segunda-feira, 23 de novembro de 2009

E a prova de ingresso?

Será que os sindicatos estão a acautelar a situação dos colegas contratados?

Bem sei que esta matéria (a denominada "prova de ingresso") se insere na transversabilidade do Estatuto da Carreira Docente (ECD), mas estarão os sindicatos suficientemente motivados para discutir este tema?

Só para relembrar os sindicatos: Não podem em consciência, afirmar que este tema será para resolver posteriormente, pois as referências no ECD a esta prova são várias! As referências à "prova de avaliação de conhecimentos e de competências" (designação legal"), iniciam logo no artigo 2.º do ECD, o qual transcrevo:

"Artigo 2.º
Pessoal docente
Para efeitos de aplicação do presente Estatuto, considera-se pessoal docente aquele que é portador de qualificação profissional para o desempenho de funções de educação ou de ensino, com carácter permanente, sequencial e sistemático, ou a título temporário, após aprovação em prova de avaliação de conhecimentos e de competências."

Depois, e passando para o artigo 22.º, observamos também que esta prova é um dos requisitos para admissão a concurso... para ingresso na carreira.

Mais... Aos professores titulares compete a elaboração e correcção das provas nacionais de avaliação de conhecimentos e competências para admissão na carreira docente (artigo 35.º). Se realmente acabarem com a divisão, este ponto também deverá ser eliminado... Se o eliminarem terão de falar na prova...


Assim espero.

21 comentários:

  1. Eu até concordo com a prova para cortar de uma vez por todas com as notas insufladas. É DEMASIADO! Quanta gente já me passou à frente por causa destes insuflados. É UMA TREMENDA VERGONHA. PROVA DE INGRESSO SIM SENHOR!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  2. Para quem acaba o curso...não para quem já dá aulas! Quando somos necessários, somos professores, quando não interessa, temos que fazer prova!!!

    ResponderEliminar
  3. Em que moldes?
    Como é composto o júri? Interferências da autarquia?
    Se por um lado houve notas insufladas por outro não haverá tráfico de influências?
    Isenção, ética, valor… palavras, simplesmente palavras.

    ResponderEliminar
  4. Insuflados? Essa é nova...


    Bem Ricardo lá esta um tema deveramente preocupante e que acho que poderá escapar as pessoas intervenientes na negociação (M.E, sindicatos, Parceiros Sociais e Partidos em Geral).


    Partilho perfeitamente a tua visão e sinto alguma estranheza por ninguém falar sobre o assunto.

    Sinceramente aguardo com alguma ansiedade o desfecho deste trapalhada toda.

    Sentiremos alguma vez a sensação e a segurança de sermos Pessoas integrantes numa Carreira, numa Profissão?

    Como Professor Contratado essa é uma visão cada vez mais ténue e enevoada.



    Prova de Ingresso em plena função da carreira distingue os "Insuflados" Antz?

    Quem são os "Insuflados" não percebo código morse!?

    ResponderEliminar
  5. E 'prontus'... Lá começam os macaquinhos de alguns a coçar para dentro!!!

    É por estas e por outras que eu digo que os professores nunca hão-de ser, verdadeiramente, uma classe profissional unida e de voz única...

    É por estas e por outras que as coisas estão como estão, não se esqueçam disso num futuro próximo...

    ResponderEliminar
  6. Não sei muito bem porquê, mas parece-me que não conseguimos viver com injustiças mas também não queremos que as corrijam quando o problema nos é vantajoso.

    Existe mais um tema que irei abordar amanhã ou depois e que diz respeito à progressão na carreira. Mais uma situação que será vantajosa para uns e má para outros.

    ResponderEliminar
  7. O tema da progressão interessa profundamente e não tem sido tratado com a importância que merece. Espero que esse post seja esclarecedor pois estas mudanças de escalões andam a deixar-me completamente tolo.

    ResponderEliminar
  8. Venha de lá esse poste da progressão que é bem preciso!!!!

    ResponderEliminar
  9. Ó Ricardo, tu vê lá o que vais escrever que eu dou aulas desde 2000 e estou no 1º escalão... ;)

    Olha que se 'puxas por mim' eu ainda escrevo ums 'post' a sério. ;)

    Grande Abraço

    ResponderEliminar
  10. PAra: Antz...
    O Sr. Professor fala assim, do alto do seu "pedestal", como se fosse o dono da verdade. Porventura, se estivesse na situação desses colegas, com menos de 4 anos de serviço (como eu aliás e como 6 anos lectivos), certamente as suas certezas retórias não se manifestariam do mesmo modo...
    Enfim, Hozolio, Ricardo etc , é que têm razão: somos demasiadamente pequeninos, cada um olha para o seu umbigo, os outros, o que sentem , as suas injustiças pouco importa... Que importa os outros se eu até estou bem? Pois é triste... Mas enfim, é o país, as pessoas e o sistema que temos...
    Se feri susceptibilidades, lamento.
    Cumprimentos Ricardo e Hozolio, como sempre fazem um belo trabalho.
    Se tivessemos o vosso espírito altruista certamente o nosso mérito seria reconhecido... e a nossa idoneidade também...
    Lia

    ResponderEliminar
  11. Só para completar o raciocício do "ANTZ" citando:
    "Eu até concordo com a prova para cortar de uma vez por todas com as notas insufladas. É DEMASIADO! Quanta gente já me passou à frente por causa destes insuflados. É UMA TREMENDA VERGONHA. PROVA DE INGRESSO SIM SENHOR!!!!!!!!!"

    Pois, eu iria mais longe, seria fundamentalista: prova de avaliação de competências e de conhecimentos para todos,inclusive os já integrados na carreira.
    À luz do raciocínio do colega referido há muito boa gente que precisava de reciclar conhecimentos, mudar práticas etc... e mais não digo porque não quero ser indelicada não sei se perceberam...
    Se assim fosse, certamente o colega mudaria de opinião. Pois claro, como eu o compreendo...
    Lamento Ricardo, "estou revoltadíssima" com o egocêntrismo de alguns...
    Fiquem bem...
    E desculpem qualquer coisinha.

    ResponderEliminar
  12. É uma pena que tantos professores misturem as suas justas críticas às políticas educativas que têm sido seguidas (como por exemplo a criação dos titulares e a avaliação arbitrária que o anterior governo queria fazer) com preconceitos.
    A prova de acesso é uma medida justa e necessária!

    ResponderEliminar
  13. Acha que sim...
    Diga-me lá porquê? O que é que os recém-formados têm a menos, em termos de conhecimento que os outros colegas? A experiência?
    Não generalizemos as coisas: há profissionais bons e menos bons em todo o lado,e não me parece, e disso tenho eu a certeza, que essa prova possa separar o trigo do joio... Aliás poderá e disso não tenho dúvidas, fomentar mais injustiças.
    E mais o período probatório, deveria servir, na sua génese para isso mesmo. Somos constantemente ao longo do nosso percurso postos à prova, facilmente se dá conta de situações limite.
    Nenhuma avaliação de conhecimentos bla bla bla é 100 % justa. Somos professores e avaliamos os nossos alunos e damo-nos conta precisamente de diversas variantes que interferem no processo avaliativo... pois isso não me parece que seja esse o caminho.
    Aposte-se na formação nas universidades, sejam mais exigentes na formação... O problema está em algumas universidades e inst. politécnicos... O professores são apenas instrumentalizados e nada mais, não têm culpa dessas falácias.
    G.P

    ResponderEliminar
  14. Exactamente HzoLio... quando as questões só afectam uma parte da classe não há nunca entendimento - lamento dizer isto, mas na nossa profissão pululam invejosos e egotistas (quem não conhece colegas que achavam bem a divisão porque eram titulares?) - só quando dói a todos é que acordam... é triste, muito triste!

    A prova de acesso é como a avaliação - na essência é uma boa medida e devemos exigi-la (até acho que deveriam ser as estruturas a promovê-la, como existe nas diversas ordens de engenheiros, advogados, etc) o grande problema é como é que vai ser implementada? quem a elabora? quem avalia? que consequências para quem não obtem aproveitamento?

    ResponderEliminar
  15. Não generalizemos as coisas: há profissionais bons e menos bons em todo o lado,e não me parece, e disso tenho eu a certeza, que essa prova possa separar o trigo do joio (...)
    o período probatório, deveria servir, na sua génese para isso mesmo.


    Ora aqui uma posição ponderada e aceitável por (quase) todos...

    Não é num 'teste' de x minutos que vamos ver se o candidato, como lhe chamam, é capaz ou não de superar as adversidades do dia-a-dia da vida de professor.

    Tal como dizia um dos meus melhores 'mestres', há excelentes alunos que dão uma mer.. por caria de professores, bem como há alunos de mer.. porcaria que dão excelentes professores.

    Querem avaliar se as pessoas estão aptas a leccionar nos dias que correm?! Voltem aos estágios antigos... Estágio de 2 anos, em que no 2º o professor tem pelo menos 4/5 turmas à sua responsabilidade, sendo este período considerado para probatório. Mas avaliem as pessoas a doer, pois a mim também ninguém me poupou.

    Obviamente que esta seria uma solução mais dispendiosa para o Governo, pois os 'estagiários' (ou 'candidatos a professores' como lhes queiram chamar) teriam de auferir um vencimento, mas desta forma acabavam-se as tosses de certezinha absoluta!!!...

    ResponderEliminar
  16. Tudo isto devido ao código morse!? Whoa!! Hehe

    ResponderEliminar
  17. Não concordo. Os professores já foram avaliados no seu curso. Estão aptos a exercer funções.

    ResponderEliminar
  18. não sejam tolos...os professores foram avaliados anualmente ao longo do curso;posteriormente fizeram estágio com alunos ,lutando pela nota de estágio porque a nota final era como sabem, o somatorio de duas componentes.os professores de hoje fizeram como os de antigamente o que lhe foi exigido.o que esteve e está mal é a existência da cunha ,mas a maldita sempre existiu... existem universidades que funcionam mal(no publico e no privado) fiscalizem...tudo isto é tretas...;tambem há bons professores,ainda a trabalhar que beneficiaram de passagens administrativas e que bem posicionados estão,os senhores mestres e doutores...deixem os professores trabalhar...pago impostos,sou português,tenho direito a uma escola pública com tranquilidade e sucesso.

    ResponderEliminar
  19. não sejam tolos...os professores foram avaliados anualmente ao longo do curso;posteriormente fizeram estágio com alunos ,lutando pela nota de estágio porque a nota final era como sabem, o somatorio de duas componentes.os professores de hoje fizeram como os de antigamente o que lhe foi exigido.o que esteve e está mal é a existência da cunha ,mas a maldita sempre existiu... existem universidades que funcionam mal(no publico e no privado) fiscalizem...tudo isto é tretas...;tambem há bons professores,ainda a trabalhar que beneficiaram de passagens administrativas e que bem posicionados estão,os senhores mestres e doutores...deixem os professores trabalhar...pago impostos,sou português,tenho direito a uma escola pública com tranquilidade e sucesso.

    ResponderEliminar
  20. Para HzoLio: Parabéns pelos 3 anos do TIVE. Só hoje é que dei conta... Sorry.

    Quanto ao que vou escrever sobre os escalões: Será o retrato do dilema de um colega, que será em tudo similar ao que muitos de nós terão dentro em breve (quando começarem a pensar nisso).

    Vou dar agora um pulo ao teu espaço para ver o que andas a fazer...

    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  21. Só coisas sem jeito... Baboseiras dirão alguns! ;)

    É para desanuviar, pois desconfio que estão para vir tempos complicados... :O

    Grande Abraço

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...