consequências. Pois eu penso que não vai produzir. Tal como não produziram todas as discussões feitas em torno de casos mediáticos e/ou em modas. Exactamente por serem feitas em torno de casos mediáticos e/ou modas. Porque quando deixam de ser mediáticos e/ou modas são rapidamente esquecidos.
    Mais, tenho receio que muito do pouco que é feito seja prejudicado. Receio principalmente pelo que é feito de forma discreta, muitas vezes por ser feito de forma discreto passa despercebido, dando a ideia de que nada é feito.

    ResponderEliminar
  9. Ricardo
    Sabes porque receio que este debate não vá produzir efeitos?
    Porque o centro do debate tem sido o que se passa na escola e o que e escola pode fazer. Mas já reparaste que, por exemplo, na noticia que indicas, nas queixas de agressões, as agressões ocorreram TODAS fora da escola. Muitas das soluções "milagrosas" que tenho visto ignoram este facto. Seria um pouco complicado expulsar um aluno por este agredir alguém fora da escola

    ResponderEliminar
  10. Advogado,
    Sobre o "bulling" não me "ouviste falar" sequer uma palavra! Eu "falei" da sociedade “per si” e da escola, enquanto pilar educativo dessa mesma sociedade.
    Quanto ao "bulling" não “falei” precisamente para não entrar na "onda" do mediatismo gratuito!
    Mas posso "dizer-te" que não discordo com o que dizes, reforçando a concordância com o facto de não me esquecer do tempo em que fui e sou aluno. Entendo mesmo que esta história do "bulling" desde que foi baptizada, sim, porque ela sempre existiu, só veio engrandecer quem o pratica, na sua elevada baixeza e veio também ser mais prático e "chique" para quem dele fala sem dar nenhum contributo para o resolver!
    Mas isto é uma longa questão social, à qual eu agrego a violência doméstica e tudo o que seja pautado pela "lei da selva" e até corro o risco de estar, eventualmente, a insultar algumas espécies animais!
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  11. A mim revolta-me profundamente o sucedido com aquela criança, e também me revolta o facto de se estarem a atribuir as culpas aos profs e funcionários da escola (daquela ou de qualquer outra). A questão correcta será: O que poderiam eles ter feito? Sim , o que podem os profs fazer desde que lhes ataram completamente as mãos atrás das costas? Não podemos esquecer que os agressores são tão crianças como os agredidos, e vá lá algum prof ou funcionário tomar alguma medida para os punir!... Caía-lhes logo os pais dos ditos meninos em cima porque estavam a violentar o seu filhinho! Se os castigassem, passavam logo eles a ser as vítimas. Esses senhores que agora atribuem toda a responsabilidade desta tragédia aos adultos que trabalham na escola, serão talvez os mesmos que vão logo fazer queixa do prof ou do funcionário que toma alguma atitude para impôr ordem nas escolas. É que todos acham que os seus filhos são vítimas, mas não acham que os seus meninos também podem ser agressores, e aí já não admitem que ninguém faça nada para os disciplinar.
    A violência dos mais fortes sobre os mais fracos sempre existiu, não se inventou agora, a diferença é que há anos atrás, o prof dava-lhes um estalo, um abanão, e eles já pensavam melhor antes de agredir um colega para a próxima. Agora eles já sabem que ninguém lhes pode fazer nada, senão o seu paizinho vai fazer queixa e quem tem problemas é o prof ou o funcionário, por issso têm as costas bem quentes e continuam a agredir alegremente os colegas.
    Não continuem a perguntar "Porque não fazem nada para evitar estas agressões?, perguntem antes " O que podem eles fazer com as mãos atadas como têm?" .Essa é que é a questão...

    ResponderEliminar
  12. Ainda não há muito tempo um docente de Mirandela lançou-se igualmente ao rio onde encontrou a morte. Certamente por motivos diferentes. Mas não foi notícia. Poderia ter sido. "Profissão leva docente ao limite etc e tal..."

    Bom, a perda do Leandro é uma tragédia. Importa apurar factos e evitar a todo o custo situações como esta. Mas julgar e condenar de ànimo leve a escola e o órgão de administração e gestão parece-me fanatismo.

    A escola deixou de ser factor de mudança social. Os recreios são selvas. Os recursos são escassos. Dir-me-ão que sendo escassos importa geri-los da melhor forma. Concordo.

    A escola reflecte aquilo que é sociedade, a ausência de bons exemplos a seguir, a falta de ética e o apagar da linha que separa o bem do mal.

    Nada disto atenua a morte do Leandro. Mas não deitem lenha para a fogueira inquisitória sem saberem a verdade.

    É tempo de responsabilizar a escola mas também os pais e os alunos prevaricadores. É tempo de de o ME deixar de canalizar para os colégios privados o que poupa no sistema público.

    Ribeirão

    ResponderEliminar
  13. Ainda bem que não sou só eu a pensar que uns bons "estalos" à moda antiga funcionam! Infelizmente agora se marcar com uma X um trabalho a corrigir vem logo a "tribo" toda a dizer que o prof "tá de ponta" com o "tadinho" do menino...
    "Nem tanto ao mar nem tanto à terra" mas que faltam umas palmadas... ai isso faltam!( Só não sei a quem: aos pais ou aos meninos?)
    FátimaB.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...