sexta-feira, 27 de julho de 2012

Estarei a delirar?

Ministério da Educação cede em horários zero, compensações por caducidade e vinculação de contratados

Comentário: De acordo com o artigo (que cita Mário Nogueira), Nuno Crato ter-se-á comprometido a "tentar arranjar horários para todos os professores do quadro, fazer este ano uma vinculação extraordinária de contratados e pagar compensações por caducidade de contratos".

À exceção da vinculação extraordinária de colegas contratados que me parece algo irreal e irá gerar forte polémica (não só entre os colegas contratados, mas também com os colegas dos quadros), as restantes até poderão ser mais ou menos exequíveis. A tentativa de arranjar horários para os colegas dos quadros que tiveram de ir a concurso por mobilidade interna já está em marcha e as compensações por caducidade de contrato não serão mais do que um resultado de acumulação de sentenças.

No entanto, tanta "oferta" de Nuno Crato não pode nem deve deixar os professores indiferentes... Bem sei que a estratégia do "anunciar que se vai cortar em 75%" para depois "anunciar que afinal já só se corta 50%" é velha e tem provas mais do que dadas, mas acredito que entretanto já teremos aprendido algo e não nos deixaremos tomar por parvos.

Enfim... Mais um dia no "teatro".

42 comentários:

  1. O que roubaram em subsídios dá para pagar a compensação...

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente estas notícias até me confundem relativamente às opções que escolhi para a minha candidatura. Fiz um concurso a pensar no "inferno" e afinal parece que a catástrofe não vai ser assim tão violenta. Já me arrependi de ter submetido a minha candidatura hoje :-(

    ResponderEliminar
  3. Mas os Sindicatos sempre gostaram disso dos 75% --> 50%

    Porque depois vêm cá para fora dizer
    "Fomos nós, fomos nós! É tudo graças a nós!"

    ResponderEliminar
  4. Será que vai pedir ao génio da lâmpada os 3 desejos:

    "...O ministro da Educação comprometeu-se hoje a tentar arranjar horários para todos os professores do quadro, fazer este ano uma vinculação extraordinária de contratados e pagar compensações por caducidade de contratos..."

    Que valente patetice.

    ResponderEliminar
  5. aguardem....
    o ano passado no fim de 13 anos,não fui colocada por concurso
    (completo e anual),vi reconduções e outros mais novos ultrapassarem-me....agora,contam com mais 365 dias e eu 200 e poucos...
    este ano a injustiça deve continuar
    palavras,leva-as
    o vento...

    ResponderEliminar
  6. e a compensaçao de caducidade do contrato do ano passado que o Ministério não pagou, também entra nesse discurso?

    ResponderEliminar
  7. Que raio de vinculação vai ser feita este ano? Os que forem reconduzidos? É que se assim for e se os sindicatos deixarem passar essa tremenda injustiça eu acho que é desta vou a Lisboa cuspir na cara do Crato... Só no meu grupo, eu que estou no nº 700, tenho centenas de pessoas depois de mim que todos os anos são reconduzidas...
    Marília

    ResponderEliminar
  8. Estou para ver se não vamos ter situações injustas de na mesma escola um colega ter nove ou mais turmas e o outro colega da mesma disciplina (mas que foi inicialmente para horário zero) ter uma turma e o resto do horário com apoios e biblioteca...

    ResponderEliminar
  9. Relativamente à vinculação, não vejo outra opção possível, além de ter de ser respeitada a graduação profissional e isso, nada tem a ver com quem foi ou vai ser reconduzido! Todos nós temos 1 nº de graduação e é esse que deve ser considerado! Quanto aos profs do quadro ficarem revoltados ou sentirem-se injustiçados: Porque haveriam de o ficar? Por acaso até acho que seria mais justo o vínculo este ano, já que para o ano há obrigatoriamente novo Concurso e assim a justiça poderia ser maior. Há mtos vinculados com menos tempo de serviço do que alguns contratados, simplesmente porque entretanto as vagas não abriram! Ricardo: não consigo perceber qual o raciocínio para o facto dos profs do quadro não concordarem com o vínculo extraordinário?

    ResponderEliminar
  10. Pois! no ano passado depois de 16anos, e 11 anos de serviço efectivo já depois da profissionalizaçao não fui reconduzida (o meu horário foi ocupado por um DACL) e não fui colocada por concurso
    (completo e tipo 2 mas anual),vi reconduções e outros mais novos ultrapassarem-me com a história dos temporários (MAS ATENÇÃO NÃO FOI POR MAL, "ELES" NÃO TIVERAM INTENSÃO DE PREJUDICAR)....agora,contam com mais 365 dias e eu NADA!
    Pagamento por caducidade de contrato NADA! (MAS SEM INTENSÃO DE PREJUDICAR CLARO QUE "ELES" NÃO TIVERAM INTENSÃO DE PREJUDICAR).
    Só apetece atirar pedras (MAS SEM INTENSÃO DE PREJUDICAR).

    ResponderEliminar
  11. Atenção : INTENSÃO é fina ironia.

    ResponderEliminar
  12. bastava ver a data do 1º concurso público e quem sempre concorreu a concurso publico...
    houve muitas ultrapassagens amigas adquiridas por tempoacumulado n anos em reconduçoes...
    estou por tudo...
    a injustiça continua.

    ResponderEliminar
  13. Muito provavelmente MN falou e o MEC comprometeu-se a pensar no que ouviu e nada mais (estratégia para evitar tanto quanto for possível "ruído" no incício do ano letivo). De todas, a única que provavelmente corresponderá a uma intenção real será a primeira,o resto é delírio, aliás, na última entrevista que deu, Nuno Crato já foi emendando a mão relativamente à vinculação extraordinária.

    ResponderEliminar
  14. Atenção ao português... Intenção e não intensão!

    ResponderEliminar
  15. Estou muito cética em relação a todas as notícias referidas. Mas concordo que a haver uma vinculação extraordinária, só faria sentido no concurso atual, uma vez que no próximo ano o concurso segue o seu rumo normal a nível nacional com todos a concorrer. Agora só concorrem contratados é mais fácil. Mas, sou sincera: não acredito!

    ResponderEliminar
  16. Qualquer vinculo extraordinário dos contratados não pode, de modo algum, significar ultrapassagens na lista de graduaçãp, porque, nesse caso, os contratados ganham uma guerra...com os efetivos, não com o ministério! Sendo efetiva jamais vou tolerar que um contratado menos graduado vincule numa escola para a qual pretendo ir...nem que tenha de recorrer aos tribunais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo consigo plenamente! Se 1 contratado menos graduado vincular numa escola que eu quero, por o concurso não ser nacional, recorro aos tribunais! Aliás, qualquer concurso que não esteja regulado pela legislação em vigor é ilegal! Há muitos professores do quadro com muitos anos de de serviço longe de casa e em qzp sem escola!!

      Eliminar
  17. Eu desconfio sempre das boas notícias, principalmente em tempos de troika.

    ResponderEliminar
  18. Isto são migalhas para calar este ano quer os horários zero (que muitos nem sequer seriam, mas que o MEC fez acreditar que eram)quer os contratados. As medidas de fundo, essas mantêm-se (e não é só por este ano): aumento de alunos por turma, aumento para o dobro do número mínimo de alunos para a abertura de disciplinas de opção no 12ºano, agrupamentos, matrizes curriculares... E já agora, esses medidas não prejudicam só os professores, prejudicam também - e muito - os alunos.

    ResponderEliminar
  19. Pronto, desci à terra, não tinha lido a notícia com atenção, afinal não houve compromisso, o Crato vai apenas tentar fazer essas coisas. Duvido que o consiga fazer. Pode tentar... mas, também pode justificar-se, depois, dizendo que não conseguiu concretizar, porque não dependia apenas dele...

    ResponderEliminar
  20. Eu desconfio SEMPRE.

    De qualquer maneira nunca nada é definido na Educação: cada ministro que aparece quer revolucionar o sistema, mudando as regras do jogo.

    Vivemos num sistema que o importante é ser diferente do anterior independentemente da promoção do sucesso dos alunos e da qualidade do ensino.

    Os objectivos da educação centram-se no desenvolvimento das aprendizagens dos alunos, no conhecimento do mundo que os rodeia, ensiná-los a pensar e a ser críticos, a lutar por algo e a consegui-lo através do empenho e do esforço...

    ...algures pelo caminho da burocracia e dos cortes orçamentais, isto foi esquecido!

    ResponderEliminar
  21. De facto, os professores, nomeadamente os contratados, não têm descanso! São suposições atrás de suposições!! Vinculação extraordinária?! Era bom! Mais quais são os critérios a serem aplicados? Vinculação já neste concurso?! Mas com que bases?! Afinal muitos contratados não submeteram já a sua candidatura ao concurso de docentes, manifestando as suas preferências de acordo com as regras em vigor?! Ou então elaboram uma lista de contratados com X anos de serviço, sem terem em consideração as graduações de cada um dos candidatos e o número de vagas em cada Grupo?! E os horários zero?! Até agora havia professores a mais e, repentinamente, arranjam-se 6 horitas e já está! E no futuro? Dá-se agora o rebuçado, mas nos próximos anos esses horários zero, na prática, manter-se-ão! Será que face às contingências financeiras isso será possível? Se elas não existem, qual teria sido o motivo que terá conduzido o MEC a tomar um conjunto de decisões precipitadas?! Colocar os professores em alvoroço? Enfim, desabafos de um docente contratado que adora a sua profissão, que se tem deslocado por várias zonas do País (de Norte a Sul) e que, nos últimos anos, verificou que tal esforço não valeu a pena! Afinal, as regras do jogo são constantemente adulteradas (veja-se TEIPs, Autonomia, renovação de contratos no 1º ano em que foram permitidas, docentes com menos tempo de serviço a ultrapassarem docentes com mais tempo e melhor graduação). E não venham dizer que não é a graduação que determina se um professor é bom ou mau?! Então, qual será o critério mais justo? Temos de ter mais consciência de classe e não olharmos apenas para o nosso próprio umbigo! Hoje, somos favorecidos mas, amanhã, poderemos estar na situação de prejudicados! Mas, enfim... É assim que o MEC vai impondo as medidas sem haver grande oposição da parte ou das partes interessadas.

    ResponderEliminar
  22. o tempo de serviço sempre foi muito importante...nestes ultimos tempos arranjaram esta trapalhada e prejudicaram milhares ...uns,tiveram cunhas,outros sorte,outros tramaram-se...foi a maioria.
    o tempo de serviço,contava muito ,quando a justiça andava pelo mundo...hoje,esta viciado;agora,deverá ser a data do 1º contrato e numeros de contrato...

    ResponderEliminar
  23. Tudo isto é estranho. De repente, o MEC ceder é para desconfiar e muito. Relativamente às três propostas, penso que só uma não deverá ser posta em prática: o pagamento da caducidade... Onde vai o MEC buscar o dinheiro para isso???? No que diz respeito às outras propostas acho-as perfeitamente realizáveis, dado que não implicarão despesa acrescida para o orçamento de estado. Os dacl vão continuar a receber quer tenham colocação ou não; os contratados vão continuar a existir e, portanto também têm que ser pagos também. A despesa é a mesma quer o professor seja contratado ou vinculado, desde que recebam o mesmo... Penso que é com base nisto que haverá vinculações "provisórias". Digo provisórias, porque se se vincularem agora contratados, logo serão encaminhados para a situação de dacl... e o problema fica resolvido para o MEC

    ResponderEliminar
  24. Eu não acredito nas vinculações extraordinárias. Já foram proposta algumas para calar os contratados e depois foram canceladas, porque os professores contratados há muitos anos tinham que ser integrados nos escalões correspondentes aos anos de serviço que possuíam. Isso também era um prejuízo para o Estado. Neste momento, com a conjuntura económica, penso que, mais uma vez, será impossível concretizar esta medida, infelizmente. Para nosso bem (contratados), era uma medida muito importante.

    ResponderEliminar
  25. As vinculações não vão acontecer este ano lectivo.
    Não se desmobilizem.
    Ponham os pés na terra.
    Dora

    ResponderEliminar
  26. Os responsáveis do MEC querem é diminuir os protestos dos professores.
    Das propostas a única que irá avançar será a ocupação dos professores dos quadros
    Os sindicatos no geral apenas defendes o pessoal dos quadros....
    Para os contratados nada..de boas intenções está o inferno cheio.
    Muitos professores ainda acreditam no pai natal...
    Vinculação de contratados só se fosse para "meia dúzia " se não existem lugares nas escolas não se pode fazer...

    ResponderEliminar
  27. Em relação à compensação pela caducidade do contrato será o de este ano letivo e do anterior? Em ambos os anos a escola comunicou-me por escrito, um mês antes do término do contrato que este ia terminar. Terei direito a receber a compensação? No ano passado fiz requerimento à escola para me pagarem a compensação e nada... Este ano ainda não fiz (contrato termina a 31/07). Será que deverei também fazer o requerimento este ano?

    ResponderEliminar
  28. A vinculação extraordinária dos Professores contratados será algo de irreal? O ministério de repente ceder? Só poderá pensar que o ministério de repente vai ceder, quem não tem acompanhado o intenso trabalho que tem sido desenvolvido por grupos, movimentos e comissões de Professores contratados nos últimos anos e que teve um dos seus pontos altos na discussão da petição na Assembleia da República em 8 de Abril de 2010.
    Quando for oportuno há-de ser feita essa cronologia de atividades, para que não se pense que tudo vem do "ar". É um momento único para demonstrarmos que existe uma grande união entre Professores (vinculados ou não vinculados).Ou as palavras de união, coesão, força,classe, não passam de retórica. E começamos a olhar para o nosso umbigo (e comparar com o do vizinho?)
    Nas últimas semanas (re)começou a criar-se uma "onda", com a mobilização de Professores que tem ocorrido um pouco por todo o país.
    TODOS, somos POUCOS.Não vamos desperdiçar esta mobilização de Professores, como já foram desperdiçadas outras num passado recente.A bem, da excelência do sistema de ensino!

    ResponderEliminar
  29. Eu concordo com a vinculação de professores contratados mas não por paraquedismo. Sempre houve uma lista de graduação para concursos? Sim. Todos os professores do quadro estão onde querem? Não. Vai haver concurso para efetivar no próximo ano, por que é que o ministério não abre mais vagas nesse concurso de modo a permitir que professores contratados entrem no quadro honestamente e os professores do quadro possam aproximar-se da escola que querem? Não se trata de lutas internas entre professores do quadro e professores contratados, trata-se de justiça.

    ResponderEliminar
  30. Vamos TODOS defender a excelência do ensino e as medidas que promovam essa qualidade. Justiça, honestidade, claro que sim! Alguém sabe os critérios da vinculação extraordinária, para antecipadamente estar em por em causa o processo de vinculação de Professores contratados que ano após ano, alguns há mais de uma década, estão a desempenhar funções docentes? Funções essas que são semelhantes e exercidas igualmente por todos os Professores (vinculados e não vinculados), com extrema dedicação, empenho e abnegação!
    Alguém houve da parte dos médicos vinculados, comentários sobre o processo de vinculação de 2 000 médicos anunciado pelo ministério da Saúde há duas semanas atrás?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nunca houvi mas ouve quem a tivesse houvido.

      (o novo acordo ortográfico não justifica tudo!)

      Eliminar
  31. já que estamos na era da troika, se calhar é altura para perceber que quem manda nisto já não somos nós, mas sim os Europeístas que têm assento no poder da UE. Estará o Nuno Crato a copiar algum modelo europeu de um outro país qualquer? Há que investigar.... Provavelmente é isso que está a acontecer e ainda nenhum de nós se apercebeu disso. Globalização de modelos é algo que na altura em que vivemos em nada me espantaria, e se assim é, mais vale tentar perceber qual é o real modelo que este governo tem em vista para a nossa profissão. Se calhar até é bom, mas a falta de verdade está a deixar-me furioso!

    ResponderEliminar
  32. Olá, a todos, Ricardo e Colegas,
    Será que me poderia esclarecer, por favor?

    - se ficar um ano sem dar aulas, perco a 1.ª prioridade? ou por outras palavras, quem passa agora a ter 1.ª prioridade? quais as condições para tal?

    - se for colocada numa escola e rescindir ou não aceitar, qual a penalização?

    Muito obrigada, desde já.
    Um grande, grande «muito obrigada!».
    Cristina

    ResponderEliminar
  33. Nuno Crato ter-se-á comprometido a pagar compensações por caducidade de contratos".

    POIS CUMPRIR A LEI CONVEM.


    ESTE JOVEM NUNO CRATO É DE UMA INTELIGÊNCIA EXTRAORDINÁRIA,


    P R O M E T E C U M P R I R A L E I.


    ESTAMOS A EVOLUIR PESSOAL!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  34. NUNO CRATO PROMETE CUMPRIR A LEI:


    AHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH

    ResponderEliminar
  35. NÃO CONHECER AS LEIS E OS DIREITOS QUE SE TEM É GRAVE. MAS COMPREENDO, NA MEDIDADA EM QUE TODOS OS DIAS MUDAM A COISA.

    Em ambos os anos a escola comunicou-me por escrito, um mês antes do término do contrato que este ia terminar.COMUNICARAM PORQUE NAO QUISERAM IR PARA O TRIBUNAL.ANTES ISTO ANDAVA À BALDA , MAS JA FORAM APANHADOS DE SUPRESA, AGORA TRANCA NA PORTA TereEm ambos os anos a escola comunicou-me por escrito, um mês antes do término do contrato que este ia terminar. Terei direito a receber a compensação? CLARO QUE SIM, ELES COMUNICARAM, SIGNIFICA QUE NAO TE QUEREM LÁ, A "CULPA" É DELES, PORTANTO TENS DIREITO A INDEMNIZAÇÃO. A LEI FOI ALTERADA. ATÉ VER É DIREITO A 20 DIAS POR CADA ANO DE CONTRATO.


    ATENÇÃO QUEM TEVE O CONTRATO RENOVADO POR 3 ANOS, SAO 3X 20= 60 DIAS DE INDEMNIZAÇÃO.

    NOUTROS MINISTERIOS FIZERAM ISSO, AQUI É QUE ACHAM QUE OS PROFESSORES SAO UMA CAMBADA DE PARVOS.

    ResponderEliminar
  36. Tenho dúvidas: como se vai processar a dita vinculação? sou do QZP 11(Lisboa, no entanto pretendo aproximar-me, talvez para o QZP 13 ou 22, quem sabe, mas a dúvida é: um novo vinculado consegue ficar já no Porto, por exemplo, e eu que há anos que quero mudar continuo no Qzp de Lisboa, sem oportunidade que isso aconteça?
    Agradeço a quem conseguir responder.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qualquer concurso que não seja aberto para todos, com vagas para colocação por ordem de graduação é ilegal. Os professores do qzp que não têm escola e todos os que são dos quadros e pretendem aproximar, não podem deixar isto passar! Tribunais já!!

      Eliminar
  37. Qualquer concurso que não seja nacional e por ordem de graduação, dando a todos os quadros a hipótese de aproximar e aos quadros de zona a hipótese de arranjar escola, é ILEGAL!! Tribunais já!!!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...