sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Informações relevantes no sítio da FENPROF.

Convém dar um "salto" ao sítio da FENPROF. São dois os temas "quentes", que são alvo de artigos. O primeiro é relativo às colocações da 2.ª colocação cíclica e o segundo relativo a verdadeiras atrocidades que estão a ser implementadas em algumas escolas no processo de avaliação do desempenho.

Apenas irei colocar aqui o que considerei mais relevante, mas é de todo aconselhável uma visita.

(1) 2.ª Colocação Cíclica (link FENPROF):

(1.1) Estatísticas relativamente a colegas contratados

- COLOCAÇÃO ANUAL: 1469
- COLOCAÇÃO TEMPORÁRIA: 1486
- TOTAL: 2955

- CONTRATADOS: 1045
- OUTROS: 1905

- FINALISTAS: 4

- LICENÇA SEM VENCIMENTO: 1

(1.2) Colegas QZP por afectar

- TOTAL: 506
- Grupo 100: 55
- Grupo 110: 381
- Grupo 200: 3
- Grupo 210: 17
- Grupo 220: 3
- Grupo 260: 1
- Grupo 300: 7
- Grupo 330: 25
- Grupo 340: 14


(2) Algumas das atrocidades cometidas em algumas escolas na avaliação do desempenho docente (link FENPROF):

- A sujeição de docentes a dois processos de avaliação na mesma escola, pelo simples facto de leccionarem disciplinas de departamentos diferentes. Por exemplo, depois da dita "reorganização" do 2.º Ciclo, os docentes que leccionam Português e História;

- A avaliação de docentes por colegas de outros grupos disciplinares que não têm competências metodológicas, científicas e pedagógicas para o fazerem;

- A intenção de, este ano, serem observadas 5 e não 3 aulas, das quais as duas em excesso seriam por conta do ano já passado!

- A tentativa de estabelecer critérios para a avaliação de educadores de infância em função dos "resultados escolares" dos alunos;

- A tentativa de impor, nos objectivos individuais dos docentes, as metas de "sucesso escolar" estabelecidas para a escola, não tendo em conta a especificidade de cada turma atribuída aos professores;

- A tentativa de penalizar docentes que faltaram ao serviço por razões devidamente justificadas (doenças, acompanhamento de filhos menores, nojo, entre muitas outras) que estão previstas na lei como equiparadas a serviço efectivamente prestado;

- A alteração de classificações atribuídas e comunicadas a docentes contratados, no ano anterior, e o recurso a critérios absolutamente arbitrários para aplicação das cotas de avaliação impostas por lei, o que está, já, a originar o recurso à via jurídica e de contencioso;

- A imposição de condições ilegais (como o número máximo de colegas a avaliar) no que respeita às condições em que os docentes que estão obrigados a avaliar o podem fazer, o que destaca, ainda mais, o carácter burocrático de todo o processo em curso;

- A avaliação de docentes por colegas que, por serem avaliadores e se encontrarem dispensados de serviço lectivo, prestam apoio na sala do próprio avaliado.



Ninguém está a salvo destes exageros! Convém denunciá-los... O email "verde" da FENPROF é o que se segue: comissao.paritaria(at)fenprof.pt

3 comentários:

  1. OS PROFESSORES OU RECUSAM SUBMETER-SE A ISTO OU SERÃO COMPLETAMENTE CILINDRADOS! Desculpem o grito!

    ResponderEliminar
  2. O que mais "admiro" na Fenprof é a sua "ingenuidade".
    Continua a acreditar que o (des)governo valoriza as suas intervenções...
    "Foi necessária a intervenção da FENPROF, para que, embora com três dias de atraso em relação ao último ano, o ME fosse obrigado a publicar as listas de colocação da 2.ª cíclica."
    Esta afirmação faz-me sorrir pelo conteúdo de tamanha ingenuidade.
    O (des)governo com as colocações tardias, na 2ª Cíclica, poupou, mais uma vez, o pagamento de contratos a alguns professores.
    Desde quando é que o (des)governo ouve o sindicato, seja ele qual for?

    ResponderEliminar
  3. Por ingenuidade ou protagonismo da FENPROF é que não coloquei essa parte do artigo aqui no blogue. Também ela me provocou um sorriso... Os argumentos por si utilizados são indesmentíveis. Infelizmente.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...